PUBLICIDADE
Topo

Com quase 6 toneladas de carne, "Lollapalooza churrasqueiro" ocupa Mineirão

Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte, que contou com os maiores assadores do país - Gustavo Baxter/UOL
Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte, que contou com os maiores assadores do país
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Nina Rocha

Colaboração para Nossa, de Belo Horizonte (MG)

29/03/2022 04h00

Quem se acostumou a ver o Mineirão, em Belo Horizonte (Minas Gerais), sendo palco de grandes disputas de futebol e shows de astros da música mundial, provavelmente se surpreenderia com o evento realizado no sábado (26), no estacionamento do "Gigante da Pampulha".

Mais de dois anos depois de ser adiado por conta do início da pandemia do coronavírus, o Festival Churrasqueada levou mais de 40 estações de churrasco para o maior estádio de futebol da capital mineira.

Durante 7 horas de evento, assadores locais e de diversas regiões do Brasil ofereceram proteínas animais assadas para todos os gostos: de pulled pork a picanha e até carne de jacaré estavam à disposição do público.

Segunda edição do Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
Segunda edição do Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Com open bar e open food, a Churrasqueada foi o segundo evento promovido por José Almiro, dono de um dos maiores canais dedicados a churrasco no YouTube, e com ingressos que variaram entre R$ 220 e R$ 650, com a possibilidade de meia entrada social com a doação de um quilo de alimentos não perecíveis. 4 toneladas de comidas para doação foram arrecadadas.

"Prova" de churrasco ao vivo

Roberto Bocabello, especialista no preparo de proteínas animais, na segunda edicao do Festival Churrasqueadas - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
Roberto Bocabello, especialista no preparo de proteínas animais, na segunda edicao do Festival Churrasqueadas
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Para saciar a fome de aproximadamente 5 mil pessoas, 5,5 toneladas de carne de diferentes espécies foram apresentadas com técnicas variadas. Alguns pratos foram feitos "ao vivo", sob o olhar atento e curioso dos visitantes, e outros preparos mais longos começaram antes mesmo do evento começar, como foi o caso do boi inteiro Nelore feito pelo paulista Roberto Bocabello, gastrônomo e criador do canal "Ossoboca".

Para deixar todas as partes do animal macias, o boi Nelore preparado por Bocabello foi assado durante 15 horas em fogo brando em carvão e lenha. O assador veio de São Paulo (SP) para participar do evento e convidou os alunos de seu curso online para integrarem a equipe que o auxiliou no preparo das carnes.

É uma oportunidade que eles têm de colocar na prática o que aprenderam, não é sempre que temos a chance de assar um boi inteiro", explica.

Alunos de cidades como Ipatinga, Barbacena, Brumadinho e Ribeirão das Neves ajudaram a fazer o fogo de chão que assou o animal de 230 quilos. O preparo rendeu cerca de 700 porções, mas os cortes mais disputados foram incontestavelmente as costelas.

Peixes gigantes e jacaré

Helvecio Maciel, especialista em pescados, carnes vermelhas e exoticas de caça, no Festival Churrasqueadas - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
Helvécio Maciel, especialista em pescados, carnes vermelhas e exóticas de caça, no Festival Churrasqueadas
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Carnes menos "convencionais" também conquistaram a atenção e o estômago do público. O chef mato-grossense Helvécio Martins desembarcou pela primeira vez em Belo Horizonte com a proposta de levar ao paladar mineiro as carnes exóticas do Pantanal, que chamaram atenção pela dimensão dos animais: a estação exibia três pirarucus preparados na brasa, com peso entre 70 quilos e 110 quilos.

Helvécio destaca o cuidado com a origem dos bichos, que vem direto de reservas certificadas, e também com o tempo de assamento das carnes.

Para o peixe ficar pronto, são necessárias entre 6h e 8h de preparo. Começamos a prepará-los às 8h da manhã", conta o assador, que também levou jacarés e porco do Pantanal para preparar uma paella pantaneira.

Preparo de jacarés no Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
Preparo de jacarés no Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Prato cheio para tradição

A comida mineira tradicional e local também teve destaque durante o festival. A Comitiva "Tchau Brigadu" foi de Betim, na região Metropolitana de Belo Horizonte, até o Mineirão para apresentar a tradição sertaneja de pratos como o arroz carreteiro e o feijão gordo.

A proposta do grupo, formado por doze amigos apaixonados pela cultura caipira, é de manter viva a memória do modo de vida tropeiro, reproduzindo com fidelidade a maneira que as receitas eram feitas no passado.

Gilsimar Gomes, um dos integrantes do grupo, conta que um dos principais uma das principais essências da cozinha tropeira é a queima do alho.

"Em uma época em que o gado precisava ser tocado para Barretos, as comitivas de cozinha iam na frente para preparar o almoço. Eles andavam bem mais rápido para adiantar todo o trabalho.

Como o alho é um alimento com muito cheiro, os cozinheiros esquentavam a gordura de porco e faziam a queima. Dessa forma, quem estava tocando o gado conseguia identificar que ali perto tinha alguém fazendo comida", explica.

Gilsimar Gomes, comitiva Tchau Brigadu, no Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
Gilsimar Gomes, comitiva Tchau Brigadu, no Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Para seguir a tradição à risca, a comitiva trabalha com grupos de 4 pessoas, sendo que cada membro tem a sua função.

"Temos uma pessoa específica para fazer o tempero, outra para experimentar a comida. Mantemos a tradição de fazer no fogo de chão com lenha os mesmos pratos e com todos os ingredientes que tinham naquela época. Eles andavam só com ingredientes salgados ou de sol, que dava para transportar pelas estradas sem precisar de conservação", comenta Gilsimar, que também trabalha como engenheiro automotivo.

Estrela do churrasco

José Almiro, churrasqueiro profissional e apresentador do canal Churrasqueadas - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
José Almiro, churrasqueiro profissional e apresentador do canal Churrasqueadas
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

Atender o gosto de todo o público com pratos diversos foi uma das prioridades do anfitrião José Almiro ao pensar o evento. "Cada estação apresentou uma proteína diferente. Picanha, jacaré, tivemos até estações com sushi e comidas vegetarianas para quem não pode comer carne por opção ou indicação médica", destaca o churrasqueiro, que também destacou a qualidade das refeições servidas.

Almiro também comemora a possibilidade de rever o público depois da realização da primeira edição do Festival, feita em 2019 na cidade de Rafard, no interior de São Paulo. O mineiro de Fama, no sudeste do estado, e sucesso absoluto no YouTube, recebeu o carinho dos espectadores — e muitos pedidos de selfies enquanto circulava no evento.

Segunda edição do Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte - Gustavo Baxter/UOL - Gustavo Baxter/UOL
Segunda edição do Festival Churrasqueadas, no Mineirão, em Belo Horizonte
Imagem: Gustavo Baxter/UOL

"Foram dois anos de ansiedade, e de repente a gente se encontra com eles ali. A maioria que vem, também são seguidores do canal. E fazer esse retorno aqui em Minas, no Mineirão, é algo que enche o coração da gente e nos motiva ainda mais a rodar o Brasil com as churrasqueadas".