PUBLICIDADE
Topo

Pandemia: surfista fica "presa" na Nicarágua e vive em comunidade indígena

Bruna Bessa na América Latina: paulistana é dona de uma agência de viagem de surf feminino - Arquivo pessoal
Bruna Bessa na América Latina: paulistana é dona de uma agência de viagem de surf feminino Imagem: Arquivo pessoal

Gabrielli Menezes

De Nossa

11/09/2020 04h00

O plano estava traçado: após partir sozinha de São Paulo, no dia 2 de março, rumo a El Salvador, onde passaria algumas semanas, a jornalista e surfista Bruna Bessa seguiria viagem para a Nicarágua e para a Costa Rica.

Bruna Bessa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Ondas na Nicarágua: costantes e boa para a prática
Imagem: Arquivo pessoal

Esse roteiro pela América Latina é a escolha de muitos gringos e brasileiros que têm em comum o gosto pelo surf. São locais chamados de point break, ou fundo de pedras, que pela formação natural do solo marinho proporcionam ondas constantes, boas para a prática do esporte.

A previsão era que o trajeto todo durasse um mês. Mas o coronavírus fez da viagem uma experiência bem mais longa: somente agora em setembro ela conseguiu embarcar num voo de volta.

Fiquei sabendo da gravidade da pandemia já em El Salvador. Quando começaram a falar que iam fechar as fronteiras, corri para comprar uma passagem de ônibus para a Nicarágua. Não poderia ficar presa num lugar que gastaria em dólar. Procurei o lugar mais barato e próximo".

Bruna Bessa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Viagem sozinha pela América Latina: "presa" na Nicarágua
Imagem: Arquivo pessoal

Foi por pouco, porém, que a travessia se concretizou. Como os ônibus não estavam mais autorizados a cruzar a fronteira, Bruna e os outros passageiros tiveram que mudar de país a pé. "Foi o último dia que pôde atravessar caminhando. Depois, fecharam de vez a fronteira".

Imersão na Nicarágua

Durante os seis meses no país, ela se hospedou em diferentes hostels na praia de Popoyo, em Tola, no sul da Nicarágua, e chegou a trabalhar num mix de hotel, restaurante e bar em troca de estadia. A parada mais longa e curiosa se deu numa comunidade indígena. "Fui morar com uma pessoa que fiz amizade surfando. O estilo de vida é de uma vila de pescador, todos são familiares e se conhecem".

Peixes Nicarágua - Bruna Bessa - Bruna Bessa
Peixes pescados depois eram assados na lenha
Imagem: Bruna Bessa

A sua rotina foi adaptada aos costumes dos moradores do povoado. Os hábitos do dia a dia passaram a estar conectados com a natureza, girando em torno da lua e da chuva.

"No início da viagem, estava com espírito de turista. Queria ir para praias diferentes, fazer viagem de barco, comer coisas exóticas. Na vila, eu acordava 3 horas da manhã para surfar e pescar. Às vezes precisávamos buscar lenha para cozinhar e água para beber. Dormíamos cedo".

Home ? #nicalife #popoyosurf . . Sem papo de coach. Eu não sou o tipo de pessoa que fala sobre essas coisas de energia descartando todo um contexto social. Não. Eu sei muito bem dos meus privilégios, reconheço todos eles. Mas sei que dentro dos meus privilégios também tem as minhas escolhas. Esse ano resolvi que faria minhas escolhas conforme minha intuição, de tanto quebrar a cara ano passado comecei a levar a sério essa parada de energia. To sentindo que não é pra fazer? Não faço. To sentindo que preciso seguir? Eu sigo. Todo final de ano eu faço mapa dos sonhos, com todos meus planos e objetivos para o ano seguinte, mas dessa vez estava sentindo que esse ano não seria um ano de planos. Não fiz. Pela primeira vez em 4 anos não fiz mapa dos sonhos, não fiz planos, não marquei absolutamente nada para 2020. Logo eu, que vivia a agenda do Maré Alta na risca. Só fui seguindo o que acha que era certo. Tinha uma passagem comprada em março para viajar por um mês. A pandemia chegou no meio de março e começou fechar fronteiras e aeroportos. Eu tinha que de decidir: fica ou vai. Fiquei, fui ficando. Sentia que tinha que me mudar, me mudava. Opa, algo me diz que preciso ficar, ficava! E assim estou vivendo, um dia de cada vez, nas incertezas fora do meu controle, nas movimentações naturais do meu destino. Atualmente to vivendo nesse hostel em frente à praia, um sonho que se realizou sem querer. Tudo faz sentindo quando deixamos fluir. Você confia? (Ps: to lendo as mulheres que correm com os lobos e tem um conto mt bom sobre intuição, ta no capítulo 3, chama "A boneca no bolso: Vasalisa, a sabida". Leiam!!!!)

Uma publicação compartilhada por Bruna Bessa (@brubessa.marealta) em

Cabeça na carteira

Ter uma viagem estendida de um para seis meses pode parecer um sonho. Mas, se a conta bancária não está preparada para sustentar a vida fora do Brasil por tanto tempo, preocupações são inevitáveis.

Eu senti medo no começo quando eu vi que não ia conseguir trabalhar. Só gastava e nada entrava. A questão de dinheiro era o que deixava todo mundo que estava na mesma situação desesperado".

Fundadora da agência de viagem Maré Alta, de surf feminino, Bruna não conseguiria tocar o trabalho de forma remota e à distância, já que grande parte dos afazeres é levar meninas para surfar no litoral do Brasil.

Maré Alta - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Maré Alta: agência leva surfistas para pegar onda no litoral
Imagem: Arquivo pessoal

A boa notícia veio quando a embaixada brasileira da Nicarágua ajudou os visitantes a conseguir hospedagem. "Esse apoio me deixou mais tranquila".

Aeroporto fechado

Com os voos comerciais paralisados, o aeroporto do país latino estava operando apenas com trajetos particulares. De acordo com a surfista, as agências de viagem de lá fretavam um avião e cobravam cerca de 900 dólares pela passagem até o Brasil.

Bruna Bessa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Sensações variadas: experiência única sem poder voltar pra casa
Imagem: Arquivo pessoal

"O que todo mundo pensa é: se você tem 900 dólares para voltar, por que você não fica lá e gasta 900 dólares em cinco meses, vivendo com outra qualidade de vida, num lugar que tem menos casos de coronavírus..."

Seu retorno só foi possível porque conseguiu um trabalho temporário para produzir conteúdo para uma marca internacional. "Eles pagaram para mim. Foi assim que consegui. Se não, ainda estaria lá".

Embora desejada, a volta para casa despertou novas sensações não tão positivas. "Foi um choque ver tudo aqui parado. No aeroporto, senti uma tristeza coletiva. Na Nicarágua todo mundo dividia copo, latinha de cerveja, comia junto, sem nenhuma preocupação com o vírus. Aqui, não abracei e não toquei em ninguém. Esse distanciamento social eu realmente só entendi quando cheguei aqui."