PUBLICIDADE
Topo

Casal viaja o Brasil de motorhome e mostra o "lado B" da vida sobre rodas

"Traveleiros", Lais e Renan Jereissati desbravam o Brasil com o motorhome de 6 m² - Reprodução/Facebook
"Traveleiros", Lais e Renan Jereissati desbravam o Brasil com o motorhome de 6 m²
Imagem: Reprodução/Facebook

Priscila Carvalho

Colaboração para Nossa

22/09/2021 04h00

Uma das maneiras que muitas pessoas estão encontrando para viajar de forma segura nessa pandemia é por meio de uma casa móvel, também chamado motorhome. Mas o casal de viajantes paulistas Lais Jereissati e Renan Jereissati, que já estão na estrada há um ano e seis meses, tinha esse sonho de se aventurar pelo mundo antes mesmo do isolamento começar.

Conhecidos na internet como os "Traveleiros"(@traveleiros), eles estão documentando a sua vida e os perrengues de uma volta ao mundo morando em um furgão Mercedes Sprinter ano 1999, que eles compraram antes de se casarem em janeiro de 2020, e que aos poucos foram adaptando para que fosse a nova moradia.

O casal montou sua casa sobre rodas no estilo "faça você mesmo" - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
O casal montou sua casa sobre rodas no estilo "faça você mesmo"
Imagem: Reprodução/Facebook

O sonho de viajar a bordo de um motorhome começou ainda no namoro, quando o casal que trabalhava em empresas na área de marketing, resolveu casar e passar a lua de mel em cada pedacinho do Brasil e pelo mundo.

Lais afirma que a viagem vem sendo estruturada desde 2015 e o planejamento inicial era durar cerca de cinco anos.

O roteiro sempre foi viajar o mundo, mas queríamos primeiro conhecer nosso país, e com a pandemia tudo mudou. Era para viajar por um ano aqui, mas esse tempo já passou e ainda temos alguns estados a percorrer antes de sair do país"

Como muitas fronteiras estavam e seguem fechadas, os viajantes preferiram explorar os lugares nacionais e os planos para um roteiro internacional ficou para ano que vem.

Registro do casal durante uma de suas viagens pelo Brasil - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Registro do casal durante uma de suas viagens pelo Brasil
Imagem: Arquivo Pessoal

Os Traveleiros começaram sua aventura em São Paulo e de lá já passaram por Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre, Amazonas, Amapá, Pará e, atualmente, estão no Maranhão.

Na sequência, a ideia é descer o Nordeste brasileiro até o sul, seguir para a Argentina, subir até o Alaska e depois ir para Europa, África e Ásia. Mas quem pensa que viajar o mundo é fácil, está enganado. Além de pensar no conforto da sua casa móvel, eles precisaram contar com muitos desafios e imprevistos na estrada, mas nem isso desanima o casal

"A partir do momento que você se planeja e entende que não vai ser uma vida perfeita, e que o positivo vai ser a maior parte, faz sentido", afirma Lais.

A falta de uma rotina fixa é o que motivou o casal a sair dos empregos na capital paulista e mudar completamente a vida em busca de uma nova experiência.

Lais Jereissati e Renan Jereissati - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Lais Jereissati e Renan Jereissati
Imagem: Arquivo Pessoal

Desbravar novos horizontes exige também lidar com situações cotidianas que fogem do óbvio, como descartar o próprio cocô e até procurar uma lixeira pública para despejar tudo que é produzido dentro do motorhome.

"Por mais que a gente passe um momento difícil, nós somos muito felizes na vida que escolhemos, sabemos que isso não é para todo mundo e que íamos passar um perrengue principalmente ao descartar nossas necessidades", brinca Lais.

Adaptação da casa móvel

O casal dentro do furgão de 6 m², que os acompanha durante as viagens - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
O casal dentro do furgão de 6 m², que os acompanha durante as viagens
Imagem: Reprodução/Facebook

O furgão tem 6 m² e para eles foi possível construir tudo que uma casa precisa ter, como banheiro, sala, quarto e até mesmo um depósito para guardar roupas, acessórios e equipamentos do casal aventureiro.

Lais acredita que a casa sobre rodas teve uma adaptação melhor do que imaginavam. "Por incrível que pareça, foi fácil e muito bom. O local é suficiente, não sentimos falta de uma casa convencional, mesmo com pouco espaço conseguimos ter tudo o que precisamos de forma aconchegante em apenas seis metros", conta a viajante que transforma a casa em escritório durante o dia e à noite dá lugar ao espaço para o jantar.

