PUBLICIDADE
Topo

Circuito Cultural Praça da Liberdade mostra a história de Minas

Renata Gama

Do UOL, em Belo Horizonte

13/06/2013 21h07

Uma opção turística recente e divertida para quem visita Belo Horizonte é o Circuito Cultural Praça da Liberdade. Inaugurado em 2010, o complexo reúne oito museus e espaços culturais na região central, num dos cartões-postais da cidade. Com salas cheias de instalações interativas e criativas, cada ponto do conjunto é um convite para mergulhar na história de Minas Gerais em experiências sensoriais, que extrapolam a apreciação visual.

  • Lucia Sebe/Imprensa-MG

    Paisageismo da Praça da Liberdade é um dos atrativos do local

Para absorver o que os museus interativos têm a oferecer, reserve um dia. Assim, também há tempo de curtir, entre a visita a um museu e outro, o verde da praça e a beleza de suas fontes cercadas de um conjunto arquitetônico histórico.

Um dos pontos altos do circuito é o Memorial Minas Gerais Vale, dedicado à identidade mineira. Nos 31 espaços de exposição e convivência são contadas de formas diversas histórias que explicam as origens das principais características do povo mineiro. E o visitante compreende como a trajetória histórica do Estado, desde o momento em que os bandeirantes desbravaram a terra em busca de riquezas minerais, passando pelo episódio da Inconfidência Mineira, marcaram o jeito mineiro de ser.

Uma das atrações imperdíveis aliás, é a sala "Panteão da Política Mineira" que retrata o episódio da Inconfidência. Quadros dos personagens principais, como Tiradentes, Cláudio Manoel da Costa, Tomás Antonio Gonzaga e Marília de Dirceu, ganham vida e interpretam os principais eventos que culminaram no enforcamento e esquartejamento do herói da Inconfidência, num verdadeiro dilálogo de época.

Outro ponto divertido é a sala "História de Belo Horizonte", que narra a construção da cidade e algumas de suas lendas urbanas. A história do próprio prédio do museu, onde funcionou a Secretaria de Estado da Fazenda, também é contada. No local foi lançada a pedra fundamental de Belo Horizonte.

Além disso, no museu encontram-se obras de artistas-símbolos de Minas Gerais, como os sertões de Guimarães Rosa, os temas que inspiraram Drummond, a "não arte" de Lygia Clark e o trabalho de Sebastião Salgado. Grande destaque também é dado ao ciclo do ouro no estado.

Dedicado às origens das principais atividades econômicas do estado, a mineração e a metalurgia, o Museu das Minas e do Metal também oferece experiências curiosas. Repletas de instalações interativas, as 18 salas apresentam de forma criativa o fascinante universo dos metais, minerais e seus componentes. Os visitantes podem ver exemplares de peças de ouro, diamantes, pedras preciosas encontradas em sua forma natural e trabalhada. São 44 atrações sobre o tema, sendo 11 instalações dedicadas às principais minas do Estado.

  • Renata Gama/UOL

    O conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade forma alguns dos principais cartões-postais de Belo Horizonte

Na área que retrata a mineração, a atração "Ouro" é uma das mais intrigantes. O visitantes "desce", na companhia de Dom Pedro II e da Imperatriz Teresa Cristina, num elevador virtual dentro da Mina de Morro Velho, em Nova Lima, a 2.450 metros de profundidade.

O circuito ainda contempla outros espaços como o Museu Mineiro, com seu rico acervo que documenta momentos distintos da formação da cultura do Estado. Ainda fazem parte do conjunto arquitetônico, preservado por meio de parceria público-privada, o Palácio da Liberdade, Arquivo Público Mineiro, Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, Centro de Arte Popular Cemig e Espaço TIM UFMG do Conhecimento.