PUBLICIDADE

Topo

Preto à Porter

Um resgaste da realeza negra


"Eu sou neguinha?": 'Preto à Porter' investiga as cores do brasileiro

Lucas Veloso

Colaboração para o UOL, de São Paulo

07/09/2021 11h00

Miscigenação é a palavra que se costuma usar no Brasil para falar da mistura de etnias no país, mas Roger Cipó, fotógrafo e apresentador de Preto à Porter, adverte que a palavra e seu conceito "não parecem contar toda a verdade" sobre as "cores" do Brasil.

Quem sou eu? Quem é você? Quem somos nós? É este o tom de "Eu sou neguinha", o terceiro episódio de Preto à Porter, programa dirigido por Rodrigo Pitta, em parceria com a MOV, a produtora de vídeos do UOL, e o coletivo de entretenimento internacional TEAM O!.

A historiadora Carol Sodré, também apresentadora do programa, explica que algumas características da colonização no país que interferiram drasticamente na nossa sociedade e contrapõem a ideia de que o Brasil vive uma democracia racial. Um deles é o constante abuso sexual de mulheres indígenas e negras.

Além disso, conta, o Estado brasileiro criou políticas para embranquecer a população. Exemplo é o incentivo à vinda de imigrantes europeus.

Preto a Porter - Episódio 3 - Reprodução/UOL - Reprodução/UOL
Imagem: Reprodução/UOL

De Los Angeles, Flor e Luz Jorge, filhas do cantor Seu Jorge, retornam a Preto à Porter para conversar sobre suas cores e como a sociedade as enxerga. Filho de Carlinhos Brown e neto de Chico Buarque, o músico Chico Brown também fala que é visto ora como negro ora como branco.

Fora do estúdio, Roger Cipó encontra Max Weber. Um dos maiores profissionais de beleza no país, o maquiador já trabalhou com celebridades do porte da modelo Naomi Campbell. Durante o papo, as modelos negras Débora Evelyn e Wanessa Rodrigues avaliam a ausência de modelos pretas e pardas e relatam situações no mercado de trabalho.

Como a conversa é sobre miscigenação, Weber aproveita para falar sobre tons de pele, que se dividem em cerca de 120 subtons. Além disso, dá dicas de maquiagem para pele negra, como usar protetor solar e lavar o rosto com água gelada.

Vira e mexe, as discussões sobre miscigenação, raça, cor de pele ou autodeclaração voltam ao debate público no Brasil. Um episódio marcante foi a elaboração do Censo de 1976, quando o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) permitiu que cada indivíduo dissesse com qual a cor se identificava.

Foram 136 variações registradas, incluindo algumas bastante indefinidas como "cor de burro quando foge", "meio-branca", "loira-clara" e "morena castanha".

Os Censos mais recentes consideram passaram a padronizar a definição de autodeclaração de raça/cor. As opções são: amarelo, branco, indígena, pardo e preto. Dados do último IBGE mostram que 54% da população brasileira é negra, considerando a soma dos autodeclarados pretos e pardos.

Preto à Porter - Episódio 3 - Reprodução/UOL - Reprodução/UOL
Imagem: Reprodução/UOL

Na década de 1990, a artista plástica Adriana Varejão criou a obra "Tintas Polvo", uma caixa com vários tons de pele, entre elas "escurinha" e "parda". Inspirada na tinta que o polvo libera e no Censo de 1976, Varejão queria refletir as múltiplas leituras de tons de pele vigentes no país. O diretor Rodrigo Pitta foi até o ateliê dela ver de perto tudo isso. "A obra de arte tem que suscitar perguntas", diz.

Questionada sobre o lugar dos artistas negros no mercado da arte, Varejão diz que tem notado mais espaço. Galerias e museus têm dado maior abertura a criadores pretos e pardos, além de incluir em seus acervos outros nomes.

Neste episódio, a série também discute práticas e ações decolonialistas e a desconstrução do ideal europeu que colaboram para mudanças de cenário no Brasil.

Preto à Porter - Episódio 3 - Reprodução/UOL - Reprodução/UOL
Imagem: Reprodução/UOL

Pai de Bless e Titi, crianças adotadas no Malawi, o ator Bruno Gagliasso conversou com os apresentadores de Preto à Porter. De Madri, na Espanha, ele disse que a maior dificuldade de ser um pai branco de crianças negras é que, por mais aliado à causa racial que ele seja, nunca sentirá na pele o que é ser discriminado por causa da cor.

"O que posso fazer é fortalecer meus filhos para que sejam fortes, inteligentes e saibam se defender"
Bruno Gagliasso, ator

Com objetivo de melhorar a vida dos filhos no futuro, Gagliasso diz que estuda, se informa e conhece mais sobre a realidade dos negros, já que até a chegada das crianças não conhecia o cenário de desigualdade racial do Brasil.

O episódio conta ainda com a participação da poeta Elisa Lucinda declamando "O poema do semelhante", com versos que falam sobre o fato dos seres humanos serem parecidos e quase iguais, em alguns sentidos.

"Esse Deus deu coletivo ao meu particular / sem eu nem reclamar / Foi Ele, o Deus da par-essência / O Deus da essência par".

Onde assistir "Preto à Porter"
A série conta com episódios novos toda terça-feira transmitidos no Canal UOL. Ao longo de cinco capítulos semanais, o público poderá acompanhar histórias, entrevistas e conteúdos relacionados à existência negra, como religião, colorismo, pretos em posições de poder e ancestralidade.