PUBLICIDADE
Topo

Clássico junino, quentão nasceu no improviso e pode ganhar várias versões

Quentão nasceu de um improviso e conquistou para sempre os apaixonados por festas juninas - Getty Images
Quentão nasceu de um improviso e conquistou para sempre os apaixonados por festas juninas
Imagem: Getty Images

Pedro Marques

Colaboração para Nossa

12/06/2020 04h00

Como tantas outras comemorações, quermesses e festas juninas chegaram ao Brasil junto com os portugueses há muito tempo - numa época em que até fazia frio na maior parte do país durante os meses de inverno e acender fogueiras e tomar um trago eram essenciais para aquecer o corpo.

Em Portugal (e boa parte da Europa), a bebida dessas ocasiões era o "mulled wine", feito com várias especiarias e mel e já era conhecida desde a época do Império Romano.

Nascimento pelo "jeitinho"

Festa junina sem quentão não é festa junina! - Getty Images - Getty Images
Festa junina sem quentão não é festa junina!
Imagem: Getty Images
Reproduzir a receita por aqui, no entanto, era complicado para os portugueses. Havia as especiarias, trazidas da Ásia, e o açúcar entrava no lugar do mel. Mas faltava o vinho e, sem opção, a sempre presente cachaça foi parar na panela.

Surgiu assim, de improviso, o brasileiríssimo quentão, provavelmente criado nos estados do Sudeste. Segundo explicou o folclorista Amadeu Amaral em "O dialeto caipira", livro de 1920, a palavra foi criada pelos moradores do interior de Minas Gerais ou São Paulo.

O segredo da bebida

"Quentão é cachaça, açúcar, água, gengibre e especiarias. O gengibre tem que pegar na garganta, de uma maneira pontual, e a cachaça tem que aparecer de uma maneira sutil. O teor alcoólico é diluído porque tem a água presente. Ele aquece, mas não embriaga", ensina Jean Ponce, sócio e chefe de bar do Guarita, em Pinheiros (São Paulo).

Cachaça, açúcar, água, gengibre e especiarias: tudo o que você precisa para fazer um clássico quentão - Getty Images - Getty Images
Cachaça, açúcar, água, gengibre e especiarias: tudo o que você precisa para fazer um clássico quentão
Imagem: Getty Images

Claro, é sempre possível acrescentar outras coisas à receita. "A gente chama a receita do Guarita de quentão de vinho quente, porque a nossa também tem um toque de maçã, um pouco de cravo, e um pouco de canela, ingredientes mais usados no vinho quente", conta Ponce.

Quentão x vinho quente

Aliás, o vinho quente, outro clássico das festas juninas, é chamado de quentão no Sul do Brasil. É fácil entender o motivo: a produção de vinho é muito mais importante para a região, que recebeu milhares de imigrantes italianos no fim do século 19. A receita é praticamente igual a de "mulled wine", só que a nossa tem açúcar no lugar do mel.

No Sul, quentão é vinho quente graças à influência europeia - Getty Images - Getty Images
No Sul, quentão é vinho quente graças à influência europeia
Imagem: Getty Images

Isso não impede que se tome por lá quentão de cachaça, pelo contrário. O frio mais intenso nesses estados faz com que as duas versões sejam apreciadas e ainda abriu espaço para invenções. No ano passado, por exemplo, o Shopping Hauer, em Curitiba, fez um festival dedicado à bebida, em que foram servidas releituras com saquê e vinho do Porto e até com gemada e marshmallow.

E mais variações também são encontradas Brasil afora, afirma Ponce. "Tem algumas feitas com catuaba, outras temperadas com semente de umburana, cardamomo, erva-cidreira... o povo brasileiro é muito criativo e usa os temperos de suas regiões ", relata o chefe de bar do Guarita. Independentemente da receita, o importante é ter quentão, obrigatório em qualquer festa junina que se preze - e que nesse ano será comemorada em casa