PUBLICIDADE
Topo

Livros para "viajar" dentro de casa em tempos de coronavírus

Livros podem ser uma grande ajuda para "viajar" em casa mesmo - Unsplash
Livros podem ser uma grande ajuda para "viajar" em casa mesmo
Imagem: Unsplash

Eduardo Vessoni

Colaboração para Nossa

25/03/2020 04h00

Este ano, o aniversário do escritor Marcelino Freire foi diferente. Sempre recluso no dia 20 de março, o autor dos premiados "Contos Negreiros" e "Nossos Ossos", resolveu dar uma festa. Literária e virtual.

"Essa quarentena já é constante na minha vida", explicou Freire por telefone ao Nossa, na manhã do seu aniversário, horas antes de iniciar a live em uma rede social, onde comemoraria seus 53 anos.

Esse pernambucano de Sertânia vai passar os dias em casa mesmo, entre livros. "Eles sempre foram meus remédios e meus companheiros. São um suporte curativo para as nossas angústias", completou.

Em tempos de mundo forçadamente isolado, o livro é uma das viagens mais seguras que a gente pode fazer.

Não tem que fazer mala, check in e nem se preocupar com alertas de segurança. E ainda assim a gente trava contato com personagens e cenários únicos, em histórias contadas no papel, na tela do tablet ou em versões narradas em audiolivro.

Para inspirar os internautas nessa fase de isolamento, o Nossa selecionou alguns títulos nacionais e estrangeiros que têm o mundo como protagonista e levam o leitor a verdadeiras viagens literárias.

Confira dicas de livros

"Expedição Oriente", de Heloísa Schurman (Ed. Record) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"Expedição Oriente", de Heloísa Schurman (Ed. Record)

Por onde você vai "viajar": Uruguai, Ushuaia (Argentina), Chile, Antártica, Ilha de Páscoa, Polinésia Francesa, Nova Zelândia, Austrália, Japão e China, entre outros.

A bordo do veleiro Kat, a família Schurman velejou do Brasil para o Oriente, em um ousado roteiro inspirado nas viagens de Zheng He, explorador chinês da Dinastia Ming. O relato delicado e sem rodeios, marca da escrita da matriarca Schurman, costuram histórias e os perrengues dessa viagem de 50 mil quilômetros, vencidos em 812 dias e por 29 países, em cinco continentes. A narrativa detalhista de Heloísa aborda não só os cenários vistos pelo caminho mas também as dificuldades, os sustos e os bastidores dessa viagem que exigiu da família cinco anos de planejamento.

Bônus: veja imagens dessa viagem na reportagem Família Shurmann refaz rotas marítimas da Dinastia Ming.

"A incrível viagem de Shackleton", de Alfred Lansing (Sextante) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"A incrível viagem de Shackleton", de Alfred Lansing (Sextante)

Por onde você vai "viajar": Antártica, Ilhas Sandwich do Sul, Geórgia do Sul e Ilhas Shetland do Sul

Em pouco mais de 300 páginas, o jornalista norte-americano Alfred Lansig prende a atenção do leitor com a história do irlandês Ernest Shackleton e a frustrada tentativa de cruzar a Antártica a pé, de ponta a ponta. Com início em 1914, a bordo do barco Endurance, a travessia terrestre sequer chegou a ter início, pois mudanças climatológicas congelaram o mar, a um dia da chegada ao Continente Branco, e o gelo começou a consumir a embarcação.

A obra relata com detalhes a desesperadora rotina da tripulação de 27 homens que levou dois anos para ser resgatada, vagando de ilha em ilha até conseguirem socorro na Geórgia do Sul. O feito é considerado "a última grande viagem da Era dos Descobrimentos" e Shackleton ficou conhecido por sua capacidade de liderança.

"O enigma do Coronel Fawcett - o verdadeiro Indiana Jones", de Hermes Leal (Ediouro) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"O enigma do Coronel Fawcett - o verdadeiro Indiana Jones", de Hermes Leal (Ediouro)

Por onde você vai "viajar": Cuiabá e parte da Amazônia brasileira

Nessa profunda pesquisa jornalística, Hermes Leal disseca a história de Percy Harrison Fawcett, um coronel britânico que desapareceu no Brasil, em 1925, em busca de uma suposta Cidade Perdida, no centro-oeste do país. Considerada a primeira biografia mundial a tratar do assunto, o livro conta a história de Fawcett, desde suas primeiras explorações no atual Sri Lanka até suas viagens pela América do Sul em busca do Eldorado.

