PUBLICIDADE
Topo

O que grandes viajantes da história podem nos ensinar sobre isolamento

Na sua volta ao mundo, o naturalista Charles Darwin fez anotações e estudos que sustentaram suas teorias em "A Origem das Espécies" - Getty Images
Na sua volta ao mundo, o naturalista Charles Darwin fez anotações e estudos que sustentaram suas teorias em 'A Origem das Espécies'
Imagem: Getty Images

Eduardo Vessoni

Colaboração para Nossa

10/05/2020 04h00

"Paciência" é a palavra que Heloísa Schurmann escolheu para essa temporada de quarentena. Isolada em São Paulo com o filho David e o neto, tenta manter a rotina com tarefas domésticas, palestras online e lives em redes sociais. Com três voltas ao mundo no currículo, ela reconhece que as longas viagens em família a bordo de um veleiro foram fundamentais para encarar os atuais desafios. E os Schurmann não estão sozinhos.

Nesta reportagem, Nossa se inspirou em relatos de viagens históricas para saber quais ensinamentos esses deslocamentos ao redor do mundo podem nos dar em tempos de pandemia.

Desde a Era das Grandes Navegações, a partir do século XV, viajantes protagonizaram longas viagens que não só redesenhariam os mapas do planeta como também mudariam a humanidade.

O explorador Sir Ernest Shackleton, em ilustração da época - The LIFE Picture Collection - The LIFE Picture Collection
O explorador Sir Ernest Shackleton, em ilustração da época
Imagem: The LIFE Picture Collection
"Endurance: a lendária expedição de Shackleton à Antártida"
Caroline Alexander

Quando: 1914

Aventura: o irlandês Ernest Shackleton e 27 homens partiram na Expedição Transantártica Imperial para serem os primeiros a atravessar o Continente Branco a pé. Mas, a menos de 200 quilômetros do destino, a embarcação ficou presa nas águas congeladas do Mar de Weddell, em pleno inverno antártico e a temperaturas que chegavam a -40°C. Sem nenhuma morte registrada, a empreitada só teria fim após dois anos com o resgate em uma estação baleeira da Geórgia do Sul.

Jamais para mim a bandeira abaixada, jamais a última tentativa"

O confinamento: desde que as caldeiras foram desligadas, na luta contra o avanço de gelo, a tripulação passou o tempo de confinamento com atividades como tarefas caseiras (remendo de meias e conserto de roupas), torneio de cortes de cabelo, partidas de futebol no gelo, sessões de gramofone e canto, palestras com diapositivos e passeios em banquisas com os 69 cães canadenses embarcados.

Curiosidade: Entre os 26 homens embarcados com Shackleton, uma eclética tripulação formada por marinheiros e cientistas, descobriu-se que havia um passageiro clandestino escondido em um baú de roupas. Repreendido pelo comandante, Perce Blackborow se tornaria querido do comandante e mantido como taifeiro, "a um salário mensal de 3 libras".

Aprendizado: Shackleton mostrou ao mundo sua resistência, coragem, otimismo e, mesmo nos momentos mais adversos, sua capacidade de liderança. O irlandês era conhecido como o "líder que punha seus homens acima de tudo".


Ilustração do século 16 sobre a jornada de Antonio Pigafetta ao redor do mundo - DeAgostini/Getty Images - DeAgostini/Getty Images
Ilustração do século 16 sobre a jornada de Antonio Pigafetta ao redor do mundo
Imagem: DeAgostini/Getty Images
"A primeira viagem ao redor do mundo"
Antonio Pigafetta

Quando: 1519 a 1522

Aventura: à procura de novas rotas para as Índias, Fernão de Magalhães liderou a primeira circum-navegação no planeta. Mas em Mactán, na região filipina de Cebu, foi morto em uma emboscada, deixando lugar para Juan Sebastián Elcano assumir o comando.

Das Ilhas Molucas, conhecidas como 'Ilhas das Especiarias', não mais que 18 homens retornaram com vida, de um total de 237. E dos cinco barcos da expedição, apenas um voltou.

