PUBLICIDADE
Topo

Assinados por grifes, uniformes colocam a moda no pódio das Olimpíadas

Telfar Clemens, que ficou conhecido por bombar com a bolsa de sua grife, vestirá os atletas da Libéria. Grifes, desde Armani até a Lacoste, também marcam presença nos Jogos Olímpicos - Divulgação
Telfar Clemens, que ficou conhecido por bombar com a bolsa de sua grife, vestirá os atletas da Libéria. Grifes, desde Armani até a Lacoste, também marcam presença nos Jogos Olímpicos
Imagem: Divulgação

Gustavo Frank

De Nossa

23/07/2021 04h00

A cidade de Tóquio, no Japão, está prestes a se tornar a maior passarela de moda internacional nas próximas semanas. O início dos Jogos Olímpicos, embora traga o universo esportivo como seu pilar principal, é também onde diversas marcas e grifes apostam em imprimir suas personalidades mundo afora.

Há um processo criativo infinito para que os uniformes sejam mais do que roupas, mas também o símbolo de uma nação.

A equipe brasileira conta com a colaboração de quatro empresas para o "desfile" dos seus atletas — desde a abertura até a prática dos esportes. Para a cerimônia inaugural, quem os vestirá é a carioca Wöllner.

Wöllner | Brasil - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Wöllner | Brasil
Imagem: Reprodução/Instagram

As estampas, que já puderam ser vistas por meio das redes sociais dos nossos representantes e foram comparadas ao "estilo Agostinho Carrara", carregam uma mistura entre a cultura brasileira e a japonesa: folhas de bananeira, espadas de São Jorge, orelhas de elefantes, palmeiras, alocasias e heliconias são misturadas às tradicionais carpas e flores dos quimonos dos samurais.

Tudo isso em meio ao verde e azul que fazem referência a nossa bandeira.

Unimos as duas culturas e utilizamos os contos da Carpa que ao superar os obstáculos e subir uma cachoeira se torna um dragão, e a do nosso peixe amazônico, o Pirarucu, que, reza a lenda, já foi um grande guerreiro dos Nalas".

Outra marca que também vestirá os brasileiros é Riachuelo. A rede de fast-fashion ficou responsável pelos looks casuais dos atletas com camisetas, polos, casacos e moletons.

Já a Havaianas, praticamente um dos nossos símbolos brasileiros por meio de suas sandálias, se tornou a primeira marca de calçados a compor o uniforme oficial dos atletas durante a cerimônia de abertura dos jogos.

"As sandálias que serão usadas em Tóquio são os únicos objetos capazes de representar o Brasil inteiro. Afinal, quem aqui não tem uma dessas em casa?", diz Fefa Romano, CMO da Alpargatas, empresa responsável pela produção das Havaianas, para Nossa.

Havaianas | Brasil - Divulgação - Divulgação
Havaianas | Brasil
Imagem: Divulgação

Como estratégia de marketing, todas as marcas citadas estão disponibilizando também, por meio do e-commerce, as peças para que os "torcedores possam acompanhar os atletas nas Olímpiadas".

Por fim, na prática dos esportes, em si, os atletas brasileiros vestirão uniformes produzidos pela Peak Sports, empresa da China, que incluem 39 mil peças, que vão desde camisetas até bonés.

Peak Sports | Brasil - Alexandre Loureiro/Divulgação - Alexandre Loureiro/Divulgação
Peak Sports | Brasil
Imagem: Alexandre Loureiro/Divulgação

Medalha de ouro na moda

Skims | Estados Unidos - Divulgação - Divulgação
Skims | Estados Unidos
Imagem: Divulgação

Skims

Fora do Brasil, a corrida para vestir os atletas não foi diferente. A mais inesperada, no melhor dos sentidos, é a Skims, marca de shapewear lançada por Kim Kardashian em 2019.

A empresária será a responsável por moldar o corpo dos esportistas norte-americanos. Visando se destacar no mercado, a etiqueta contou inclusive com a participação da modelo Kate Moss para a sua campanha de publicidade, nas redes sociais e fora delas.

Kate Moss para a Skims - Divulgação - Divulgação
Kate Moss para a Skims
Imagem: Divulgação

Ralph Lauren

Ralph Lauren | Estados Unidos - Divulgação - Divulgação
Ralph Lauren | Estados Unidos
Imagem: Divulgação

Por cima das criações de Kim Kardashian, os estadunidenses vestirão a grife Ralph Lauren, um dos maiores nomes da moda nos EUA.

