PUBLICIDADE
Topo

França fecha casas noturnas por um mês e impacta pico de temporada de esqui

Resort de esqui de Chamonix, na França: As noitadas em baladas são responsáveis por boa parte da renda e da movimentação turística na temporada após o fechamento das pistas - Getty Images
Resort de esqui de Chamonix, na França: As noitadas em baladas são responsáveis por boa parte da renda e da movimentação turística na temporada após o fechamento das pistas Imagem: Getty Images

De Nossa

07/12/2021 14h55

O primeiro-ministro francês Jean Castex anunciou nesta segunda (6) que o país fechará suas casas noturnas pelas próximas quatro semanas, pelo menos, para conter o avanço da covid-19, especialmente da variante ômicron.

A medida entra em vigor a partir da próxima sexta-feira (10). Máscaras também se tornarão obrigatórias também em espaços abertos.

Com as novas regras, a temporada de esqui nos Alpes Franceses — que tem seu pico justamente entre dezembro e janeiro — perde um de seus principais elementos, apontou ainda o jornal britânico The Telegraph.

Isto porque, além da movimentação no gelo, boa parte das receitas dos resorts vem das festas e baladas oferecidas por resorts em pontos turísticos de luxo como Chamonix, Annecy e Grenoble. Passes sanitários serão necessários para circular não só nos restaurantes e cafés fechados, como também nos mercados de Natal a céu aberto e outras comemorações típicas das paisagens de inverno.

Em coletiva à imprensa francesa, Jean Castex ainda pediu que os franceses e turistas evitem festas, mesmo que particulares, no fim de ano. "Tivemos uma tendência de baixar a guarda nas últimas semanas", observou. No entanto, ele não acredita que o país voltará a fechar fronteiras devido à vacinação.

"Não é hora para toque de recolher ou novo lockdown", opinou. "Mesmo se o número de casos for novamente muito alto, a situação não é a mesma de um ano atrás. Os franceses se vacinaram em massa, este é o caso de 52 milhões de nós e isso mudou o jogo. Esta situação nos convoca à lucidez e vigilância, sem ceder a nenhum tipo de pânico", disse ainda Castex, segundo a RFI.