PUBLICIDADE
Topo

"Essas pessoas imbecis, cafonas e cruéis não são o Brasil", diz Lobianco

07/11/2021 04h00

"Todo mundo quer saber com quem você se deita; nada pode prosperar". A frase de Caetano Veloso, na música "A Luz de Tieta", define, segundo o ator Luis Lobianco, muito bem o Brasil. Ele foi o convidado especial, junto com a a atriz Simone Mazzer, do programa "Botequim da Teresa", apresentado pela cantora Teresa Cristina em Nossa.

"É isso, enquanto discutir com quem se deita for um assunto e, principalmente, enquanto isso for politizado, a gente não vai sair desse papo raso e superficial", diz Lobianco.

O tema veio à luz durante a entrevista quando o trio comentava sobre o fechamento, no ano passado, do "Buraco da Lacraia", lugar onde por anos o ator comandou um espetáculo performático, ao lado de Simone, que fez história na Lapa carioca e, como define Lobianco, foi um espaço de acolhimento às pessoas LGBTQIA+.

Simone Mazzer, Luis Lobianco e Teresa Cristina nos bastidores do "Botequim da Teresa" - Zô Guimarães/UOL - Zô Guimarães/UOL
Simone Mazzer, Luis Lobianco e Teresa Cristina nos bastidores do "Botequim da Teresa"
Imagem: Zô Guimarães/UOL

Humor político

No shows apresentados no "Buraco", os assuntos da política nacional invariavelmente chegavam às esquetes. "A gente passou pelo governo Dilma, pegamos o golpe, Temer, Crivella e Bolsonaro. Então isso não tinha como não aparecer como expressão no palco", diz Lobianco.

Porém, os convidados de Teresa dizem que o estilo de deboche teve que ser adaptado nos últimos tempos:

"O humor e a qualidade do riso estão muito relacionados à liberdade. Quando tínhamos mais liberdade, a gente ria mais, se jogava mais. O riso era mais nonsense, vinha lá de dentro e emocionava. E quando a coisa foi ficando muito feia e a liberdade sendo ameaçada, a gente teve que afinar esse humor", diz Lobianco.

Era um humor engraçado, a gente continuava rindo, mas a gente ria e tinha uma ressaca diferente depois"

Simone Mazzer ressalta que, hoje, "essa alegria das pessoas, essa liberdade, incomoda muita gente".

Existe uma força muito grande para abafar isso tudo. Uma vontade muito grande para que isso aconteça"

Luis Lobianco no Botequim da Teresa - Zô Guimarães/UOL - Zô Guimarães/UOL
Imagem: Zô Guimarães/UOL

Um país de artistas

Atualmente envolvido com estudos sobre a Tropicália, Lobianco destaca que, a despeito dos fatos, "o Brasil sabe fazer artistas", e cita Caetano Veloso como seu grande ídolo.

"Um que me provoca sensações mágicas e que vai além é Caetano Veloso, que representa um grupo de pessoas que estou estudando, a Tropicália. É ouro, é uma joia da humanidade, e é nosso", diz.

Precisamos lembrar que somos isso. A gente não é esse governo, essas pessoas imbecis, cafonas e cruéis. Elas vão passar e a gente volta para tomar conta desse nosso tesouro"

Já Simone Mazzer evoca como referência a cantora Elis Regina: "ela sabia como poucos o que e como queria fazer, e Dercy Gonçalves também, tinha tudo para não acontecer, e do jeito dela fez o que fez".

Em seguida, ela atende a um pedido de Teresa Cristina e canta, à capela, "Tango do mal", antes de os três encerrarem o "Botequim da Teresa" com o que serviu de mote do episódio, o eterno e subversivo "Hino do Buraco".

O "Buraco da Lacraia"

O "Hino do Buraco" é um convite ao desbunde imoral decisivo para manter acesa a chama do riso. "Sai deste darkroom, pode vir um por um, lava a mão e me ama aqui. Entra no meu Buraco, entra que tem bebida. A vida do artista é dura, eu não pago minhas dívidas? Bate palma para mim", diz uma estrofe da canção.

Para os convidados de Teresa, o Buraco virou lugar cult, encontro de intelectuais, mas onde todo mundo é igual. "E para quem gosta de liberdade, isto cria uma paz muito grande. Não ser bajulado, não ser inferior. Nesta corte carioca, no Brasil de um modo geral, isto é muito comum; o vip, os camarotes. Lá tem lista para cantar e Teresa só canta na hora dela. Vê dez bichas desafinando e espera. Um oásis da arte do convívio artístico social criativo que é o ideal."

Voltando ao trecho de "A Luz de Tieta", de Caetano, Lobianco diz: "No Buraco a gente não quer saber com quem cada um deita, a gente quer ser feliz, quer ter afeto, quer beber. É muito mais simples, mas muito mais grandioso também".

Sobre o encerramento das atividades da casa, o ator garante a Teresa que esse movimento persiste:

Enquanto a gente estiver ativo, criando artisticamente, vai ter esperança"

Samba, série e Teresa

O "Botequim da Teresa" vai ao ar todas as sextas-feiras, às 11 horas, no Canal UOL e no YouTube de Nossa (inscreva-se já para receber os lembretes). Em cada episódio, Teresa Cristina recebe um convidado especial e ensina a fazer os petiscos clássicos de alguns do botequins mais famosos do Rio de Janeiro. O programa é uma coprodução de Nossa e MOV, a plataforma de vídeo do UOL.