Os uniformes são trabalhados majoritariamente na cor branca e foram desenvolvidos por meio de materiais sustentáveis — uma das principais apostas da moda nos últimos tempos.

Com as golas na cor azul-marinho, que contrastam com o tom neutro restante, há ainda referência aos soldados da Marinha dos EUA, que reafirmam o lado patriota das roupas.

Levi's

Hudson Bay e Levi's | Canadá - Divulgação - Divulgação
Hudson Bay e Levi's | Canadá
Imagem: Divulgação

O Canadá, por sua vez, talvez seja uma das mais ousadas na hora de escolher as roupas das suas equipes.

Levi's | Canadá - Divulgação - Divulgação
Levi's | Canadá
Imagem: Divulgação

Os uniformes olímpicos da federação canadense surpreendem por trazer o jeans como um dos seus principais materiais. Isso porque as peças foram criadas pela marca Hudson Bay em parceria com a Levi's, pioneira do denim.

Com grafites estampando as peças, que se misturam à bandeira do Canadá e palavras na grafia em japonês, os uniformes têm como intuito ainda acolher a moda sem gênero, como dizem as marcas em comunicado enviado à imprensa:

Nossa coleção festeja a inclusão e a neutralidade de gênero, ao mesmo tempo que captura um sentimento juvenil e de comemoração".

Telfar

Telfar | Libéria - Divulgação - Divulgação
Telfar | Libéria
Imagem: Divulgação

As bolsas da Telfar provavelmente foram as mais icônicas de 2021. O estilista norte-americano Telfar Clemens está indo além do acessório e no próprio território — ele é nova-iorquino com pais liberianos — e se tornou o responsável por vestir os cinco atletas da delegação olímpica da Libéria no Japão.

Telfar | Libéria - Divulgação - Divulgação
Telfar | Libéria
Imagem: Divulgação

A Libéria fica localizada na África Ocidental e (não) coincidentemente tem a bandeira com as mesmas cores dos Estados Unidos. A independência do país norte-americano aconteceu em 1847.

De acordo com uma reportagem do "The New York Times", a parceria foi feita por meio de um dos atletas, o velocista liberiano Emmanuel Matadi. Foi ele quem entrou em contato com Telfar — após sua namorada contar sobre a famosa bolsa — que aceitou o convite e elaborou setenta peças, que posteriormente estarão disponíveis para venda no catálogo esportivo da grife.

Ao contrário dos desfiles de moda regulares, as Olimpíadas são um desfile que todo mundo vê".
Telfar Clemens ao "The New York Times"

Lacoste

Lacoste | França - Divulgação - Divulgação
Lacoste | França
Imagem: Divulgação

O estilista René Lacoste, que dá nome à grife francesa, antes de mergulhar no mundo da moda também se aventurou no mundo dos esportes — o que, inclusive, inspirou muitas das suas coleções. Em vida, Lacoste (1904 - 1996) foi jogador de tênis. Nada mais honroso, do que levá-lo aos uniformes dos atletas da França.

A Lacoste é o fornecedor oficial da delegação francesa desde 2012 e concluirá seu contrato com o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos (COJO) no final dos Jogos Paraolímpicos de Tóquio.

Os uniformes dos franceses trazem uma das principais tendências na moda recentemente: o oversized. As jaquetas, longas ou não, fazem referência a um dos trajes mais tradicionais do Japão: o quimono.

Armani

Armani | Itália - Getty Images - Getty Images
Armani | Itália
Imagem: Getty Images

A equipe da Itália aparecerá vestida pela clássica label de Giorgio Armani, que incluem macacões e camisetas desenhados pelo estilista italiano. As peças foram apresentadas pela grife junto à coleção de primavera/verão 2020.

Em comunicado à imprensa, o Comitê Olímpico da Itália (CONI) descreveu os uniformes como "único e elegante", com os gráficos prestando uma "clara homenagem" ao país anfitrião dos jogos.

O formato circular tricolor italiano na frente dos agasalhos e camisetas foram pensados como uma homenagem à bandeira do Japão, enquanto a palavra "Itália" é escrita na grafia japonesa.