Me determinei assegurar por meus próprios olhos a veracidade de tudo que contavam (...) para contar a outros minhas viagens"

O confinamento: a comida foi um dos temas mais retratados no diário de Pigafetta. Durante a longa travessia do Pacífico, "o grande mar", o italiano relembra os 3 meses e 20 dias sem comida fresca.

Além de "um polvo impregnado de morcegos empapado em urina de rato", as opções eram água "pútrida e fedorenta", serragem de madeira e couro amolecido nas águas do mar antes de ser cozido. Doenças como escorbuto, causado pela falta de vitamina C na dieta, também eram comuns entre os tripulantes.

Curiosidade: alguns atrativos naturais famosos foram batizados nessa viagem, como a Patagônia, o Estreito de Magalhães e o oceano Pacífico — esse por conta do mar calmo que encontraram na sua travessia. Já as Filipinas tiveram sua colonização europeia iniciada nessa mesma viagem.

Aprendizado: valentia, persistência e rapidez nas tomadas de decisões são algumas das palavras que marcam uma das mais importantes aventuras náuticas da humanidade

Das aventuras pelo mundo, Charles Darwin criou os princípios da Teoria da Evolução - Getty Images - Getty Images
Das aventuras pelo mundo, Charles Darwin criou os princípios da Teoria da Evolução
Imagem: Getty Images
"Viagem de um naturalista ao redor do mundo"
Charles Darwin

Quando: de 1831 a 1836

Aventura: com apenas 22 anos, Charles Darwin deu uma volta ao mundo a bordo do barco Beagle, sob o comando de Fitz Roy. Em cinco anos, passariam pela América do Sul , Terra do Fogo, Galápagos, Polinésia, Austrália e continente africano.

O confinamento: para Darwin, uma circum-navegação do mundo tem suas "dores e prazeres". E também seus tédios. Entre o Rio de Janeiro e o Rio da Prata, por exemplo, não viu nada de especial, exceto um enorme cardume de toninhas. Na arenosa baía de King George, na Austrália, confessou que "nunca tivemos durante nossa viagem tempos mais tediosos e desinteressantes".

Delícia é termo insuficiente para dar conta das emoções sentidas por um naturalista que, pela primeira vez, se viu a sós (...) no seio de uma floresta brasileira"

Curiosidade: dos cinco anos que durou a viagem, cujas anotações e estudos sustentaram suas teorias em "A Origem das Espécies", apenas 18 meses foram no mar. Darwin esteve 3 anos e 3 meses em terra, em atividades como coleta de espécies animais do Brasil, onde desenvolveu uma considerável coleção de insetos, e travessias a cavalo nas cordilheiras dos Andes.

Aprendizado: Darwin acreditava que viajar era não só fonte de prazer mas também a compreensão do mundo ao redor. "Como na música, a pessoa que entende as notas (...) aproveitará mais profundamente o conjunto"


Percy Fawcett embrenhou-se no Brasil em busca de uma cidade perdida - Reprodução/Wikimedia - Reprodução/Wikimedia
Percy Fawcett embrenhou-se no Brasil em busca de uma cidade perdida
Imagem: Reprodução/Wikimedia
"Z: a cidade perdida"
David Grann

Quando: 1925

Aventura: o britânico Percy Fawcett, seu filho Jack e Raleigh Rimmell desembarcarm no Brasil a procura de uma cidade perdida de uma civilização avançada que, supostamente, ficava no Mato Grosso. A expedição entrou em terras de onde ninguém havia retornado. E o pequeno grupo liderado por Fawcett seria mais um deles.

O confinamento: as longas travessias por florestas densas e desconhecidas, com acampamento selvagem, eram acompanhadas por animais de carga e altas chances de encontrarem índios hostis. Bebidas alcoólicas foram proibidas por Fawcett e as refeições eram a base de mingau, sardinhas, arroz, biscoitos e leite condensado. Acredita-se que a viagem, que começara no dia 20 de abril, tenha terminado no final de maio, período do último contato de Fawcett.

Fawcett tinha ganhado seu lugar nos anais da exploração, não pelo que revelou ao mundo, mas pelo que escondera"

Curiosidade: são famosas as cartas enviadas para a esposa Nina Agnes Paterson com geolocalização imprecisa ou errada. Fawcett se tornara "impossível de ser rastreado", provavelmente, para que ninguém o encontrasse (muito menos o cobiçado Eldorado escondido em terras amazônicas).

