PUBLICIDADE
Topo

Passear sem gastar: conheça atrações gratuitas em 10 capitais do Brasil

Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro - LightRocket via Getty Images
Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro
Imagem: LightRocket via Getty Images

Marcel Vincenti

Colaboração para Nossa

11/01/2021 04h00

Marcadas por um alto custo de vida, grandes cidades do Brasil nem sempre oferecem condições para um turismo barato.

Em diversas capitais do país, entretanto, existem atrativos turísticos onde não há cobrança de ingresso e que proporcionam muita cultura e entretenimento para o viajante.

São museus, monumentos históricos e até sítios arqueológicos que merecem uma visita e que praticamente não irão afetar o orçamento do turista.

A seguir, conheça 10 capitais brasileiras onde é possível realizar belos passeios gratuitos (a abertura dos locais mencionados pode estar afetada pela pandemia. Informe-se sobre seu funcionamento antes de visitá-los).

Belo Horizonte (MG)

Museu Mineiro, em Belo Horizonte - Israel Crispim Jr./Acervo Secult - Israel Crispim Jr./Acervo Secult
Museu Mineiro, em Belo Horizonte
Imagem: Israel Crispim Jr./Acervo Secult

Na capital mineira, oferecem visitas gratuitas locais como o Museu Mineiro, localizado em um casarão do final do século 19 e com um acervo que reúne imagens sacras, equipamentos litúrgicos, mobiliário histórico, armas e achados arqueológicos (são, ao todo, mais de 3.500 peças).

O local também exibe obras assinadas por importantes artistas mineiros, como Inimá de Paula e Carlos Bracher.

Já no Centro de Arte Popular, os turistas têm a chance de conhecer, sem pagar ingresso, manifestações artísticas de diferentes regiões de Minas Gerais, com obras de artistas de lugares como o Vale do Jequitinhonha, Ouro Preto e Sabará - em um belo panorama da pluralidade da cultura mineira.

Centro de Arte Popular, em Belo Horizonte - Israel Crispim Jr./Acervo Secult - Israel Crispim Jr./Acervo Secult
Centro de Arte Popular, em Belo Horizonte
Imagem: Israel Crispim Jr./Acervo Secult

Para quem ama história, vale uma visita ao Arquivo Público Mineiro: em suas dependências, o público tem acesso a milhares de documentos que remontam aos períodos importantes da história do Brasil, como mapas produzidos no século 18 e documentos referentes à Inconfidência Mineira.

Salvador (BA)

Palacete das Artes, em Salvador - Tatiana Azeviche - Tatiana Azeviche
Palacete das Artes, em Salvador
Imagem: Tatiana Azeviche

No território soteropolitano, há visitas gratuitas ao Palacete das Artes, que abriga exposições temporárias de importantes artistas plásticos do Brasil e do exterior. Nos jardins, junto com árvores centenárias, há quatro esculturas em bronze do francês Auguste Rodin, adquiridas pelo Governo do Estado da Bahia.

Visitas gratuitas também podem ser realizadas no Arquivo Público do Estado da Bahia, um prato cheio para amantes de história.

Arquivo Público do Estado da Bahia, em Salvador - Tatiana Azeviche - Tatiana Azeviche
Arquivo Público do Estado da Bahia, em Salvador
Imagem: Tatiana Azeviche

Situado em um complexo arquitetônico do século 16, o local abriga milhões de documentos que remontam a épocas importantes da trajetória brasileira, como cartas régias e documentos da Independência e do tráfico negreiro.

Já o Museu de Arte Moderna da Bahia está localizado no Solar do Unhão, edificação do século 16 junto à Baía de Todos-os-Santos. Em seu acervo, a intituição tem obras de nomes como Tarsila do Amaral, Portinari e Di Cavalcanti.

Rio de Janeiro (RJ)

Cais do Valongo, no Rio de Janeiro - Alexandre Macieira/RioTur - Alexandre Macieira/RioTur
Cais do Valongo, no Rio de Janeiro
Imagem: Alexandre Macieira/RioTur

Não faltam, na Cidade Maravilhosa, locais que podem ser visitados gratuitamente, como as famosas praias cariocas.

Na capital fluminense, porém, há locais de interesse turístico menos conhecidos e que também não cobram entrada.

Um deles é o sítio arqueológico do Cais do Valongo, situado na área onde funcionou um porto de desembarque para navios negreiros e que, hoje, é fundamental para entender mais sobre a escravidão no Brasil.

Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro - Alexandre Macieira/RioTur - Alexandre Macieira/RioTur
Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro
Imagem: Alexandre Macieira/RioTur

Para ter a vista deslumbrada, o Real Gabinete Português de Leitura é uma opção perfeita: trata-se de uma das bibliotecas mais lindas do mundo, com relíquias literárias espalhadas por uma estrutura arquitetônica que, por si só, é também uma obra de arte (a fachada, por exemplo, lembra o Mosteiro dos Jerônimos, cartão-postal de Lisboa).

Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro - Alexandre Macieira - Alexandre Macieira
Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro
Imagem: Alexandre Macieira

E você é realmente um amante de arquitetura? Então visite o Centro Cultural Banco do Brasil, que ocupa um lindíssimo edifício que costuma sediar eventos culturais gratuitos de primeira linha.

Fortaleza (CE)

Museu da Fotografia Fortaleza - Mariana Parente/Museu da Fotografia Fortaleza - Mariana Parente/Museu da Fotografia Fortaleza
Museu da Fotografia Fortaleza
Imagem: Mariana Parente/Museu da Fotografia Fortaleza

Na capital do Ceará está o Museu da Fotografia, com ótimas exposições de renomados fotógrafos. Sua coleção conta com fotos, por exemplo, de Juca Martins, Steve McCurry, Marcel Gautherot, German Lorca e Robert Capa.

O Sobrado Dr. José Lourenço é outro lugar da cidade para admirar belos trabalhos artísticos sem pagar entrada. Neste momento, a instituição sedia a Exposição Pós-Tropical, com obras do artista Artur Bombonato.

Sobrado Dr. José Lourenço, em Fortaleza - Felipe Abud/Secult Ceará - Felipe Abud/Secult Ceará
Sobrado Dr. José Lourenço, em Fortaleza
Imagem: Felipe Abud/Secult Ceará

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, por sua vez, também costuma ser palco para exposições gratuitas.

São Paulo (SP)

Edifício Martinelli - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Edifício Martinelli
Imagem: Getty Images/iStockphoto

A capital paulista não é uma cidade barata para turistas brasileiros, mas oferece atrativos gratuitos que têm tudo para agradar quem vem de fora.

Um deles é o Edifício Martinelli, cujo terraço tem sido aberto a visitas nas quais não há cobrança de entrada. O arranha-céu tem mais de 100 metros de altura e, de lá de cima, é possível ter uma visão panorâmica incrível de São Paulo.

O Instituto Moreira Salles também tem entrada gratuita: um de seus principais atrativos é uma área que proporciona visão privilegiada para a Avenida Paulista. Além disso, no local são frequentemente realizadas excelentes exposições artísticas.

Pateo do Collegio, em São Paulo - Carla Galdeano - Carla Galdeano
Pateo do Collegio, em São Paulo
Imagem: Carla Galdeano

E, para conhecer um local fundamental na história de São Paulo, vá até o Pateo do Collegio, na área onde nasceu a cidade. Os espaços do jardim interno, a Igreja São José de Anchieta e a Biblioteca Padre Antonio Vieira têm entrada gratuita.

Recife (PE)

Forte das Cinco Pontas, no Recife - Andréa Rêgo Barros - Andréa Rêgo Barros
Forte das Cinco Pontas, no Recife
Imagem: Andréa Rêgo Barros

A capital pernambucana tem ótima oferta de atrativos onde não há cobrança de ingresso.

Uma delas é o Forte das Cinco Pontas, monumento erguido no século 17 para proteger uma grande área que, à época, era controlada pelos holandeses e sua Companhia das Índias Ocidentais, que explorava a produção açucareira do Nordeste brasileiro. O local abriga o Museu da Cidade do Recife, com exibições sobre a história da capital pernambucana.

Já para uma experiência totalmente ao ar livre, não deixe de realizar uma caminhada pelas ruas do centro histórico do Recife. Trata-se de uma região que faz o turista se sentir em um museu a céu aberto: a rua do Bom Jesus, por exemplo, exibe um lindíssimo casario histórico colorido, perfeito para fotos "instagramáveis".

E o Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães, instalado em um casarão do século 19 e também com acesso gratuito, possui um excelente acervo de obras realizadas por artistas brasileiros.

Maceió (AL)

Museu Théo Brandão, em Maceió - Semtel Maceió - Semtel Maceió
Museu Théo Brandão, em Maceió
Imagem: Semtel Maceió

Além de belas praias, a capital alagoana oferece interessantes passeios gratuitos que nada têm a ver com areia e mar.

O Museu Théo Brandão, por exemplo, é focado na rica cultura de Alagoas, com exibições que abordam os lindos artesanatos do Estado e expressões culturais como os folguedos alagoanos (e tudo abrigado dentro de um charmoso edifício histórico da cidade).