Leal entrega ao leitor uma obra recheada de detalhes com fôlego para roteiro de cinema resultado de sua extensa pesquisa de mais de cinco anos em arquivos no Brasil, em Londres e em trilhas do Mato Grosso e Bahia.

"Viagem de um naturalista ao redor do mundo", de Charles Darwin (editora L&PM) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"Viagem de um naturalista ao redor do mundo", de Charles Darwin (editora L&PM)

Por onde você vai "viajar": ilhas isoladas do Atlântico (Cabo Verde e Canárias), Brasil (Fernando de Noronha, Bahia e Rio de Janeiro), Patagônia, Cordilheira dos Andes, Galápagos, Polinésia Francesa e Nova Zelândia.

Lançado em dois volumes, esse é o delicioso relato do jovem cientista que deu a volta ao mundo, há quase 200 anos, a bordo do barco a velas Beagle, cuja experiência renderia, anos depois, dados que dariam origem à Teoria da Evolução. Em forma de diário e com linguagem acessível para o público em geral, Darwin relata descobertas científicas e curiosidades de animais que encontrou pelo caminho como peixe-balão, ornitorrinco e até emprestou seu nome a uma espécie rara de avestruz da Patagônia, o nandu-de-darwin.

"O verde violentou o muro", de Ignácio Loyola de Brandão (Global Editora) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"O verde violentou o muro", de Ignácio Loyola de Brandão (Global Editora)

Por onde você vai "viajar": Berlim (Alemanha)

Nesse bem-humorado e crítico diário, Loyola descreve sua temporada em Berlim, entre 1982 e 1983. Embora parte daquela cidade então dividida por um muro já não exista mais, o livro é quase um pequeno guia que passeia não só por endereços turísticos, como o Portão de Brandemburgo e o rio Spree, mas também pelas experiências vividas pelo autor.

Da conversa com uma prostituta a descobertas pessoais ("cerveja gelada é coisa só de brasileiro"), Loyola conduz o leitor com capítulos rápidos, assim como a sua mente escritora, entrelaçados com memórias da infância em Araraquara, sua cidade natal.

"Poemas dos becos de Goiás", de Cora Coralina (Global Editora) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"Poemas dos becos de Goiás", de Cora Coralina (Global Editora)

Por onde você vai "viajar": Cidade de Goiás (Goiás Velho)

É tarefa difícil (e quase injusta) selecionar apenas um livro dessa poetista goiana que publicou seu primeiro livro aos 76 anos. Nessa obra, Cora faz uma emocionante homenagem aos becos de sua Cidade de Goiás, destino histórico, a 140 quilômetros de Goiânia, que guarda vias estreitas e ainda de pedras, como o beco da escola em que estudou na infância e o da Vila Rica, nos fundos da famosa Casa Velha da Ponte, onde nasceu e morreu.

Aninha, como era chamada (seu nome de batismo era Anna Lins dos Guimarães Peixoto), revela suas lembranças de infância e juventude, nos becos de "paisagem triste, ausente e suja" (?) "românticos, pecaminosos".

"O enigma do Coronel Fawcett - o verdadeiro Indiana Jones", de Hermes Leal (Ediouro) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"Não conta lá em casa" (apenas e-book), de André Fran (Ed. Record)

Por onde você vai "viajar": Afeganistão, Irã, Iraque, Indonésia, Coreia do Norte, Mianmar, entre outros.

O jornalista André Fran, um dos integrantes da série televisiva que dá nome ao livro, faz um relato pessoal das experiências em destinos pouco convencionais que visitou para as oito temporadas no canal Multishow. Seu texto dinâmico, que segue o mesmo ritmo do programa, aborda não só aspectos políticos e econômicos de cada país visitado mas também suas impressões pessoais como a hospitalidade dos iranianos, tudo sempre anotado em guardanapos e em notas no celular. Mas Fran vai além do registro jornalístico e convida o leitor para momentos de relaxamento, como o capítulo "Manual do Nerd na Estrada", algo como um guia de sobrevivência para viciados em tecnologia.

"Aventuras de um gourmet em Paris", de Jean-Claude Ribaut (L&PM) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"Aventuras de um gourmet em Paris", de Jean-Claude Ribaut (L&PM)

Por onde você vai "viajar": restaurantes de Paris

"O restaurante é um bom pretexto para descobrir outras cidades dentro da cidade". Essa é uma das ideias que Jean-Claude Ribaut defende ao escrever sobre o hábito de se sentar para comer em uma das cidades mais gourmet do planeta (assim como lembra o próprio autor, o conceito de restaurante é uma "invenção parisiense da segunda metade do século XVIII").

