PUBLICIDADE
Topo

Da Ilha do Ferro para NY: troncos que assumem formas do sertão vão longe

Boró Sandes esculpe um de seus bichos do sertão que serão expostos em Nova York - Lucas Meneses - Sedetur-AL
Boró Sandes esculpe um de seus bichos do sertão que serão expostos em Nova York Imagem: Lucas Meneses - Sedetur-AL

Carol Scolforo

Colaboração para Nossa

10/05/2022 04h00

QUEM É

QUEM É

Boró Sandes

é artista popular escultor da Ilha do Ferro, em Alagoas. Produz cadeiras, bancos e outras peças em formas de animais e figuras humanas

Boró Sandes nunca pisou em Nova York, mas suas criações estão prestes a realizar esse sonho. De 11 a 25 de maio, as obras deste artista popular e de outros, além das criações de mestres alagoanos, desembarcam na Casa Brasil Nova York 2022.

O projeto Alagoas Feita à Mão leva criações entalhadas, esculpidas, pintadas e bordadas para a maior metrópole das Américas. Na curadoria de Marco Pulchério e Rodrigo Ambrosio, a Alagoas Handmade Collection é um dos destaques do pavilhão brasileiro.

Para falar de Boró Sandes, é preciso citar a Ilha do Ferro, no sertão alagoano. O povoado a 280 quilômetros de Maceió, às margens do Rio São Francisco, tornou-se ao longo das últimas décadas um celeiro de artistas populares. O imaginário rico dos artesãos transforma troncos e pedaços de madeira em pedaços de animais e em figuras humanas de braços abertos — uma festa para os olhos.

Feito à mão - Boró Sandes

Muitos deles são escultores incríveis, que no passado recebiam os pedaços de madeira já cortados por Boró.

Aprendi com os artesãos a ver a peça com formato do animal. Meu negócio era cortar o tronco e vender para eles. Até que comecei a ver formas de animais e indicar, como onça... Levava já no jeito que era o bicho. Na minha mente sabia que poderia fazer como eles", conta.

De atravessador, ele seguiu a carreira solo com coragem e deu certo. "É o meio de vida que tenho e tem tido aceitação pelo Brasil e agora fora", conta, há 16 anos na atividade. Suas peças exaltam a madeira em sua forma mais crua possível.

Nada de cores exuberantes — os olhos se atraem às formas que saem do esperado para se tornarem cadeiras, bancos e centro de mesa surpreendentes. Sobre Nova York, ele jamais havia sonhado com um plano assim. "Nunca pensei que minhas peças iam chegar tão longe como agora", diz, com simplicidade.