PUBLICIDADE
Topo

Concurso deverá eleger prédio mais feio da China; conheça os "favoritos"

O hotel Matryoshka, em Manzhouli, na região da Mongólia, está atualmente em quinto lugar na competição e foi inspirado no Caesar"s Palace, em Las Vegas (EUA) - Reprodução/Archcy
O hotel Matryoshka, em Manzhouli, na região da Mongólia, está atualmente em quinto lugar na competição e foi inspirado no Caesar's Palace, em Las Vegas (EUA) Imagem: Reprodução/Archcy

De Nossa

21/09/2021 17h44

Atualmente em sua 12ª edição, o concurso parar eleger o prédio mais feio da China em 2021 entrou em fase final de votação popular com 75 construções indicadas. A competição promovida pelo site de arquitetura chinesa Archcy receberá os palpites do público até novembro.

Em seguida, os mais votados devem ser analisados por uma comissão de arquitetos renomados do país, que escolherá os dez vencedores a serem anunciados em dezembro. De acordo com os organizadores, a proposta da disputa é "provocar o pensamento crítico sobre beleza e feiura na arquitetura e promover a responsabilidade social dos arquitetos".

Só os primeiros seis lugares do ranking do Archcy já acumulam entre si quase 20 mil votos. Conheça-os:

Portão sul do campus de Zijingang Campus, Universidade de Zhejiang - Reprodução/Archcy - Reprodução/Archcy
Portão sul do campus de Zijingang Campus, Universidade de Zhejiang
Imagem: Reprodução/Archcy

  1. Portão sul do campus Zijingang, Universidade de Zhejiang
  2. Ponte de Vidro da Torre da Montanha de Jiuhuangshan em Mianyang, Sichuan
  3. "Igreja-violino", Yanbu, em Foshan, província de Guangdong
  4. Museu Internacional de Arte Infantil de Xi'an, Shaanxi
  5. Hotel Matryoshka, em Manzhouli, Mongólia
  6. "Casa de Ponta-Cabeça" em Daping, Chongqing

A Ponte de Vidro da Torre da Montanha Jiuhuangshan em Mianyang, Sichuan - Reprodução/Archcy - Reprodução/Archcy
A Ponte de Vidro da Torre da Montanha Jiuhuangshan em Mianyang, Sichuan
Imagem: Reprodução/Archcy

O concurso acontece em um momento em que a sociedade chinesa discute a medida da Comissão de Desenvolvimento Nacional e Reforma, que baniu em abril a construção de "prédios feios". Segundo o jornal britânico The Guardian, esta não é a primeira vez que as autoridades chinesas tentam regulamentar a beleza das construções no país.

A "Igreja-violino", em Foshan - Reprodução/Archcy - Reprodução/Archcy
A "Igreja-violino", em Foshan
Imagem: Reprodução/Archcy

No ano passado, o Ministério da Moradia e Desenvolvimento Urbano-Rural chinês teria entrado em parceria com a comissão para produzir um documento com o intuito de "esclarecer" a gestão urbanística, já que o órgão havia concluído que "grandes prédios com estilo estranho" seriam "um desperdício de recursos".

Museu Internacional de Arte Infantil de Xi'an em Shaanxi - Reprodução/Archcy - Reprodução/Archcy
Museu Internacional de Arte Infantil de Xi'an em Shaanxi
Imagem: Reprodução/Archcy

Em resposta, o movimento #BanningUglyArchitecture (ou "Banindo a Arquitetura Feia") passou a fazer sucesso na rede social Weibo, muito usada no país. Usuários passaram a compartilhar prédios que consideraram feios e a discutir a proposta. Até o momento, a página já acumula 170 milhões de visualizações.

A "Casa de Ponta-Cabeça" em Daping, Chongqing - Reprodução/Archcy - Reprodução/Archcy
A "Casa de Ponta-Cabeça" em Daping, Chongqing
Imagem: Reprodução/Archcy