PUBLICIDADE
Topo

A experiência do 1º voo após dois meses de confinamento: "Foi surreal"

Reflexo da pandemia: aeroporto de Barcelona praticamente vazio - Getty Images
Reflexo da pandemia: aeroporto de Barcelona praticamente vazio
Imagem: Getty Images

Adriana Setti

Colaboração para Nossa, de Menorca

23/05/2020 04h00

O aeroporto de Barcelona bateu um recorde histórico em 2019, recebendo 52,6 milhões de passageiros — 10 milhões a mais do que Guarulhos (SP). Segundo a AENA (empresa pública de administração aeroportuária da Espanha), os terminais da capital catalã operaram 344.558 voos, mantendo uma média de 943 pousos e decolagens ao dia. No último mês, no entanto, o movimento caiu 99,6% em relação ao mesmo período no ano passado, contabilizando 25 mil viajantes. Um deles era eu.

Quinto país mais afetado do mundo pelo coronavírus, com 27.940 mortos, a Espanha está em estado de alarme desde 14 de março. Com a medida, as fronteiras foram fechadas e os deslocamentos dentro do território nacional reduzidos. Um dos motivos pelos quais uma pessoa pode viajar para fora de sua província atualmente é voltar para a própria casa — como foi o meu caso.

Oficialmente residente em Menorca, nas Ilhas Baleares, eu estava em Barcelona quando o presidente do governo, Pedro Sánchez, decretou quarentena em todo país. Dada a gravidade da situação, preferi passar dois meses confinada por lá até que o panorama melhorasse. Com taxa de contágio de 0,2% ao dia, e 65% dos doentes recuperados, resolvi deixar a metrópole catalã para trás, na terceira semana do processo de "desconfinamento".

Apocalipse zumbi

Cena que vi ao chegar no aeroporto de Barcelona: imagem de filme pós-apocalíptico - Adriana Setti/UOL
Cena que vi ao chegar no aeroporto de Barcelona: imagem de filme pós-apocalíptico
Imagem: Adriana Setti/UOL
Não havia nenhum outro carro no meu raio de visão quando o táxi encostou no Terminal 1 do aeroporto de Barcelona-El Prat Josep Tarradellas, o único em funcionamento atualmente (o T2, onde operam as companhias low cost, está fechado desde 26 de março).

Impossível não se sentir em um filme de apocalipse zumbi diante daquela gigantesca estrutura high-tech, sem rastro de outros seres humanos. Uma cena surreal. Surpreso com a situação (e feliz por estar fazendo a única corrida longa do dia), o taxista até desceu para tirar algumas fotos.

Apenas uma porta rotatória do terminal estava funcionando. Ao entrar, passei pela primeira minientrevista do dia. "Para onde voa? Por quê?", perguntou o segurança, que também quis ver minha passagem e o certificado de residente em Menorca, um documento emitido pela prefeitura que também dá desconto em passagens aéreas. Quem não vai viajar não pode entrar no terminal atualmente e o uso de máscara é obrigatório para todos os passageiros e funcionários.

Cadê a fila?

Nunca fui tão bem atendida no balcão de check-in da Vueling, companhia espanhola famosa por suas filas quilométricas. Pela primeira vez na história, o número de atendentes (uns seis) triplicava o de passageiros (meu marido e eu). O mesmo fenômeno se repetiu no controle de segurança, onde também éramos os únicos viajantes.

"Estás aburrido?", perguntei ao segurança com cara de tédio. "Que nada, só de sair de casa já estou feliz". Aproveitei para lembrá-lo do privilégio de ainda ter um emprego e segui para o painel de informação, posicionado sobre o piso lustroso e cercado de lojas, cafés e restaurantes — tudo fechado.

Das cinco telas que geralmente listam voos para todos os continentes, quatro estavam apagadas. Apenas quatro destinos, além do meu, constavam na programação daquela tarde: São Petesburgo, Moscou, Málaga (na Andaluzia) e Tenerife (Ilhas Canárias).

Precisei recorrer ao guichê de informações — onde duas funcionárias fofocavam freneticamente — para descobrir qual banheiro estava funcionando (quase todos estão fechados). Depois disso, só topei com outras pessoas no nosso portão de embarque.

Distanciamento social. Check!

