PUBLICIDADE
Topo

Padeiros franceses querem que baguete seja reconhecida pela UNESCO

Baguete artesanal: tradição na França - Getty Images
Baguete artesanal: tradição na França
Imagem: Getty Images

De Nossa

25/02/2021 11h36

Farinha, água, sal e fermento dão origem a um dos alimentos mais antigos e importantes no mundo: o pão. Povos diferentes desenvolveram receitas distintas de acordo com as suas condições socioculturais.

Na França, a baguete ocupa um importante espaço de representação, podendo ser comparada até a Torre Eiffel, símbolo parisiense. Por esse motivo, a Confederação dos Padeiros Franceses apresentou um pedido para que o quitute seja reconhecido pela UNESCO como um "tesouro intangível".

O marcador de "patrimônio imaterial" da UNESCO — destinado a reconhecer tradições orais, artes performáticas, práticas sociais, rituais e métodos de artesanato tradicional — já abrange os métodos antigos de fazer pão achatado no Irã e no Cazaquistão.

Garotinho francês segurando baguete: "primeiro pedido feito a crianças" - Grant Faint/Getty Images - Grant Faint/Getty Images
Garotinho francês segurando baguete: "primeiro pedido feito a crianças"
Imagem: Grant Faint/Getty Images

Outros exemplos reconhecidos são as cervejas produzidas na Bélgica e a arte napolitana de girar a pizza.

De acordo com a CNN, os padeiros esperam que a entrada na lista proteja o know-how artesanal passado de geração em geração da industrialização em massa que oferece aos franceses versões congeladas preparadas em linha de montagem.

Para a classe, a compra direta de pequenos artesãos em padarias locais é um ritual que faz parte da tradição francesa.

A Ministra da Cultura da França fará a indicação ao presidente da UNESCO em março. Há outros dois concorrentes na disputa: a festa de vinho Biou d'Arbois, na região do Jura, e os telhados de chapa de zinco de Paris.

Baguete: farinha, água, fermento e sal - Getty Images/Cavan Images RF - Getty Images/Cavan Images RF
Baguete: farinha, água, fermento e sal
Imagem: Getty Images/Cavan Images RF

Proteção extra

Desde 1993, um decreto determina que as baguetes tradicionais devem ser elaboradas apenas com os quatro ingredientes da receita. A fermentação da massa também segue regras: deve durar de 15 a 20 horas a uma temperatura entre 4ºC e 6ºC.

Apesar da determinação e do número de baguetes vendidas por dia ainda ser impressionante -- são 6 milhões --, Dominique Anract, presidente da federação de padeiros, considera que o hábito cultural está ameaçado. Cerca de 30.000 padarias fecharam desde 1950, quando os supermercados entraram na jogada.
A primeira coisa que pedimos a uma criança é comprar uma baguete em uma padaria.. Devemos proteger esses hábitos a nós mesmos."
Outro fator que impactou o mercado foi as restrições impostas pela pandemia de covid-19. Dono de oito padarias, Mickael Reydellet apoia o pedido à Unesco: "esse título confortaria os padeiros e encorajaria a próxima geração".