PUBLICIDADE
Topo

Fim do uso obrigatório de máscara dentro do transporte público na França divide opiniões

Passageiros usam máscara em vagão do metrô na cidade de Paris: acessório parece longe de desaparecer - ROSIVAN MORAIS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Passageiros usam máscara em vagão do metrô na cidade de Paris: acessório parece longe de desaparecer Imagem: ROSIVAN MORAIS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

da RFI

16/05/2022 10h29

A partir desta segunda-feira (16) os franceses não são mais obrigados a usarem máscaras nos transportes públicos como medida preventiva contra a covid-19. Mesmo assim o acessório parece estar longe de desaparecer do rosto da população, tendo sido incorporado como hábito por pessoas com saúde mais vulnerável ou por quem ainda se preocupa com os riscos de contaminação.

A suspensão do uso obrigatório das máscaras estampa a capa do jornal Le Parisien, que se refere à decisão como o fim da última imposição do governo para lutar contra a pandemia.

O diário francês, no entanto, destaca que a medida não agrada a todos os profissionais de saúde, muitos acreditam que seria mais prudente aguardar algumas semanas, já que o país ainda contabiliza uma média de 35 mil novos casos diários.

"Fim da máscara", anuncia enfática e sucinta a primeira página do Libération, que conta como o fim do uso da proteção, obrigatório desde maio de 2020, não é uma unanimidade.

Alguns passageiros entrevistados pelo jornal brincam que a máscara virou um acessório da moda, outros, ainda mais irônicos, dizem que ela é uma proteção contra os maus cheiros da cidade. Para alguns, a decisão é eleitoreira com a expectativa das eleições legislativas na França, marcadas para junho.

Há quem admita que utilizar a máscara não é um grande incômodo e pretende continuar usando, lembrando que "a população está vacinada, mas não é invencível", afirma um passageiro.

Para os agentes de segurança que atuam no transporte público, no entanto, a medida pode deixar um certo "vazio" em suas rotinas, depois de pedir insistentemente aos passageiros, por dois anos, durante dias inteiros: "Por favor, coloque sua máscara".