PUBLICIDADE
Topo

Por que Aracaju, em Sergipe, é um dos destinos mais visados no pós-covid?

Orla do Pôr do Sol - SETUR-SE/Divulgação
Orla do Pôr do Sol
Imagem: SETUR-SE/Divulgação

Eduardo Vessoni

Colaboração para Nossa

31/10/2020 04h00

Menor estado do Brasil, Sergipe não é aquele tipo de destino que vem à cabeça do turista que viaja pelo Nordeste. Pelo menos não era.

De acordo com o Barômetro Viajala 2020, cuja terceira edição foi divulgada na última semana, a capital sergipana, Aracaju, teve durante a pandemia um aumento de 35% na procura na plataforma Viajala.com.br.

O outro bom motivo para o viajante nacional incluir o estado em seu roteiro nordestino, quando for seguro viajar, é a redução das passagens aéreas. Segundo o estudo, cuja amostragem é de 3 milhões de buscas no Brasil, o valor dos bilhetes teve uma queda de 32% nos voos provenientes de outras capitais e 50% para quem voa do Rio de Janeiro.

"Agora o turismo [em Sergipe] está conseguindo colocar o nariz para fora", define o secretário de Estado de Turismo, José Sales Neto.

Para o secretário, os números são consequência da conjunção de dois fatores.

"Sergipe é um destino de tendência no pós-covid porque nossos produtos turísticos são majoritariamente ao ar livre e em contato com a natureza, embasado nas praias, passeios náuticos e nos cânions do Xingó", explica Sales Neto.

Cânions do Xingó  - Ivo Ritir/SETUR-SE - Ivo Ritir/SETUR-SE
Cânions do Xingó
Imagem: Ivo Ritir/SETUR-SE

Em entrevista por telefone para Nossa, o secretário apontou também que em 2019 foram feitos acordos com as companhias aéreas para redução da alíquota do ICMS sobre o preço do querosene, "diminuindo os impactos no valor da passagem aérea".

Já o cofundador do buscador Viajala, Josian Chevallier, acredita que, apesar dos preços mais baixos, Sergipe "não recebe o mesmo fluxo intenso de pessoas na alta temporada, como a Bahia ou Ceará. Isso, no pós-pandemia, é uma grande vantagem".

Conheça atrativos de Sergipe

Aracaju

A viagem por esse pequeno estado, espremido entre a Bahia e Alagoas, começa na capital, cujo aeroporto recebe, mensalmente, 487 voos.

Orla do Atalaia, em Aracaju - SETUR-SE/Divulgação - SETUR-SE/Divulgação
Orla do Atalaia, em Aracaju
Imagem: SETUR-SE/Divulgação

Se suas faixas de areia não recebem águas tão claras como as dos vizinhos nordestinos, devido à influência de rios, Aracaju é um convite para circular pela Orla do Atalaia, um calçadão de 6 km de extensão que concentra ciclovias, área para prática de esportes, os principais hotéis e o polo gastronômico Passarela do Caranguejo.

Museu da Gente Sergipana

Museu da Gente Sergipana - SETUR-SE/Divulgação - SETUR-SE/Divulgação
Museu da Gente Sergipana
Imagem: SETUR-SE/Divulgação

Primeiro museu multimídia do Nordeste e comparado a espaços como o da Língua Portuguesa e do Futebol, em São Paulo, esse é, sem exageros, um dos mais interativos e tecnológicos de todo o Brasil.

Ao longo de suas salas temáticas, o visitante faz uma viagem pelo estado em ambientes onde é possível participar de um curioso karaokê com literatura de cordel, improvisar com repentistas e "navegar" em uma canoa em um túnel que cruza paisagens do estado.

