PUBLICIDADE
Topo

Com moto econômica, brasileiro viaja por 18 países e cruza as Américas

Alfredo Souza passou pelas distintas paisagens do continente a bordo de moto modelo popular - Arquivo pessoal
Alfredo Souza passou pelas distintas paisagens do continente a bordo de moto modelo popular
Imagem: Arquivo pessoal

Marcel Vincenti

Colaboração para Nossa

30/10/2021 04h00

Com vontade de viajar, mas preocupado com suas economias, o brasileiro Alfredo Souza (@diariodemotochileiro) encontrou uma solução para passear por aí sem gastar tanto: pegou a estrada com uma econômica moto Honda Biz 125. Seu objetivo, entretanto, não era fazer percursos curtos.

Com a motoca básica, ele resolveu percorrer milhares de quilômetros para atravessar as Américas: foi até a cidade argentina de Ushuaia, no sul da América do Sul, e, de lá, encarou um roteiro que chegou ao Alasca, no topo da América do Norte.

A viagem cruzou 18 países. E, para pegar a estrada, quase não fiz alterações na moto. Coloquei nela apenas um tanque auxiliar de nove litros e dois baús para levar minhas coisas"

Nem só de asfalto: o viajante enfrentou estradas de brita, terra e até neve - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Nem só de asfalto: o viajante enfrentou estradas de brita, terra e até neve com sua moto
Imagem: Arquivo pessoal

E a experiência foi recheada de momentos incríveis e, logicamente, de aventuras.

Com sua Honda Biz, o brasileiro atravessou locais como a Patagônia, o deserto do Atacama, o altiplano boliviano e o litoral do Peru e da Colômbia.

A moto do brasileiro na Terra do Fogo, o "fim do mundo", na Argentina - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
A moto do brasileiro na Terra do Fogo, o local do "fim do mundo", no extremo-sul da Argentina
Imagem: Arquivo pessoal

Depois de entrar na América Central, Alfredo desbravou destinos de selva no Panamá, estradas verdejantes da Costa Rica e curtiu praias caribenhas.

A moto quebrou quando ele chegou ao México, mas isso não interrompeu o projeto: Alfredo comprou outra motoca parecida no país dos mariachis e seguiu viagem, visitando com ela sítios arqueológicos pré-hispânicos e rodando em belíssimas rodovias dos Estados Unidos, em lugares como Califórnia, Arizona, Utah, Wyoming e Montana.

Alfredo no sítio arqueológico mexicano de Chichén Itzá - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Alfredo no sítio arqueológico mexicano de Chichén Itzá
Imagem: Arquivo pessoal
No interior do Estados Unidos, a motoca do brasileiro perto dos modelos mais possantes - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
No interior do Estados Unidos, a motoca do brasileiro perto dos modelos mais possantes
Imagem: Arquivo pessoal

A travessia do Canadá foi feita por lindas regiões como Colúmbia Britânica e Yukon. De lá, ele entrou no Alasca.

E, para seguir a concepção da viagem, tudo foi realizado de maneira econômica.

Levei uma barraca e equipamentos de cozinha na moto e, com eles, acampei e preparei minha própria comida durante grande parte do roteiro"

"Eu acampava principalmente em lugares selvagens, no meio da natureza. Mas, de vez em quando, me hospedava em algum hotel ou hostel barato", conta.

Para economizar, Alfredo dormia na barraca de camping durante os trajetos - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Para economizar, Alfredo dormia na barraca de camping durante os trajetos
Imagem: Arquivo pessoal

Lugares incríveis e encontro com traficantes

Muitos lugares impressionaram Alfredo durante a viagem, oferecendo paisagens que combinam perfeitamente com uma viagem de moto.

"Adorei cruzar o Parque Nacional Torres del Paine, no Chile. É uma região com estradas muito bonitas, que passam perto de montanhas e lagos de água azul. Já nos Estados Unidos, o Parque Nacional Yosemite é incrível, com paisagens repletas de cachoeiras, vales e montanhas".

Sozinho durante a viagem, ele fez da moto sua "modelo" nas paisagens - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Sozinho durante a viagem, ele fez da moto sua "modelo" nas paisagens
Imagem: Arquivo pessoal

Perrengues, porém, também existiram.

"Certa noite, na área da divisa do Equador com a Colômbia, acampei na região de uma pedreira. E, por volta das cinco da manhã, fui acordado pelo barulho de um carro. Deu para escutar que era um grupo de homens descarregando algo do veículo. E, de repente, eles foram embora. Saí da barraca e enxerguei diversos pacotes deixados no chão. Percebi que aquilo poderia ser cocaína. A droga tinha sido deixada ali para ser recolhida outra pessoa", conta.

Hora do descanso ao cruzar a América do Sul - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Hora do descanso ao cruzar a América do Sul
Imagem: Arquivo pessoal

Alfredo conta que, na hora, desmontou sua barraca e se preparou para ir embora com sua moto. E, quando estava partindo, se deparou com um homem mexendo nos pacotes.

"Fiquei com medo de ser morto, por ser uma testemunha daquilo. O homem olhou para mim e falou: 'você não viu nada disso'. E me deixou ir embora. Alguns quilômetros depois, passei por três postos policiais na estrada. Mas nem me ocorreu relatar o que eu havia visto lá atrás. É bem possível que a polícia estivesse comprada pelos traficantes".

Cruzando paisagem árida na área da divisa do Chile com a Bolívia - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Cruzando paisagem árida na área da divisa do Chile com a Bolívia
Imagem: Arquivo pessoal

O brasileiro também foi ameaçado por um enorme cachorro feroz em um acampamento selvagem. "Ele começou a latir para mim muito perto da barraca, por uns 20 minutos. E eu não tinha nada para me defender. O bicho acabou indo embora, mas foi um momento de medo".

E, no Canadá, Alfredo teve que acampar diversas vezes em territórios selvagens habitados por ursos.

Nestas ocasiões, eu sempre tinha que deixar a comida longe da minha barraca, para não atrair os animais à noite em minha direção. Se um urso chega ali, ele pode arrebentar tudo. Era tenso"

O brasileiro acampou em lugares selvagens durante a viagem - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
O brasileiro acampou em lugares selvagens durante a viagem
Imagem: Arquivo pessoal

Chegar ao Alasca, porém, não foi o final da viagem. Depois de atingir o estado norte-americano, Alfredo voltou, com sua motoca, em direção ao Brasil, agora descendo as Américas.

E ter encarado tal jornada gigantesca não cansou o brasileiro, que tem feito grandes viagens de moto pelo Brasil e, em breve, pretende completar uma volta ao mundo sobre duas rodas.

"Quero, por exemplo, viajar entre a África do Sul e o Egito. E também percorrer a Europa, a Ásia e a Oceania. E a ideia é fazer tudo com motos do estilo da Honda Biz".

Galeria: mais imagens da viagem de moto pelas Américas