PUBLICIDADE
Topo

"Cor é uma brincadeira": como Michell renovou uma casa antiga alugada

Casa de Michell Lott em São Paulo - Arquivo Pessoal
Casa de Michell Lott em São Paulo Imagem: Arquivo Pessoal

Carol Scolforo

Colaboração para Nossa

21/05/2020 04h00

"Sempre quis que a minha vida estivesse em um cenário bom", conta Michell Lott. E foi assim que tudo começou: há alguns anos ele começou a fazer uma curadoria em sua vida e passou a ter um olhar mais atento aos arredores. "Temos que procurar beleza na vida". Diretor criativo, cenógrafo e consultor de cores, o mineiro já atuou como fotógrafo, designer gráfico e editor de um site de decoração. Seu universo é das imagens.

Hoje, Meu Apê pede licença poética pra publicar uma casa de vila que tem nome e sobrenome: é a Casinha do Retiro Espiritual Cósmico, em São Paulo. Um lar que se transformou com cores e ideias, ao longo de oito anos - tudo capitaneado por Michell e suas revoluções internas.

No instagram @lottlott está o reflexo de tudo isso: a evolução de cores da casa de 90 m² — que estava detonada quando foi encontrada por ele e mais duas amigas. Na época, pouca grana no bolso, era a opção mais próxima do prédio onde trabalhavam. "É uma casa torta. Às 23h30 a água acaba. Mas não estávamos em condição de escolher", diz.

Levou um ano para decidirem pintar as paredes. "Não sabíamos quanto tempo ficaríamos ali e relutamos em pintar por isso. Mas foi a melhor coisa. Vimos a diferença de colocar uma cor que tenha a ver com sua energia e sua personalidade". E para Michell, cor é diversão.

Michell Lott, Júlia Anadam e Felipe Rocha - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Michell Lott, Júlia Anadam e Felipe Rocha
Imagem: Arquivo Pessoal

"Você pode acertar ou errar na cor. Mas errar é importantíssimo, porque abrimos espaço para novas possibilidades", ri. Sua cozinha comprova. O tom de coral, Zimbro, não era a escolha inicial. "Passaram cinco minutos e começamos a gostar. Depois amamos!", diz ele, que divide o endereço agora com o modelo Felipe Rocha e a jornalista Júlia Anadam. Isso se conectou com para a mesa pintada de verde limão — ousadia e diversão.

Uma sala em tom terroso, um quarto rosa, outro verde, uma porta amarela e um quintal roxo depois, ele planeja as próximas cores. "Estou com desejo de um vermelho profundo e em um amarelo quente". Quem sabe no próximo post?

Michell Lott - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Casa é composta por diferentes tons terrosos
Imagem: Arquivo Pessoal

Michell Lott - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Decorações ajudam a compor o clima do ambiente
Imagem: Arquivo Pessoal

Segredos pra transformar o lar

Michell Lott - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Decoração deve contar com plantas, mudanças e até mesmo espaços em vazio
Imagem: Arquivo Pessoal

  • "Pintar a parede é o primeiro passo", diz Michell. A partir dessa primeira mudança, os elementos vão se encaixando no cenário. "Isso muda a energia de um lugar e a gente entra num fluxo de mudança".
  • Deixe espaço para o vazio nos espaços: "Muitas vezes prefiro deixar o vazio, para concluir algo sobre ele. Isso descansa nossa mente, aprendemos a olhar aquele espaço por outra perspectiva".
  • Mude as coisas de lugar. "Nada deve ser muito estático. As coisas vão encontrando seus lugares na casa".
  • Ter flores, galhos e folhagens que podemos pegar na rua. "No meu quintal, tem capim dos pampas, é de graça e dá uma energia para a casa".
  • Sabe aquele pôster que você comprou e está esperando para colocar moldura? "Cola com a fita que você tiver mesmo na parede. Tire as coisas guardadas e use já!" O mesmo para aquela louça herdada das nossas avós: "Use tudo, não adie a felicidade".
  • Montar um bar. "Mas cuidado. Aqui deu certo, mas deu muito errado: começamos a beber muito mais", ri Lott.
  • Trocar móveis e objetos de ambientes. Tudo pode ter uma nova função

As @ que me inspiram

@reisingerandres

“Estou numa fase de me inspirar por 3D e ele tem um trabalho lindo com isso”.

@nowness

“O site de vídeos tem um tour na casa das pessoas que eu adoro".