PUBLICIDADE
Topo

Por que a camisa polo clássica é mais comprida atrás? Não é só por estilo

Recurso de estilo ou uso funcional, a parte de trás mais comprida das camisas polo tem explicação - Reprodução
Recurso de estilo ou uso funcional, a parte de trás mais comprida das camisas polo tem explicação Imagem: Reprodução

Aline Fava

Colaboração para Nossa

23/04/2021 04h00

Apesar do nome, a camisa polo apareceu e se destacou no contexto do tênis, quando o tenista francês René Lacoste, inspirado no uniforme de um jogador de polo, a criou em 1933. Em parceria com o especialista em tecidos André Gillier, Lacoste testou uma série de camisas até chegar no resultado desejado. Desde então, a peça pode variar em relação às cores, estampas ou até tecidos, mas continua seguindo o mesmo padrão de sua modelagem original.

Luiza Mariano, professora de modelagem na Faculdade Santa Marcelina, explica que, por se tratar de uma peça desenvolvida originalmente para a prática esportiva, a parte traseira é mais comprida devido à inclinação do tronco para frente, muito frequente no tênis e no polo equestre: "Esse recurso mantém a camisa dentro da calça e impede que ela se solte durante a prática do esporte".

camisa polo Tyler the Creator - WireImage - WireImage
Da origem clássica a look descolado: na polo de Tyler the Creator na entrega do Grammy, corte com a parte posterior bem mais comprida
Imagem: WireImage

Fora do contexto esportivo, essa modelagem mais comprida na parte de trás aparece também na maioria das camisas sociais. Segundo Andressa Martins, Head de Merchandising e Produto da Lacoste, no vocabulário da moda isso se chama fralda:

Serve para que a peça não saia para fora ao sentar, algo que, geralmente, pode acontecer quando a peça não tem a fralda".

Nos modelos casuais, a "fralda" diminuiu bastante de tamanho ou até mesmo desapareceu - Divulgação - Divulgação
Nos modelos casuais, a "fralda" diminuiu bastante de tamanho ou até mesmo desapareceu
Imagem: Divulgação

Hoje em dia, essa modelagem está sendo adaptada aos novos usos e estilos de polo: "As marcas mais casuais mantêm o comprimento traseiro e dianteiro iguais, porém sempre com a abertura lateral", conta a professora.

"Em muitos casos, a parte de trás mais comprida é bem sutil e utilizada apenas como um detalhamento da peça. Os modelos podem ter ou não esse detalhamento, dependendo do estilo de cada marca", diz Sergio Fronio, gerente de Estilo da Aramis.

Do esporte ao street style

"O principal diferencial dessa camisa era o tecido, de algodão leve e poroso, conhecido como piquet. Além disso, as mangas eram curtas e o colarinho não era mais engomado, era macio, mas rígido o bastante para ser levantado e proteger a nuca do sol.

O abotoamento foi encurtado, três botões eram suficientes para que a cabeça passasse na hora de vestir e, originalmente, o recorte era mais comprido nas costas para impedir que a camisa saísse de dentro da calça com facilidade.

Tecido leve garantiu sucesso no esporte e na moda das ruas - Edward Berthelot/Getty Images - Edward Berthelot/Getty Images
Tecido leve garantiu sucesso no esporte e na moda das ruas
Imagem: Edward Berthelot/Getty Images

Sua praticidade logo a fez ser utilizada em outros esportes e também fora das quadras", conta Fronio.

Originário da França, o piquet é um tecido de toque macio caracterizado por sua superfície com desenhos em alto-relevo no formato de losango ou casa de abelha. Segundo Sergio Fronio, o piquet é a malha mais tradicional na confecção das polos por conta de suas qualidades: "É respirável, durável, confortável e fácil de cuidar".

"Leve e arejada, porém resistente, a malha piquet também foi considerada uma técnica revolucionária na tecelagem e malharia", comenta a professora Luiza Mariano.

Camisa polo é verdadeira curinga da moda masculina - Robert Spangle/Getty Images - Robert Spangle/Getty Images
Camisa polo é verdadeira curinga da moda masculina
Imagem: Robert Spangle/Getty Images

Toda essa praticidade e inovação fez a camisa polo transcender o sportswear e invadir o street style, aparecendo em looks de homens, mulheres e crianças ao redor do mundo todo.

Peça chave do preppy e associada ao estilo "coxinha", o item recentemente se viu no meio de uma polêmica ao virar uniforme de supremacistas.

A gola polo

"Feitas em malharia retilínea, assim como os acabamentos dos punhos das mangas curtas, as golas surgiram como uma opção mais confortável em substituição os colarinhos engomados e as mangas compridas que eram usadas pelos jogadores de tênis", relata a professora de modelagem Luiza Mariano. Agora, além das camisas, a famosa gola polo aparece também em peças como vestidos e blusas.

Crocodilo famoso

Loja da Lacoste em Buenos Aires, Argentina - Jeffrey Greenberg/Universal Images Group via Getty Images - Jeffrey Greenberg/Universal Images Group via Getty Images
Loja da Lacoste em Buenos Aires, Argentina
Imagem: Jeffrey Greenberg/Universal Images Group via Getty Images

Facilmente reconhecível nos dias de hoje, o crocodilo da Lacoste foi um dos primeiros símbolos a se tornar visível do lado de fora de uma peça de roupa.

O logo vem do apelido do tenista René Lacoste, "Le Crocodile", recebido aos 19 anos quando o capitão de sua equipe lhe prometeu uma mala de crocodilo que ele havia apreciado na vitrine de uma loja caso ele vencesse a partida. René não ganhou, mas mostrou a determinação de um crocodilo na quadra e o apelido pegou.

Rene Lacoste em ação em Wimbledon, em 1928 - PA Images via Getty Images - PA Images via Getty Images
Rene Lacoste em ação em Wimbledon, em 1928
Imagem: PA Images via Getty Images

Desde então, o animal aparece bordado com 1200 pontos no lado esquerdo do peito das camisas polo da marca. Uma vez montada, a polo Lacoste pesa 230 gramas e é submetida a 25 testes de qualidade. A média de tempo requerida por um costureiro para montar a peça é de 40 minutos.

Com a explosão da logomania nos anos 80, a Lacoste se tornou uma marca conhecida mundialmente. Hoje, ela pode ser encontrada em 98 países através de uma rede de 1100 lojas. Em 2018, a chegada da britânica Louise Trotter marcou a primeira vez que uma mulher assumiu a direção criativa da marca.