PUBLICIDADE
Topo

Qual a relação desta mansão abandonada com a tragédia do Titanic? Descubra

A mansão abandonada pertenceu a Peter Widener, investidor do Titanic que perdeu parte de sua família no naufrágio - Reprodução/Instagram
A mansão abandonada pertenceu a Peter Widener, investidor do Titanic que perdeu parte de sua família no naufrágio Imagem: Reprodução/Instagram

De Nossa

09/09/2021 21h28

O fotógrafo e explorador urbano Leland Kent redescobriu uma peça da história da arquitetura americana: a propriedade Lynnewood Hall, uma mansão de US$ 256 milhões — cerca de R$ 1,33 bilhão em cotação de hoje — construída em Elkins Park, Pennsylvania, em 1900, que tem laços históricos com a tragédia do Titanic.

Em seu projeto "Abandoned Southeast" (Sudeste Abandonado, em tradução livre do português para o inglês), Leland procura imóveis inabitados que contem um pouco do passado da região americana. Durante suas pesquisas, ele se deparou com a antiga casa de luxo, que pertenceu a Peter Widener, investidor do navio. Veja imagens no álbum:

Peter havia encomendado o projeto de Lynnewood Hall ao arquiteto Horace Trumbauer cerca de 15 anos antes do naufrágio, que aconteceu em 1912. Apesar de ter direito a uma passagem para o Titanic, ele não quis fazer a viagem por causa de sua idade. Na época, o proprietário tinha 78 anos, de acordo com o jornal "The New York Post".

No entanto, segundo um levantamento histórico da Widener University, Peter decidiu usar sua influência para conseguir o embarque de seu filho, George, sua nora, Eleanor e seu neto, Harry, que estavam na França na ocasião para contratar um chef para o seu novo hotel, o famoso Ritz Carlton.

A família, que deveria ter sido instalada em Lynnewood Hall após chegar nos EUA vinda da Europa, no entanto, não completou a viagem. Apenas Eleanor sobreviveu ao Titanic.

Chamado pela família de "O Último Versalhes Americano", o imóvel de 6.503 metros quadrados tem 55 quartos, 20 banheiros, um grande hall com escada, piscina coberta, galeria de arte e salão de festas para mil pessoas, informou uma pesquisa da Associação de Prédios Históricos Americanos.

Peter Widener morreu em 1915, três anos depois de o Titanic afundar e a casa se tornou lar de seu filho caçula, Joseph, até 1943. Em 1952, o pastor macarthista Carl McIntire transformou a propriedade em uma escola religiosa até que um banco tomou posse do imóvel em 1992 por dívidas.

Atualmente, a dona da casa é a Primeira Igreja Coreana de Nova York, que a comprou em 1996 por zero dólares, segundo documentos da venda obtidos pelo Post. No entanto, a mansão não recebe reparos ou manutenção há anos devido aos altos custos, diz Leland Kent.

No site de seu projeto, ele lamenta que parte das mobílias e obras de arte tenham sido vendidas pelo pastor durante o período de dificuldades financeiras. Em seu auge, a residência abrigou obras originais de Vermeer, Rembrandt, Raphael, El Greco, Degas, Manet, entre outros.