Éramos uns 40 passageiros. Desde que o estado de emergência foi decretado, há apenas um voo por dia de Barcelona para Menorca, e três semanais a partir de Madri. Todos os demais estão suspensos (em condições normais, há várias conexões diárias para as principais cidades da Espanha e de diversos países europeus).

Na fila de embarque, os passageiros deveriam manter dois metros de distância uns dos outros, algo perfeitamente viável em um aeroporto vazio, mas que será um dos muitos desafios quando as restrições de circulação forem retiradas. O acesso ao avião foi feito de ônibus e, mesmo para 40 passageiros, dois veículos enormes foram utilizados. Distância social mantida com sucesso. Ao embarcar, precisei mostrar novamente o certificado de residente.

Área de controle de passageiros do aeroporto de Barcelona sem filas - Getty Images
Área de controle de passageiros do aeroporto de Barcelona sem filas
Imagem: Getty Images

Dentro do avião, todos os assentos entre a janela e o corredor estavam livres. "Onde o número de passageiros e a configuração da cabine permitir, as companhias aéreas devem garantir, na medida do possível, a distância física dos passageiros", diz a recomendação da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) que, no entanto, não obriga as empresas aéreas a deixarem lugares desocupados entre os passageiros.

Uma ordem ministerial, emitida no início de maio na Espanha, limita a capacidade dos aviões em 50% entre as Ilhas Canárias e Baleares. Mas a regra não vale para as linhas entre o continente e os arquipélagos. Recentemente, essa "pegadinha" provocou revolta em um voo da Ibéria entre Gran Canária e Madri, quando os passageiros se viram em uma aeronave totalmente lotada. Menos mal que não tive que passar pelo mesmo perrengue.

Máscaras, automaticamente

Eu e meu marido devidamente paramentados dentro do avião a Menorca - Adriana Setti/UOL
Eu e meu marido devidamente paramentados dentro do avião a Menorca
Imagem: Adriana Setti/UOL
Usando uma máscara FFP2 (equivalente à KN95) pela primeira vez, tive um pouco de dificuldade para respirar e senti incômodo com a pressão dos elásticos nas orelhas. Em uma viagem de 40 minutos, porém, o desconforto é totalmente contornável. Nem todos os passageiros tiveram a mesma resiliência. E a aeromoça precisou lembrá-los, pelos alto-falantes, que o uso do acessório é obrigatório durante todo o voo.

Pouco antes do pouso, o novo processo de desembarque foi anunciado pelos alto-falantes: sairíamos do avião fila por fila e, enquanto os passageiros da frente ainda estivessem deixando seus lugares, seria necessário esperar sentado (como sempre deveria ter sido, aliás).

Tudo em vão. Mal o avião aterrissou e a cena clássica se repetiu, com boa parte das pessoas em pé no corredor. Após a intervenção do comissário, houve um pouco mais de ordem. Mas um longo processo de "adestramento" ainda será necessário até que consigamos executar esse balé sincronizado na saída dos aviões.

Aviões da Vueling no aeroporto de Barcelona durante a crise aérea: redução de mais de 95% de viajantes - Getty Images
Aviões da Vueling no aeroporto de Barcelona durante a crise aérea: redução de mais de 95% de viajantes
Imagem: Getty Images

Sistema de triagem

Durante o voo, tivemos que preencher um questionário de saúde, indicando endereço na ilha e dados de contato. Na chegada, o formulário foi recolhido por um agente da polícia civil, que também solicitou o certificado de residente — os passageiros que não eram moradores foram entrevistados mais longamente.

Em uma segunda etapa de triagem, um médico tomou a minha temperatura, antes de me liberar. Menorca leva 14 dias sem novos casos de covid-19 e há apenas cinco pessoas infectadas na ilha atualmente. Mas, ao contrário do que vem acontecendo na vizinha Formentera (onde não há mais casos), os que chegam de fora não estão sendo testados.

Encontrar o aeroporto totalmente deserto não foi uma surpresa. Mesmo assim, não estava preparada para ter que procurar pelo meu carro no estacionamento interno em meio a um breu total. Menos mal que, assim como as luzes, as máquinas de pagamento e as cancelas também estavam desligadas — uma ótima notícia, depois de três meses de estadia não planejada, a 12 euros por cada 24 horas.