PUBLICIDADE
Topo

Roteiros internacionais


O primeiro hotel de empoderamento feminino do mundo será inaugurado nos EUA

Uma escultura de serpente e um mural da juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsberg decoram o Hotel Zena - Reprodução/businessinsider
Uma escultura de serpente e um mural da juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsberg decoram o Hotel Zena Imagem: Reprodução/businessinsider

Do UOL

06/01/2020 04h00

Um hotel que traz o empoderamento feminino como temática principal será inaugurado na primavera de 2020 em Logan Circle, Washington DC, nos EUA, um dos bairros mais descolados da capital norte-americana, repleto de galerias e boutiques de moda.

De acordo com seus idealizadores, o Hotel Zena será um espaço que irá retratar a força da mulher por meio de obras de arte e design provocativo, além de um calendário de atividades para discutir e valorizar o girl power.

"Será o primeiro estabelecimento de hospitalidade dedicado exclusivamente a comemorar as realizações das mulheres", diz Jon Bortz, presidente e CEO da Pebblebrook Hotel Trust, o grupo de investimentos que adquiriu o espaço no final de 2018.

Isso não quer dizer que será exclusivo para mulheres, pelo contrário. O Zena pretende atrair todos os gêneros, raças e sexualidades para ampliar o espectro da discussão em torno do poder feminino - "em harmonia com o pensamento progressista dos hóspedes", segundo comunicado divulgado à imprensa.

O local irá contar com diversas obras de arte, desde uma escultura de serpente de madeira com 15 metros suspensa no teto, até um mural da juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsberg, veterana defensora da igualdade entre homens e mulheres que, há alguns anos, com o impulso das redes sociais, tornou-se um ícone pop entre os jovens.

De acordo com Andrea Dawson Sheehan, diretora de arte do projeto, os detalhes atrevidos contribuem para a energia lúdica, rebelde e desafiadora do empreendimento.

O deck na cobertura do Hotel Zena, que será inaugurado na primavera de 2020 - Divulgação
O deck na cobertura do Hotel Zena, que será inaugurado na primavera de 2020
Imagem: Divulgação

O Zena terá 191 quartos, um deque na cobertura no 14º andar e um bar no lobby. O lounge será palco de programas para os "culturalmente curiosos", conforme definição dos idealizadores do espaço, como jam sessions.

Projetos com propósito

Os hotéis "ideológicos" são uma tendência em Washington. Em 2018, foi inaugurado o Eaton, que se autodenomina como "um centro para o ativismo progressista".

O empreendimento enfatiza aos hóspedes sua abordagem enfática em relação a questões políticas e sociais. O perfil no Instagram, por exemplo, é repleto de postagens com peças artísticas provocativas, cenas de manifestações em frente à Casa Branca e reflexões sobre questões políticas.

No Brasil, há empreendimentos que, assim como o Zena, ressaltam o poder feminino. É o caso do Eugênia Café Bar, em São Paulo, que prega "combater o machismo que ainda impera em bares e afins".

A referência começa já pelo nome do bar, uma homenagem à jornalista, atriz e diretora de teatro Eugênia Álvaro Moreyra (1898-1948), uma das pioneiras do feminismo no país.

Outra iniciativa na capital paulistana é a Goose Island Sisterhood, uma confraria feminina que se reúne para criar cervejas especiais, com a renda revertida integralmente para instituições que defendem causas relacionadas à igualdade de gênero.