PUBLICIDADE
Topo

SPFW 25 anos: Modem reedita sua história com alfaiataria desconstruída

Colaboração para Nossa

07/11/2020 16h44

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontade", escreveu Luis Camões. A poesia fechou a apresentação da Modem, neste sábado (7), quarto dia da edição de 25 anos do São Paulo Fashion Week, que trouxe uma representação do tempo. A marca fez uma reflexão sobre cronologia e aproveitou para reeditar os seus cinco anos de história.

A pergunta "O que é o tempo?" esteve na cabeça do estilista André Boffano durante a quarentena. "Para mim, todo esse confinamento foi sobre essa questão. Ainda mais, hoje em dia, que a gente não sabe o que é antigo, o que é novo", falou o estilista em entrevista após a apresentação.

O questionamento casou com uma vontade de resgatar peças icônicas de coleções anteriores da Modem para narrar a trajetória da etiqueta. "Quis mostrar que tem muita roupa boa que não é velha. Precisamos refletir o que já tem e o que queremos comprar como consumidor", afirmou Boffano.

O clássico e o contemporâneo, além de texturas contrastantes, fizeram parte da apresentação da marca, que procura mostrar sua essência e seu DNA. Com styling de João Victor Borges, que estreia na equipe da Modem, foram criados 15 produções que contam tanto com reedições de itens ou lançamentos anteriores da etiqueta. Assim, o desfile apresenta uma alfaiataria desconstruída, com muitas sobreposições, e que apresenta a estética conhecida da Modem, que une o industrial às formas orgânicas.