PUBLICIDADE
Topo

A história da blusa marinière: de uniforme militar francês a ícone da moda

A atriz Audrey Tatou como Coco Chanel no filme Coco Antes de Chanel, de 2009 - Reprodução
A atriz Audrey Tatou como Coco Chanel no filme Coco Antes de Chanel, de 2009 Imagem: Reprodução

Aline Fava

Colaboração para Nossa

13/06/2021 04h00

Entre tantas tendências passageiras e que não duram nem uma temporada inteira, é curioso notar que uma peça do uniforme da marinha francesa que foi incorporada ao guarda-roupa das pessoas lá nos anos 1920 nunca saiu de moda — nem na França e nem ao redor do mundo.

Dos looks das estrelas de cinema e da música ao visual básico de quem curte o estilo jeans e camiseta, a marinière se firmou como um clássico absoluto que a gente não se cansa de usar.

História do listrado

Marinière em desfile da Chanel, em 1995 - Getty Images - Getty Images
Marinière em desfile da Chanel, em 1995
Imagem: Getty Images

Antes de chegar na marinière em si, vale a pena conhecer um pouco da história dos tecidos listrados. João Braga, professor de História da Arte na Faculdade Santa Marcelina e autor do livro "História da Moda: Uma Narrativa", explica que ora a estampa pode estar associada a coisas de caráter positivo, ora negativo:

Por exemplo, na Antiguidade, conhecia-se um hebreu através do tecido listrado, ainda hoje existe um listrado chamado listrado hebreu. Há pinturas egípcias que mostram pessoas com tecido listrado e é possível reconhecer que seja um hebreu por suas roupas"

Na Idade Média, o listrado foi associado à prostituição. Já no Renascimento, as listras ajudavam a identificar o reino ao qual as pessoas pertenciam.

Homem ao mar

Uniforme atual da marinha francesa em foto tirada em junho de 2020 - LUDOVIC MARIN/POOL/AFP via Getty Images - LUDOVIC MARIN/POOL/AFP via Getty Images
Uniforme atual da marinha francesa em foto tirada em junho de 2020
Imagem: LUDOVIC MARIN/POOL/AFP via Getty Images

No século 18, o azul-marinho foi adotado como identidade da marinha inglesa em referência ao mar. No entanto, o uniforme dos britânicos era liso. É no século 19 que surge a ideia do listrado para as roupas dos marinheiros. E, apesar de ter virado o símbolo da marinha francesa, o branco e o azul-marinho alternados foi ideia dos russos.

"Quando o listrado é com esse padrão de uma listra clara e outra listra escura se alternando, ele ganha um aspecto de uma visibilidade maior. Segundo consta, essa foi a intenção da marinha russa", diz João Braga.

Se uma pessoa caísse no mar e a água estivesse muito escura, o branco iria contrastar. Vale lembrar que na Rússia faz um frio tremendo, então o azul-marinho se destacaria no gelo"

João Braga cita outra curiosidade que justifica esse contraste da cor clara e escura, em especial o azul-marinho "É a cor que menos demonstra sujeira, menos até que o preto. É a propriedade química e física da cor, de sua natureza. Então, dizem alguns, principalmente na roupa dos marinheiros, independente de ter uma camisa listrada ou não, aquele contorno branco na gola ou na parte de trás indica se a roupa está suja. Quando o branco está sujo, significa que o azul-marinho também está e está na hora de lavar a roupa, então tem mais essa função".

Em meados do século 19, mais precisamente em 27 de março de 1858, a marinha francesa adota a ideia dos russos e a oficializa como linguagem da roupa interna de seus marinheiros, com uma série de exigências: "A listra branca tem que ser duas vezes mais grossa do que a listra azul marinho e a peça tem que ter 14 listras azul-marinho", define Braga. Surge então a marinière, a camisa de malha listrada na horizontal.

Uniforme atual da marinha francesa - Marine Nationale/Valérie Baud - Marine Nationale/Valérie Baud
Uniforme atual da marinha francesa
Imagem: Marine Nationale/Valérie Baud

Originalmente, a marinière é uma peça solta, não uma roupa justa: "A original é larga, tem uma manga mais curta para não ficar aparecendo fora do paletó do uniforme oficial dos marinheiros", conta o professor.

E como esse código visual específico dos marinheiros fez a transição para o mundo da moda? Através do olhar e do incrível senso de estilo de Coco Chanel.

Marinière para elas também

Coco Chanel usando a marinière e pantalona em 1928 - Reprodução/Wikimedia - Reprodução/Wikimedia
Coco Chanel usando a marinière e pantalona em 1928
Imagem: Reprodução/Wikimedia

Nos anos 1920, Chanel se inspirou nas roupas masculinas, que eram muito mais práticas, para criar suas peças. João Braga explica que essa proposta da estilista francesa não era um conceito de moda unissex, mas sim de androginia.

A roupa dos marinheiros virou fonte de inspiração para Coco Chanel durante uma relação afetiva que ela manteve com o 2º Duque de Westminster: "Este duque inglês tinha o maior iate do mundo nessa época e ficava passeando pelo mar Mediterrâneo. Chanel se inspirou na roupa da tripulação — após a marinha francesa adotar os listrados, a marinha inglesa também acabou usando", conta João Braga.

Do uniforme completo, ela também tirou a ideia das calças pantalonas, lançadas em 1926. E por que essas roupas são largas, inclusive a calça?