Aprendizado: travessias complexas como a de Fawcett exigem preparo físico, conhecimento da área e planejamento em conjunto com locais que conheçam a região. Embora o então presidente Epitácio Pessoa e o militar Cândido Rondon tivessem oferecido apoio a Fawcett, por meio de uma expedição bilateral Brasil-Inglaterra, o britânico fazia questão de ir sozinho com sua pequena comitiva.

Cândido Rondon quando jovem, desbravando a Amazônia - Wikimedia/Domínio público - Wikimedia/Domínio público
Cândido Rondon quando jovem, desbravando a Amazônia
Imagem: Wikimedia/Domínio público
"Rondon: uma biografia"
Larry Rohter

Quando: de 1889 a 1930

Aventura: essa profunda biografia de Cândido Rondon percorre os mais de 40 mil quilômetros que esse brasileiro fez a pé, a cavalo ou em canoas, nas áreas mais remotas da Amazônia. Por seu trabalho de exploração de um Brasil desconhecido para instalação de telégrafos, Rondon ficaria conhecido como "um dos maiores defensores dos direitos indígenas".

O confinamento: longas travessias a pé ou no dorso de mulas por terreno desconhecido e traiçoeiro, cujos maiores desafios eram ataques de animais selvagens ou doenças, como malária e disenteria. As refeições, servidas sem distinção de patentes dos participantes, eram postas em "couro de boi estendido no chão que servia de mesa". Por conta de suas expedições, Rondon chegava a passar meses afastado da família e não pôde ver o a nascimento de nenhum de seus sete filhos.

Morrer se preciso for, matar nunca"

Curiosidade: Rondon, "o domador do sertão", emprestou seu nome não só para o atual estado de Rondônia mas também para o meridiano 52 W (Meridiano Rondon). Ele chefiou uma das "maiores façanhas dos tempos modernos", a Expedição Científica Roosevelt-Franklin, que mapeou o então Rio das Dúvidas; foi responsável por organizar as primeiras gramáticas indígenas, como as dos Bororo; apoiou, desde 1893, a construção de uma nova capital brasileira no Planalto Central, bem como a criação do Parque Nacional do Xingu.

Em 1925, Albert Einstein chegou a indicar Rondon para o Comitê do Prêmio Nobel da Paz, após ter ouvido falar de suas aventuras e contribuições científicas nas áreas de botânica, geologia e etnologia.

Aprendizado: sem dúvidas, seu legado foi o lado humanista, pacifista e o respeito pelas outras culturas. Seus contatos eram pacíficos e Rondon chegou a conquistar a confiança de muitos grupos indígenas como os Paresí. Em uma das inúmeras homenagens ao marechal, Rondon foi descrito como "o índio que civilizou os brancos".

Heloisa Schurmann - Pedro Nakano/Divulgação - Pedro Nakano/Divulgação
Heloísa Schurmann narra em livro a aventura pelas antigas rotas da Dinastia Ming
Imagem: Pedro Nakano/Divulgação
"Expedição Oriente"
Heloísa Schurmann

Quando: de setembro de 2014 a dezembro de 2016

Aventura: inspirada pelas viagens de Zheng He, almirante da Dinastia Ming, a Família Schurmann velejou 812 dias, entre Santa Catarina e a China, passando por 29 países de cinco continentes.

O confinamento: leitura, exercícios físicos, jogos de tabuleiro e esportes aquáticos foram algumas das atividades praticadas por toda a tripulação.

"Quando a gente ancorava em algum lugar, os meninos desembarcavam com uma bola e o futebol era um instrumento de integração em qualquer lugar", lembra Heloísa.

Curiosidade: o veleiro Kat, usado nessa viagem, é um dos mais sustentáveis já produzidos no Brasil. A embarcação de 80 m² contava com compactador de lixo inorgânico, processamento de orgânicos, placas solares, dessalinizador de água e bicicletas ergométricas que produziam energia limpa com exercícios físicos feitos pela própria tripulação.

