PUBLICIDADE
Topo

Argentino diz ter feito a maior milanesa do mundo; ostentação gera críticas

Cozinheiros preparam enorme bife à milanesa à população de Lujan, nos arredores de Buenos Aires, na Argentina.  - Reprodução/Twitter
Cozinheiros preparam enorme bife à milanesa à população de Lujan, nos arredores de Buenos Aires, na Argentina. Imagem: Reprodução/Twitter

Colaboração para Nossa, em São Paulo

05/05/2022 09h51Atualizada em 05/05/2022 09h51

A população foi às ruas da cidade argentina de Lujan para celebrar o Dia da Milanesa, na terça-feira (3), e pôde acompanhar e degustar a exibição de um gigantesco bife de 12 metros quadrados e 926 kg. Os cozinheiros defendem que é o maior bife à milanesa napolitano do mundo e solicitaram registro no Guinness Book, mas foram criticados pela "ostentação".

Com o objetivo de ultrapassar limites, o chef Luciano Lopez Fuente, responsável pela produção do bife, disse à Reuters que o prato foi elaborado após um longo período de pesquisas para certificar de que nenhum outro cozinheiro no mundo preparou algo semelhante.

Como não foi identificado nenhum recorde associado ao bife milanesa no Guinness Book, o chef e seus colaboradores esperam conquistar esse reconhecimento e exaltar a culinária argentina - apesar de o prato levar o nome de uma região italiana.

O bife à milanesa é uma das comidas mais populares na América do Sul. Acredita-se que sua origem venha da Itália, mas a receita passou por alterações, de acordo com os países e as regiões com os quais teve contato.

Geralmente, o bife à milanesa é preparado a partir da carne bovina empanada com farinha de rosca e ovos e, em seguida, frita no óleo quente - a receita também pode ser feita com frango, peixe ou legumes.

A critério de alguns, o bife pode ser receber uma cobertura de molho tomate e queijo mussarela, tornando-se o bife à parmegiana, tradicional no Brasil. A versão napolitana é incrementada com presunto e ficou mais famosa na Argentina.

"O bife foi pensado para ser uma colossal milanesa napolitana, a maior do mundo. Ela pesa cerca de 926 kg e mede quatro metros de comprimento por três metros com uma espessura de três centímetros".

A enorme iguaria foi servida ao público logo depois do preparo e da exibição para os visitantes do evento.


Polêmica

Apesar do clima de festa, a ostentação de um avantajado bife à milanesa napolitano também gerou críticas de algumas pessoas, que a classificaram como desconexa com a realidade de um país onde muitos civis lutam para sobreviver em meio à alta inflação, de acordo com o jornal britânico Metro.

Em entrevista à Reuters, uma das visitantes da festa do Dia da Milanesa em Lujan declarou que, hoje em dia, saborear esse tipo de prato tornou-se inacessível para a maioria das pessoas.

"A situação econômica hoje não nos permite comer milanesa. É preciso comer alguma coisa ao alcance do bolso", lamentou.

Para muitos argentinos, conseguir colocar algumas porções de carne na mesa se tornou uma tarefa difícil, já que o preço de uma das principais bases da alimentação no país não para de subir.

No entanto, a carne não é o único item que tem assustado os consumidores na hora das compras. Estima-se que o custo de mantimentos na Argentina tenha subido 59,70% em março, gerando uma grande dor de cabeça para muitas famílias que tentam garantir a compra de recursos básicos sem ultrapassar o orçamento.