PUBLICIDADE
Topo

Espanha facilita entrada de viajantes de fora da União Europeia; veja regra

Parc Güell em Barcelona, na Espanha - MasterLu/Getty Images/iStockphoto
Parc Güell em Barcelona, na Espanha Imagem: MasterLu/Getty Images/iStockphoto

De Nossa

25/05/2022 15h39

O governo da Espanha flexibilizou desde sábado (21) as regras de entrada de turistas de fora da União Europeia — como os brasileiros — que agora seguirão as mesmas regras dos viajantes do bloco.

Na prática, os cidadãos daqui podem entrar em território espanhol por via marítima ou aérea com um de três comprovantes: o de vacinação completa contra a covid-19; o de recuperação de infecção ou um exame negativo para a doença.

Se o viajante continuar a optar pelo passaporte sanitário, poderá apresentar certificado que prove ter sido protegido com quaisquer vacinas reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde (todos os imunizantes aplicados no Brasil o são).

Caso não esteja vacinado, o visitante poderá apresentar um comprovante de recuperação da covid-19 pelo menos 11 dias depois de testar positivo (este documento é válido por até 180 dias).

Se não optar pelo passaporte de vacinação ou pela comprovação da recuperação, o viajante ainda tem como possibilidade a entrada apenas com um resultado negativo em PCR realizado até 72 horas antes do embarque para a Espanha ou com um teste de antígeno, também negativo, feito até 24 horas antes.

Quem chegar por mar estará isento de preencher formulário de entrada, assim como os viajantes por via aérea que tiverem um passaporte sanitário europeu. Todos os menores de 12 anos seguem desobrigados de apresentar qualquer comprovante para chegar ao país.

"A nova fase da pandemia nos permite relaxar os requisitos de saúde para a entrada na Espanha", comemorou a Ministra da Indústria, Comércio e Turismo, Reyes Maroto, em comunicado oficial do Palácio da Moncloa, sede do governo espanhol. Ele ainda acredita que a medida é segura e "acelerará a recuperação do setor [de turismo]", cujos índices "estão se aproximando de níveis pré-pandêmicos".

Os novos critérios já estão em vigor.