PUBLICIDADE
Topo

SPFW N51: festa de Walério Araújo e moda upcycling fecham edição no 5º dia

SPFW N51: Walério Araujo - Divulgação
SPFW N51: Walério Araujo Imagem: Divulgação

De Nossa

27/06/2021 22h56

A edição de número 51 do São Paulo Fashion Week, feita 100% digital, chegou ao fim neste domingo (27) com uma festa de 30 anos de carreira de Walério Araujo, veterano que retornou para a semana de moda para a celebração, e Flavia Aranha mostrando looks feitos a partir de 500 quilos de retalhos acumulados pelo ateliê durante o último ano em um vídeo que celebrava o ar que respiramos.

O upcycling também esteve presente no desfile do projeto Ponto Firme, em que detentos e egressos do sistema prisional usam o crochê para ressignificar e dar nova vida a peças doadas.

Wilson Ranieri

Veterano do SPFW, o estilista Wilson Ranieri decidiu voltar a desfilar no evento depois de 10 anos. Tudo porque ele se apaixonou por um tecido que fez com que ele quisesse voltar a criar roupas para a sua própria marca. "Comprei esse tecido na rua e ele me deu vontade de fazer toda essa coleção", contou o artista em entrevista após a exibição de seu fashion film.

Deste tecido, surgiram looks com pegada sessentista, com macacões e saias evasês. Vestidos e peças mais secas, próximas ao corpo, em uma paleta que inclui o fúcsia, tijolo, piscina e roxo. Além da malha sarjada estampada, Wilson também usou cetim, mousseline e georgeteplisse. A ideia é que as peças desfiladas sejam personalizadas, de acordo com o que o cliente quiser.

SOUL Básico

Com estilo de Wilson Ranieri, a marca de moda masculina SOUL Básico e seu diretor criativo Zeh Henrique Domingues estreiam na SPFW propondo um básico diferentão para combinar com nosso atual contexto socioeconômico. "É uma reflexão sobre o tempo e, pela primeira vez, a gente parou. Não tinha como não parar. Eu tive um burnout, fiquei quatro dias na UTI e não sabia o que fazer. Eu queria fazer peças mais atemporais, autorais, coerentes com os dias de hoje", comentou o criativo em entrevista.

Sobre valorizar o tempo, o processo que temos. Queríamos uma roupa mais leve".

Assim, surgiu uma série de camisões e calças fluídas para homens, golas canoas, parkas com patchwork em jeans. Camisas abertas ou fechadas até o colarinho, com bolsos externos. A paleta inclui o castanho, branco e rosa, além da listra, um coringa, como estampa predominante de conjuntos de kimono com shorts, cardigãs e blusões oversized.

Victor da Justa

O carioca Victor da Justa estreou no evento fazendo uma reflexão sobre a dualidade entre a obsessão pelo meio digital e o analógico na coleção Cognição Faminta. "A fake news deu uma aumentada na pandemia e estamos muito dentro do celular. Não temos mais controle da informação. Quis dar uma esperança de que quando acaba a peste, começa o renascimento", comentou o estilista em entrevista após a exibição do desfile.

Uma comparação de que quando acabar, as lágrimas vão secar".

Para contar essa história, o carioca voltou a apostar em um alfaiataria desconstruída e que leva a moda sem gênero ao street wear. Com calças pantalonas, camisões abertos e cintos estampados. O destaque da coleção são as estampas: o pied de code, em que o QR code foi transformado em um padrão em cintos, bolsas e blusas; "Notícia Servida", em que Victor da Justa faz um paralelo entre o banquete insaciável por informações e a figura do garfo; e "cultura analógica", com capas de livros da casa do estilista.

Ponto Firme

Pela quarta vez, o projeto Ponto Firme, que, desde 2015, faz a capacitação de pessoas privadas da liberdade de um presídio em Guarulhos (SP), participa da programação do SPFW, mas, pela primeira vez, do line-up principal do evento. Para este novo passo, o estilista Gustavo Silvestre, que lidera o projeto, partiu de quatro máscaras feitas pelo artesão Anderson Figueiredo, egresso do sistema prisional e que foi participante da iniciativa. "Quando as vi, eu fiquei enlouquecido com o talento dele. Então criamos todo essa coleção para compor com as máscaras", contou Silvestre em entrevista.

