PUBLICIDADE
Topo

Boeing desenvolve bastão ultravioleta que promete matar 99,9% dos germes

Instrumentos são operados manualmente por equipes de higienização e conseguem esterilizar assentos e mesas de refeições - Divulgação
Instrumentos são operados manualmente por equipes de higienização e conseguem esterilizar assentos e mesas de refeições Imagem: Divulgação

Marcel Vincenti

Colaboração para Nossa

26/08/2020 14h59

A Boeing anunciou nesta quarta-feira (26) que desenvolveu um bastão de luz ultravioleta que, segundo a empresa, é capaz de matar 99,9% de agentes infecciosos no interior dos aviões.

Os instrumentos são operados manualmente por equipes de higienização e, quando projetados sobre a superfície, conseguem esterilizar locais como assentos e mesas de refeições a bordo.

O produto faz parte de uma iniciativa da fabricante norte-americana chamada "Viagem com Segurança", que tem como objetivo criar soluções que minimizem riscos à saúde nas jornadas aéreas durante a pandemia.

"Os bastões são dispositivos móveis que podem ser levados com facilidade para dentro das aeronaves e desinfetar rapidamente o avião entre um voo e outro", explica Kevin Callahan, engenheiro de desenvolvimento de produto da Boeing. "Eles são carregados em uma mala e podem ser usados em espaços compactos que existem a bordo".

Além disso, segundo Callahan, a luz ultravioleta tem capacidade para diminuir o uso de líquidos na desinfecção do interior das aeronaves - substituindo, assim, um material com potencial para danificar itens eletrônicos presentes dentro dos jatos.

Para chegar à conclusão de que os bastões são capazes de matar 99,9% de agentes infecciosos, a Boeing contou com o auxílio de entidades cientifícas como a Universidade de Columbia, uma das mais prestigiadas dos Estados Unidos.

Por outro lado, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou uma nota na qual reforça que não há evidências científicas de que a luz ultravioleta (UV) seja eficaz como única forma de eliminar o coronavírus.

No mercado, provavelmente, até o fim do ano

Novidade deve estar disponível para venda no último trimestre de 2020 - Divulgação - Divulgação
Novidade deve estar disponível para venda no último trimestre de 2020
Imagem: Divulgação

A Boeing teve a parceria de companhias aéreas como a Etihad para desenvolver o bastão de luz ultravioleta, em um projeto que começou em abril deste ano, logo após o início da pandemia.

A fabricante, entretanto, informa que ainda está no processo de escolher uma empresa para produzir o instrumento em larga escala - e que o dispositivo pode ganhar ainda mais melhorias nos próximos meses.

De acordo com Kevin Callahan, o bastão deve começar a ser comercializado no último trimestre de 2020. Seu preço de venda ainda não foi definido e ficará a cargo de cada companhia aérea adquirir (ou não) o produto.

E, também como parte de suas iniciativas para combater o coronavírus a bordo, a Boeing desenvolveu um banheiro equipado com luz ultravioleta que passa por um processo de desinfecção automático após cada uso, eliminando 99,9% dos germes presentes em suas superfícies em aproximadamente três segundos.

Porém, ainda não há uma data para que esta novidade apareça nas aeronaves comerciais. "Mas queremos que isso aconteça o mais breve possível", afirma Callahan.

Segurança em todas as etapas da viagem

Segundo Dan Freeman, diretor de engenharia da Boeing, o uso de luz ultravioleta será um complemento aos procedimentos sanitários que já vêm sendo adotados em todas as etapas das viagens aéreas, do embarque ao desembarque.

"A gente não pode separar o avião do resto do processo de viajar", avalia ele. "É importante fazercom que as pessoas se sintam seguras em todos os passos de uma viagem aérea".

Para o executivo, é fundamental que aeroportos e companhias aéreas continuem adotando medidas como aferição de temperatura dos passageiros e tripulantes, obrigatoriedade do uso de máscara e presença de álcool em gel nos saguões aeroportuários.

E em todos os jatos produzidos pela Boeing já existe um sistema de filtragem semelhante aos utilizados em hospitais e que renova constantemente o ar que circula a bordo, extraindo mais de 99,9% de vírus e bactérias presentes no ar.

Seguindo diretrizes de entidades como a Organização Mundial da Saúde, a fabricante também tem recomendado, para as companhias compradoras de seus jatos, o uso de novos desinfetantes que seriam mais eficazes para a limpeza das aeronaves (e tem orientado as empresas aéreas sobre a melhor maneira de utilizá-los).

"E continuamos pesquisando e avaliando novas tecnologias para aumentar a segurança a bordo, como o uso de revestimentos antimicrobianos para superfícies das aeronaves", comunica a empresa.