Desistir é uma palavra que não existe em nosso dicionário"

Aprendizado: a cada despedida em um porto, seja em uma grande cidade ou em uma ilha isolada do Pacífico Sul, os Schurmann dão uma aula de desapego. Para eles, o mais difícil não é desamarrar o veleiro na baia de um porto, mas soltar os cabos que os unem a quem fica em terra.

Albert Camus: diário narra travessias marítimas do autor de "A Peste" - The LIFE Picture Collection - The LIFE Picture Collection
Albert Camus: diário narra travessias marítimas do autor de "A Peste"
Imagem: The LIFE Picture Collection
"Diário de Viagem"
Albert Camus

Quando: 1946 e 1949

Aventura: travessia marítima entre a Europa e os Estados Unidos e, 3 anos depois, à América do Sul.

O confinamento: gripado e com depressão, Albert Camus entendiou-se em ambas viagens de navio até o continente. Em tempos nos quais não havia cruzeiros megalomaníacos, o autor de "A Peste" não só se ocupou em escrever mas também fez curiosas observações sobre os passageiros ("sociedade em miniatura"), espantou-se com a divisão de classes no navio ("estilo campo de concentração") e foi a uma sessão de cinema a bordo ("uma porcaria americana"). Mas seu passatempo preferido era observar o mar: "Ele terá sempre apaziguado tudo dentro de mim".

O céu e as águas não acabam mais. Como a tristeza fica bem acompanhada aí"

Curiosidade: as impressões de suas duas viagens ao continente, anotadas em cadernos do escritor, trazem trechos ou ideias de suas futuras obras, como "O Estado de Sítio" e o capítulo "A pedra que cresce" no livro "O Exílio e o Reino".

Aprendizado: Apesar do tédio dos compromissos profissionais, como entrevistas e conferências, Camus viajou aberto a novidades nos lugares visitados — "Não devo procurar no Brasil o que tenho na França". Entre as experiências, um ritual em um terreiro no Rio de Janeiro e explicações sobre antropofagia em um jantar com Oswald de Andrade.


Alexander Supertramp - Reprodução - Reprodução
A história de McCandless, que morreu no Alasca, virou livro e filme
Imagem: Reprodução
"Na natureza selvagem"
Jon Krakauer

Quando: 1992

Aventura: após romper com a família e a sociedade, Christopher Johnson McCandless empreende uma viagem nômade de dois anos pelo oeste estadunidense. De carona, chega aos limites do Parque Nacional Denali, no Alasca, onde segue pela exigente Stamped Trail "para viver da terra por alguns meses".

Autodenominado Alexander Supertramp, o jovem morreria de inanição, 112 dias depois, em um ônibus abandonado.

O confinamento: após se preparar em Fairbanks, uma das maiores cidades do Alasca, começou a aventura com apenas 4,5 kg de arroz, pouca roupa, mapa, saco de dormir e câmera com um rolo de filme. Passou parte do tempo lendo os cerca de 10 livros que levara, o maior peso de sua bagagem.

Após muita dificuldade para caçar com seu rifle calibre 22, alimentou-se de frutas e sementes, além de galo silvestre, esquilo, pato, ganso e até um alce.

Caminho agora para dentro da natureza selvagem"

Curiosidade: o icônico ônibus verde onde McCandless foi encontrado morto era um dos três veículos em que uma construtora local abrigava operários de uma trilha que levava a uma mina.

Emile Hirsch em cena de "Na Natureza Selvagem" (2007) - Reprodução - Reprodução
Emile Hirsch em cena de "Na Natureza Selvagem" (2007)
Imagem: Reprodução

Após o fim dos serviços, apenas dois deles foram rebocados. O Magic Bus (que virou destino para aventureiros atuais) teria ficado como abrigo para caçadores, equipado com beliche e um fogão de tambor.

Como lembra o autor, o local onde está o ônibus não "se qualifica como região selvagem para os padrões do Alasca" e está relativamente perto da entrada do parque nacional.

Aprendizado: "Felicidade só é real quando compartilhada". Última frase escrita por Christopher McCandless em seus diários, após ler seu último livro, "Doutor Jivago" de Boris Pasternak.