Uma das atrações mais recentes, inaugurada em 2018, é o Largo da Gente Sergipana, instalação artística às margens do Rio Sergipe que abriga esculturas de 7 metros de altura que fazem referência a manifestações culturais do estado, como o Barco de Fogo, os Lambe Sujos e os Bacamarteiros. Saiba mais: www.museudagentesergipana.com.br

Praias de águas doce

Croa do Goré  - César de Oliveira/ SETUR-SE - César de Oliveira/ SETUR-SE
Croa do Goré
Imagem: César de Oliveira/ SETUR-SE

É da Orla do Pôr do Sol, na Praia do Mosqueiro, no litoral sul da capital, que saem os passeios em catamarã até a Ilha dos Namorados e a Croa do Goré.

Em certas horas do dia, a vazão das águas do rio Vaza-Barris traz à tona esses dois belos bancos de areia, equipados com bares flutuantes, aluguel de equipamentos náuticos como Stand Up Paddle e, claro, praias de águas mansas e cristalinas.

Cidades Históricas

Praça São Francisco, em São Cristóvão - SETUR-SE/Divulgação - SETUR-SE/Divulgação
Praça São Francisco, em São Cristóvão
Imagem: SETUR-SE/Divulgação

A 20 quilômetros da capital, aproximadamente, destinos de talento cenográfico são o bate e volta perfeito para quem está hospedado em Aracaju.

Primeira capital sergipana e uma das cidades mais antigas do Brasil, São Cristóvão ficou conhecida, há exatos 10 anos, quando sua Praça São Francisco foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, por conta das bem preservadas construções do período colonial.

Igreja do Bonfim, em Laranjeiras - SETUR-SE/Divulgação - SETUR-SE/Divulgação
Igreja do Bonfim, em Laranjeiras
Imagem: SETUR-SE/Divulgação

Já Laranjeiras, melhor estruturada turisticamente e dona de um conjunto arquitetônico tombado pelo Iphan, é uma espécie de mini Ouro Preto sergipana, cujos destaques são o casario centenário sobre calçamento do período imperial, onde teriam passado Dom Pedro II e sua comitiva, e o turismo rural que remete ao período dos engenhos de cana.

Parque dos Falcões

Parque dos Falcões, em Itabaiana  - César de Oliveira/ SETUR-SE - César de Oliveira/ SETUR-SE
Parque dos Falcões, em Itabaiana
Imagem: César de Oliveira/ SETUR-SE

Considerado o único centro do gênero na América do Sul e é um dos poucos do Brasil com autorização do IBAMA para a criação e preservação de aves de rapina, esse atrativo fica em Itabaiana, a 45 quilômetros de Aracaju.

O local abriga cerca de 300 aves, como gaviões, falcões e corujas, e tem atividades como visitas guiadas e passeio por trilhas no vizinho Parque Nacional Serra de Itabaiana. Saiba mais: www.parquedosfalcoes.com.br

Praia do Saco

Praia do Saco  - Arthuro Paganani/ SETUR-SE - Arthuro Paganani/ SETUR-SE
Praia do Saco
Imagem: Arthuro Paganani/ SETUR-SE

A pouco mais de 70 quilômetros da capital, na divisa com Mangue Seco, na Bahia, essa extensa faixa de areias finas e águas cristalinas é conhecida pelos passeios de bugue sobre dunas.

Outro passeio imperdível desse atrativo no município de Estância é a navegação até um banco de areia temporário conhecido como Ilha da Sogra, no encontro do mar com o rio.

Cânions do Xingó

Cânions do Xingó - Ivo Ritir/SETUR-SE - Ivo Ritir/SETUR-SE
Cânions do Xingó
Imagem: Ivo Ritir/SETUR-SE

A 200 quilômetros de Aracaju, Canindé de São Francisco é o ponto de partida para o atrativo mais popular de todo o estado: os Cânions do Xingó, em pleno Rio São Francisco.

Seus corredores estreitos, sob paredões rochosos que passam dos 50 metros de altura, são resultados da construção da Usina Hidroelétrica de Xingó, inaugurada em 1994, cujas águas navegáveis são visitadas em catamarãs que fazem parada para banhos.