O crochê, principal técnica empregada pelo Ponto Firme, foi usado para reaproveitar e ressignificar peças de doações e acervos. Foram criados 30 looks para as seis máscaras de Anderson Figueiredo, apresentando peças crochetadas com pontos largos, volumosos. Jeans e jaquetas com intervenções em crochê, dando continuidade aos itens ou surgindo como aplicações, em um trabalho urbano, que se distancia do artesanato apesar de ser um trabalho manual. As peças criadas estão à venda e podem ser adquiridas a partir do site do projeto. Toda a renda obtida é revertida aos egressos.

Renata Buzzo

Enquanto Júpiter e Saturno se encontravam no céu em dezembro de 2020, Renata Buzzo escrevia o poema que daria origem à coleção que leva o nome deles. "Usei os planetas como uma analogia de dois indivíduos distintos que estão sempre em desencontro, um não compreende o elemento do outro", contou a artista em entrevista.

Os desenhos dos acres da Terra deram origem às aplicações quadriculares. O Espantalho, citado no texto, é quem inspira as silhuetas dos vestidos e as mangas exageradas, em formato de sino. Assim como uma pegada dos anos 1960 e 1970, digna de uma Era de Aquário. Júpiter trouxe, para a paleta, os tons terrosos e rosados, enquanto Saturno, os amarelados. O azul pálido, marrom, alaranjados e avermelhados são dos elementos naturais.

Weider Silveiro

Weider Silveiro estrea no SPFW unindo o poder e a independência de uma mulher moderna com a tecnologia para apresentar Citá. "A mulher que eu idealizei para essa coleção é a forte, urbana, e é que a usa os gadgets, a tecnologia a seu favor", comentou o estilista em live.

O vídeo, cuja locação foi o rooftop do Edifício Copan, foi gravados com dispositivos Apple, enquanto telefones da marca foram usados como acessórios de alguns dos 30 looks desfilados. No corpo das modelos, a mulher moderna de Weider Silveiro veste cores sólidas, brilhantes, contrastando com o preto em calças, vestidos que se espalham e que são levemente transparentes ao andar.

Walério Araujo

O estilista queridinho das celebridades convida as pessoas para sua festa de 30 anos de carreira no vídeo "Minha História", gravado em sua casa, no edifício Copan, no centro de São Paulo (SP). E, para relembrar a sua trajetória, mostra uma série de looks que seguem sua estética carnavalesca e noturna.

Quero escrever um livro em forma de look".
Walério Araújo

A mãe de Walério e o Copan surgem como estampa de um dos vestidos mais icônicos da coleção, enquanto uma combinação cheia de miçangas, com uma touca, é a representação de sua cachorrinha. O Padre Cícero, que remete aos tempos em que ficava na casa da avó, aparece repaginado, com visual minimalista. Nessa celebração de sua vida, o estilista também homenageia São Paulo, em um vestido com a estampa da calçada da capital paulistana, e a noite da cidade, com visual que imita uma bola espelhada de discoteca. Até mesmo o uniforme de futebol americano ganha uma versão festiva nas mãos do estilista.

Flavia Aranha

Flavia Aranha fechou a edição de número 51 do SPFW com um respiro. No filme "Sopro", a estilista faz "devaneio utópico em tempos distópicos" sobre o ar. "Essa coleção parte de uma ideia de que a gente é natureza. A COVID-19, a situação política do país, me fizeram pensar sobre a vida", contou a artista.

E o ar é muito importante, é o que atravessa a gente. Não existe um muro que segura o vento. O ar que está em mim agora pode estar em você também".

Pensando no ciclo da vida, Flavia Aranha quis estender a vida dos resíduos acumulados pela marca durante o último ano de pandemia, formando uma colcha de retalhos. Foram quase 500 quilos que foram transformados em patchwork em parceria com as Artesãs de Muquém (GO) e Artesãs de Maciel (MG) e deram vida a um novo tecido, de onde foram construídos vestidos fluídos, conjuntos de roupas com shapes orgânicos, que faz parte da essência da etiqueta.

A estilista, conhecida por seu processo de tingimento natural, usou materiais singelos como cascas de cebola e de milho para criar a paleta de cores da coleção. "A ideia é traduzir as tonalidades do sol do nascer até o pôr", comentou a estilista.