Planejamento financeiro

O casal durante uma de suas viagens com longas trilhas - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
O casal durante uma de suas viagens com longas trilhas
Imagem: Arquivo Pessoal

O casal vinha se planejando há alguns anos e investindo parte do salário de seus antigos trabalhos para que não precisassem parar a viagem — mesmo com a pandemia acontecendo nos primeiros meses da vida nômade.

"Investimos cerca de 60 mil reais para construir a nossa casa, mas acredito que o valor varia para cada pessoa, tem gente que adapta um carro pequeno ou mesmo uma kombi, mas já pensamos em todos os gastos antes de botar o pé na estrada", explica os aventureiros.

Casal e o furgão utilizado para as viagens - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Casal e o furgão utilizado para as viagens
Imagem: Arquivo Pessoal

Os nômades digitais também acabaram encontrando uma nova forma de trabalhar on-line, produzindo conteúdo para os seus canais de viagem e maneiras diferentes de empreender para custear seus gastos.

Desafios na estrada

Renan e Lais em registro feito durante um acampamento dentre as viagens - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Renan e Lais em registro feito durante um acampamento dentre as viagens
Imagem: Arquivo Pessoal

Acordar a cada dia em um novo destino exige vários desafios para os jovens, principalmente a conexão com internet, já que alguns locais não possuem wifi e dificulta o trabalho de conteúdo.

Além disso, tudo na casa é uma adaptação: para fazer as necessidades fisiológicas, eles utilizam uma privada com sistema Porta Potty, similar a um banheiro químico portátil, onde não é preciso fazer o descarte do material acumulado. O sistema possui uma válvula onde o cocô e o xixi ficam acumulados em um compartimento e depois são descartados.

A energia também vem de três placas solares que vão carregando e que, quando não há sol, é preciso recorrer à ajuda de algum local.

A gente sempre precisa achar soluções para ações cotidianas, como onde vamos jogar o lixo e em qual lugar vamos lavar nossas roupas".

O casal responsável pelos conteúdos compartilhos em "Traveleiros" - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
O casal responsável pelos conteúdos compartilhos em "Traveleiros"
Imagem: Reprodução/Facebook

O casal afirma que sempre encontram pessoas solidárias na estrada, até mesmo na hora de emprestar uma máquina de lavar para manter suas roupas limpas ou mesmo abrigar o furgão.

"Acumulamos nossas roupas e depois levamos até uma lavanderia que você mesmo lava nas máquinas por quinze reais a lavagem, e quinze reais para secagem. Mas acabamos encontrando muitas pessoas que nos ajudam com isso, e nem precisamos gastar, e até mesmo famílias que querem nos hospedar em suas casas".

Os produtores de conteúdo também se adaptam quando a tarefa é cozinhar. Recentemente, em um post que viralizou no TikTok, mostraram o passo a passo para fazer um bolo na estrada. Como não tinham um forno, compraram uma panela própria para criar o doce. "Já os banhos, precisamos economizar bastante água, mas temos uma caixa de 120 litros. E para abastecê-lo buscamos um posto de combustível ou alguém solidário para nos ceder a água", acrescenta Lais.

Perigos das estradas

Casal em cima do motorhome em estacionamento de carros - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Casal em cima do motorhome em estacionamento de carros
Imagem: Arquivo Pessoal

Viajar por conta própria exige também um planejamento de onde estacionar o motorhome em cada destino e avaliar as condições de segurança. Mas o casal afirma que nunca passou por nenhuma situação difícil, porque eles sempre tentam dormir em locais seguros. Veja como são os postos de caminhoneiros que às vezes eles param:

Geralmente, os maiores perrengues são estradas não asfaltadas pelo interior do país, que provocam algum problema mecânico no carro ou até mesmo um tempo maior de deslocamento não previsto no roteiro.

Mesmo com as adversidades encontradas no Brasil, o casal segue contando seu diário de viagem nas redes sociais e felizes pelo novo estilo de vida. "Tínhamos o planejamento de uma volta ao mundo de cinco anos, hoje não temos mais uma data, virou um estilo de vida na estrada. Vida nômade é com a gente mesmo", conclui.