Bairro de Jaraguá, em Maceió - João Schwartz - João Schwartz
Bairro de Jaraguá, em Maceió
Imagem: João Schwartz

Já o bairro do Jaraguá é um verdadeiro museu a céu aberto, com fotogênicos monumentos, prédios históricos, praças e igrejas. E trata-se de uma área que, hoje, está marcada por intervenções artísticas em muros, que prometem encantar quem gosta de arte de rua.

E para ver de perto um das expressões mais marcantes de Maceió, vá até o Pontal da Barra, onde é possível admirar o trabalho das rendeiras, que realizam sua arte manual sentadas nas calçadas (e o pôr do sol visto desta área da cidade é imperdível).

Campo Grande (MS)

Maria Fumaça, em Campo Grande - Acervo Sectur - Acervo Sectur
Maria Fumaça, em Campo Grande
Imagem: Acervo Sectur

Poucos turistas sabem que, além de ser uma cidade cercada por muita natureza, Campo Grande possui uma série de interessantes monumentos que podem ser admirados de forma gratuita.

Um deles é o Monumento da Maria Fumaça, que homenageia a antiga estrada de ferro Noroeste do Brasil e tem cinco metros de altura, 20 metros de comprimento e peso de nada menos do que 20 toneladas. A obra se encontra suspensa em um balanço, dando a impressão de que pode levantar voo a qualquer momento. Além disso, a Maria Fumaça tem um QR Code que dá acesso a um texto informativo, produzido pelo professor Paulo Cabral, do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul.

Outro belo local gratuito é o Parque das Nações Indígenas, área verde com imponentes obras artísticas, como o Monumento ao Índio (estrutura que remete à imagem de uma zarabatana feita em homenagem às culturas indígenas de Mato Grosso do Sul e de autoria do arquiteto Roberto Montezuma).

Museu Jose Antonio Pereira, em Campo Grande - Raoni Ramires - Raoni Ramires
Museu Jose Antonio Pereira, em Campo Grande
Imagem: Raoni Ramires

E Campo Grande tambem abriga o Museu José Antônio Pereira, que aborda a história da capital sul-matogrossense e tem entrada gratuita.

Belém (PA)

Horto Municipal, em Belém - Prefeitura de Belém - Prefeitura de Belém
Horto Municipal, em Belém
Imagem: Prefeitura de Belém

A capital paraense tem belos atrativos gratuitos para o turista.

Um deles é o Horto Municipal, com chão feito com pedras portuguesas, paisagens verdes, fotogênicos quiosques de madeira e canteiros com flores.

Para um passeio histórico, vá ao Solar da Beira, edificio do século 19 que faz parte do complexo do Ver-o-Peso e que abriga uma exposição inspirada no Círio de Nazaré.

Bosque Rodrigues Alves, em Belém - Getty Images - Getty Images
Bosque Rodrigues Alves, em Belém
Imagem: Getty Images

E imperdível é o Bosque Rodrigues Alves, área verde com 15 hectares com ingresso de preço simbólico (valor máximo de R$ 2), localizada na Zona Leste de Belém e que abriga diversas espécies da fauna e flora do ecossistema amazônico.

Florianópolis (SC)

Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis - Cristiano Andujar/Prefeitura de Florianópolis - Cristiano Andujar/Prefeitura de Florianópolis
Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis
Imagem: Cristiano Andujar/Prefeitura de Florianópolis

A capital catarinense é conhecida por suas lindas praias, que, obviamente, podem ser visitadas sem pagamento de ingresso.

A cidade, porém, tem mais atrativos gratuitos interessantes.

Entre eles estão as inscrições rupestres que existem na área da praia do Santinho, marcadas em rochas que existem no local e que têm mais de mil anos. Estas obras ancestrais podem ser admiradas através de uma via que existe entre as formações rochosas (e que também oferece vista privilegiada para o mar).

Nem todos também sabem que, na cidade, existe uma zona histórica chamada Santo Antônio de Lisboa, que é um verdadeiro museu a céu aberto, com um lindo casario histórico.

Santo Antônio de Lisboa - Eduardo Vessoni/UOL - Eduardo Vessoni/UOL
Santo Antônio de Lisboa
Imagem: Eduardo Vessoni/UOL

Além disso, a ponte Hercílio Luz (que estava interditada desde 1991) finalmente foi reinaugurada em 2019: turistas podem cruzar a linda estrutura de mais de 820 metros de comprimento a pé (e sem pagar ingresso).