PUBLICIDADE
Topo

Austrália receberá trabalhadores e estudantes estrangeiros em dezembro

Melbourne, Austrália: País exigirá vacinação de portadores de visto, trabalhadores especializados e estudantes internacionais - Zetter/Getty Images/iStockphoto
Melbourne, Austrália: País exigirá vacinação de portadores de visto, trabalhadores especializados e estudantes internacionais Imagem: Zetter/Getty Images/iStockphoto

De Nossa

23/11/2021 17h27

O governo australiano anunciou nesta segunda (22) que cidadãos estrangeiros completamente vacinados que possuírem um visto de trabalho especializado ou um visto de estudante poderão voltar ao país a partir de 1º de dezembro.

Além destes grupos, maiores de 12 anos portadores de outros vistos selecionados, como o humanitário ou de casamento, ou de um passaporte japonês ou sul-coreano também poderão entrar no país caso estejam completamente imunizados com duas doses ou dose única há pelo menos sete dias.

A Austrália aceitará todas as vacinas já aprovadas ou reconhecidas pela TGA (Therapeutic Goods Administration), a Anvisa do país. São elas: Pfizer, Moderna, Janssen, AstraZeneca (Covishield ou Vaxzevria), Sinovac (CoronaVac), Sinopharm e Covaxin.

Além disso, é necessário apresentar um teste do tipo PCR com resultado negativo para a covid-19 realizado até 72 horas antes do embarque para o país.

As autoridades sanitárias australianas recomendam que o viajante se informe, de antemão, se deverá cumprir quarentena, já que a exigência pode variar dependendo do território de destino dentro do país.

Crianças menores de 12 anos e viajantes que comprovarem que não podem ser vacinados por motivos médicos cumprirão o mesmo protocolo de entrada dos adultos totalmente vacinados. Menores entre 12 e 17 anos poderão ser recebidos com esquema vacinal incompleto caso acompanhados de um adulto completamente imunizado.

É necessário ainda completar a Declaração de Viagem para a Austrália ao menos 72 horas antes de embarcar, fornecendo suas informações de saúde, além de apresentar um certificado de vacinação internacional, em inglês, emitido pelas autoridades de seu país de origem. No caso do Brasil, é válido o documento emitido pela plataforma ConecteSUS.

Atenção: Confira se no seu certificado consta o nome como está no passaporte, além da data de nascimento, a marca da vacina e a data em que recebeu cada uma das doses. Estas informações são fundamentais e discrepâncias podem impedir sua entrada no país.

Irregularidades na documentação de entrada, como a declaração de viagem, também podem ser punidas com multa de até 6.600 dólares australianos, cerca de R$ R$ 26,9 mil.