Por causa do mar. Se a roupa for molhada, a roupa justa gruda no corpo e impede os movimentos, portanto as roupas dos marinheiros são largas para que, se porventura molharem, não impedirem os movimentos"

Chanel criou e a tendência estourou? Não foi bem assim. "A marinière, de certa forma não pegou, só nos balneários, não no perímetro urbano. Ela só vai virar referência de moda especialmente a partir do término da Segunda Guerra Mundial", diz Braga.

Embaixador da marinière

O designer francês Jean Paul Gaultier na Semana de Moda de Paris em 1995 - Victor Virgile/Gamma-Rapho via Getty Images - Victor Virgile/Gamma-Rapho via Getty Images
O designer francês Jean Paul Gaultier na Semana de Moda de Paris em 1995
Imagem: Victor Virgile/Gamma-Rapho via Getty Images

A camisa listrada só vai pegar a partir da imposição da moda jovem, porque tem a praticidade de uma roupa de malha e fica ainda mais popular quando o estilista francês Jean Paul Gaultier adota a marinière como a sua linguagem gráfica.

"Como linguagem de Gaultier, ela vinga mesmo nos anos 80. Com frequência, ele usava o listrado branco e azul-marinho em suas coleções, inclusive em seu perfume Le Male, cujo frasco é um torso masculino inspirado nos marinheiros e que segue as listras da marinière".

Oui, très français

Marinières à venda na loja Boutique Marine Nationale - Boutique Marine Nationale - Boutique Marine Nationale
Marinières à venda na loja Boutique Marine Nationale
Imagem: Boutique Marine Nationale

Adicione uma boina e um lencinho amarrado no pescoço à camisa listrada e você terá a imagem associada ao estereótipo do artista francês.

"Esse código listrado da marinière virou uma identidade bem francesa. A boina também ficou muito ligada aos franceses porque era muito comum as pessoas a usarem para cobrir a cabeça durante o frio", diz João Braga.

Recentemente, a marinha francesa decidiu se apropriar da popularidade desse símbolo de seu país e lançou uma boutique para vender suas peças listradas como linguagem de moda. Na Boutique Marine Nationale, o modelo clássico e unissex custa 99 euros.

A marinière caiu no samba

Integrantes da Mangueira durante o desfile da escola na Sapucaí em 2018, no Rio de Janeiro - Getty Images - Getty Images
Integrantes da Mangueira durante o desfile da escola na Sapucaí em 2018, no Rio de Janeiro
Imagem: Getty Images

No Brasil, a marinière ficou associada ao uniforme clássico do sambista carioca, de terno de linho branco, chapéu e camisa listrada. João Braga lembra que, inclusive, a peça virou letra de música: "Vestiu uma camisa listrada e saiu por aí", na canção Camisa Listrada, escrita por Assis Valente e gravada por Carmen Miranda em 1937.

"Tão simples e tão cool"

A atriz americana Jean Seberg usando marinière e jeans em 1965 - Hulton Archive/Getty Images - Hulton Archive/Getty Images
A atriz americana Jean Seberg usando marinière e jeans em 1965
Imagem: Hulton Archive/Getty Images

Essa é uma das definições que Marina Giustino, coordenadora de Pesquisa de Tendências do Bureau de Estilo Renata Abranchs e do CRIÁVEL, dá para a blusa listrada: "Esse clássico agênero me desperta paixão desde o início da minha adolescência, quando comecei a adentrar mais no universo da moda. Eu me lembro de assistir filmes e ver fotos de personalidade usando a marinière e ficar completamente fascinada pela atemporalidade de uma camiseta tão simples e ao mesmo tempo tão cool".

Kate Middleton, a duquesa de Cambridge, usando uma marinière - Getty Images - Getty Images
Kate Middleton, a duquesa de Cambridge, usando uma marinière
Imagem: Getty Images

Entre momentos que marcam o imaginário quando pensamos na blusa listrada, a pesquisadora cita o look da atriz Jean Seberg no filme Acossado, de Godard, com uma marinière de manga 3/4 e seu corte de cabelo à la garçonne. Outra personalidade muito ligada à camiseta listrada é o pintor espanhol Pablo Picasso: "Picasso era fã incondicional da marinière e é possível encontrar fotos de diversas ocasiões dele vestindo a t-shirt".

Entre as francesas, Brigitte Bardot e, é claro, Gabrielle Chanel se destacam para Marina.

Brigitte Bardot, por volta de 1965, usando uma marinière enquanto filmava no México - REPORTERS ASSOCIES/Gamma-Rapho via Getty Images - REPORTERS ASSOCIES/Gamma-Rapho via Getty Images
Brigitte Bardot, por volta de 1965, usando uma marinière enquanto filmava no México
Imagem: REPORTERS ASSOCIES/Gamma-Rapho via Getty Images

Verdade ou mito

 Clique no street style francês em 2019 - Claudio Lavenia/Getty Images - Claudio Lavenia/Getty Images
Clique no street style francês em 2019
Imagem: Claudio Lavenia/Getty Images
Convidada do desfile da Chanel durante a Semana de Moda de Paris em 2020 - Getty Images - Getty Images
Convidada do desfile da Chanel durante a Semana de Moda de Paris em 2020
Imagem: Getty Images

Presente em fotos e ilustrações que a descrevem como parte da vida cotidiana dos franceses, a marinière parece ser tão francesa quanto a própria França.

Moradora de Paris há dois anos, Marina garante que o top listrado é mesmo uma peça usada por lá: "Todos os franceses que eu conheço têm, pelo menos, uma marinière no guarda-roupa. É possível encontrá-la facilmente à venda e cruzar com pessoas nas ruas vestindo-as".