Jornalista e crítico enograstronômico do Le Monde por quase duas décadas, Ribaut faz uma espécie de cardápio em forma de guia, passando por temas como cultura, história e literatura. Da descoberta apaixonada pela gastronomia, nos tempos de universidade, ao convite para assumir uma coluna gastronômica no principal jornal da França, Ribaut aborda curiosidades da capital francesa como "o primeiro estabelecimento que mereceu o nome de restaurante" e a inovadora cozinha molecular.

Persépolis  - Amazon - Amazon
Imagem: Amazon
"Persepólis", de Marjane Satrapi (Cia das Letras)

Por onde você vai "viajar": Irã e Áustria

Essa autobiografia em quadrinhos é uma viagem pelo país de origem da autora, desde os tempos de liberdade até o momento da Revolução Islâmica que tornou o Irã um lugar de opressão. Questionadora e com muito bom humor, Marjane conduz sua biografia em capítulos que abordam etapas de sua vida.

A autora começa o livro com o momento em que o véu passou a ser obrigatório no país, em 1980, e segue relembrando momentos como as discussões politizadas em casa, a expulsão da escola por ter agredido uma diretora e a inesperada viagem para a capital austríaca, onde fez amigos, descobriu amores (e decepções) e "passava os fins de semana chapada".

"Homem-pássaro", de Caco Galhardo (Ed. Peirópolis) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
"Homem-pássaro", de Caco Galhardo (Ed. Peirópolis)

Por onde você vai "viajar": Chapada Diamantina e Rio de Janeiro

Criador de personagens como Os Pescoçudos e Lili, a Ex, o autor dosa humor e romance para contar a história de João Neto, um jovem fissurado por ornitologia que nunca teve contato com a civilização e mora nos confins da Chapada Diamantina. Quando seu pai morre, João se muda para o Rio de Janeiro e se apaixona por uma rainha de bateria, uma feminista ferrenha que o rejeita, até que descobre que ele e suas técnicas de ornitologia podem ajudá-la em um plano de vingança.

Cartunista na Folha de S.Paulo, Galhardo adaptou essa história para os quadrinhos, depois que a ideia original de fazer um longa foi engavetada. A obra é a primeira narrativa longa em quadrinhos de Galhardo.

Para ir além

Você não vai estar sozinho. Para as próximas semanas, editoras estão organizando eventos e ações virtuais que devem aproximar escritores e leitores.

Desde a última segunda-feira (23 de março), o Grupo Editorial Record promove a Quarentena Literária, uma espécie de clube do livro na internet, com bate papos conduzidos por escritores e críticos literários. A programação de março, segue durante a semana, em diferentes horários, liderada por figuras como o poeta Fabrício Carpinejar e a psicanalista Regina Navarro Lins. As inscrições gratuitas devem ser feitas pelo site: www.quarentenaliteraria.com

Já a Companhia das Letras propõe a série Leia em casa, em que internautas cadastrados recebem por e-mail reflexões e indicações de livros, de acordo com a curadoria de seus editores. A editora disponibiliza trechos de suas obras em arquivos PDF no site. Já a editora gaúcha L&PM também entrou na rede de solidariedade e libera um título por dia para leitura no Kindle, até 31 de março. Na rede, a lista de sites para download gratuito é imensa e conta com opções em áreas como dramaturgia, no site da Imprensa Oficial e documentos raros e livros na Biblioteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional.

O site Domínio Público disponibiliza também centenas de obras como vídeos, áudios e clássicos da literatura mundial, como "A Divina Comédia" de Dante Alighieri que, até o dia do fechamento dessa matéria, contabilizava quase 1,5 milhão de acessos.

Para quem lê em inglês, a Biblioteca Pública de Nova Iorque está disponibilizando mais de 300 mil títulos em e-books e audio books, de infantis a best sellers.

Mas o escritor Marcelino Freire faz um apelo para que sejam lembrados também os escritores independentes e pequenas editoras, que já sofrem com os cancelamentos de cursos e eventos patrocinados. "Tudo isso interfere na geografia da vida", diz. Marcelino recomenda, por exemplo, o mineiro Bruno Ribeiro que, até o próximo dia 25 (quarta-feira), disponibilizará no site da Amazon ou por e-mail (brunorrsantos@live.com), gratuitamente, seus romances "Glitter" e "Bartolomeu" em versões ebook.