PUBLICIDADE
Topo

O chef João Diamante indica seu roteiro gastronômico pela periferia carioca

João Diamante, chef e empreendedor social que transforma a cena gastronômica do Rio - Divulgação
João Diamante, chef e empreendedor social que transforma a cena gastronômica do Rio
Imagem: Divulgação

Pedro Fonseca

De Nossa

05/03/2020 04h00

João Diamante nasceu na Bahia, mas foi criado no bairro da Divinéia, no Complexo do Andaraí, no Rio de Janeiro, onde aprendeu desde cedo sobre a vida de cozinheiro. Aos 7 anos, já assava pães às escondidas em uma padaria perto de casa.

Foi na Marinha que conheceu uma cozinha industrial pela primeira vez e se apaixonou pelo ofício com as panelas. Durante a faculdade de Nutrição, foi selecionado entre estudantes de todo o Brasil para atravessar o Atlântico em um estágio no Le Junes Verne, o restaurante da Torre Eiffel, em Paris, na França.

Mesmo sem dominar o idioma, seu trabalho chamou atenção do lendário chef Alain Ducasse, mas João sempre quis seguir seu sonho no Brasil. Recusou uma proposta de estágio feita pessoalmente pelo chef e, naquele instante, decidiu criar o projeto social Diamantes na Cozinha, no bairro do Méier, no Rio.

João Diamante decidiu abrir mão de uma oportunidade na França para apostar na gastronomia brasileira - Facebook/diamantesnacozinha - Facebook/diamantesnacozinha
João Diamante decidiu abrir mão de uma oportunidade na França para apostar na gastronomia brasileira
Imagem: Facebook/diamantesnacozinha

Enquanto a iniciativa pegava corpo, ele trabalhava como chef executivo do Fazenda Culinária, o restaurante do Museu do Amanhã. Nesse período, foi reconhecido como "Chef Revelação" pelo Prêmio Infood de Gastronomia, em 2017.

Mesmo perto de mesas estreladas, nunca esqueceu suas origens e a autêntica culinária de "raiz", como demonstra no roteiro gastronômico nada tradicional pela periferia carioca que selecionou especialmente para Nossa cozinha. Confira (e siga!) as indicações de João Diamante:

Refeição com vista

Como roteiro fora da rota tradicional, minha primeira sugestão é o Mirante da Floresta, um ponto turístico gastronômico com visão da zona norte do Rio, bem no limite legal da Floresta da Tijuca e a entrada da Favela da Coreia.

Vista aérea do restaurante Mirante da Floresta, na zona norte do Rio - Instagram/mirantedafloresta - Instagram/mirantedafloresta
Vista aérea do restaurante Mirante da Floresta, na zona norte do Rio
Imagem: Instagram/mirantedafloresta

Ele é resultado de muito trabalho e investimento para realização do sonho de um casal, Ivan e Rodrigo, que vivem juntos há 15 anos. O Mirante gera trabalho e renda para algumas famílias da comunidade e realiza oficinas de dança e sobre o meio ambiente para crianças.

Sabor de cultura

Marcelo Paz comanda a Padaria Caliel no morro do Salgueiro - Divulgação - Divulgação
Marcelo Paz comanda a Padaria Caliel no morro do Salgueiro
Imagem: Divulgação

Minha próxima indicação é a Padaria Caliel, comandada por Marcelo Paz, que faz sucesso no morro do Salgueiro, na Tijuca, pela tradição familiar e o carinho com a história da comunidade.

O espaço serve como restaurante e espaço cultural, o que lhes garantiu ser o único estabelecimento no Rio de Janeiro a receber a Medalha Tiradentes, honraria concedida pelo Governo e destinada a premiar pessoas que prestaram relevantes serviços à causa pública.

Culinária afetiva

Se você quiser uma experiência de comida "raiz", então vá ao Caldo da Nêga, comandado pela Bárbara dos Santos. Suas sopas e quitutes resgatam a memória afetiva e a valorização da verdadeira comida popular brasileira, simples, com muito amor, perfume e carregada de afeto.

Bárbara dos Santos, criadora do restaurante Caldo da Nêga - Instagram/caldodanega.oficial - Instagram/caldodanega.oficial
Bárbara dos Santos, criadora do restaurante Caldo da Nêga
Imagem: Instagram/caldodanega.oficial

Inspiração sertaneja

Já na Praça da Bandeira, na zona norte do Rio, você encontra o Bar Kalango, que resgata receitas do sertão e pratos que marcaram a infância de Emerson Pedrosa, nascido em São Paulo e criado em Fortaleza. O dono do bar trabalhou por quatro anos com a chef Roberta Sudbrack, como souschef.

Copa de lombo com cuscuz do Bar Kalango - Instagram/barkalango - Instagram/barkalango
Copa de lombo com cuscuz do Bar Kalango
Imagem: Instagram/barkalango

Raízes negras

Não podia faltar nas minhas sugestões um restaurante ligado às raízes africanas. O Dida Bar, que também fica na Praça da Bandeira, tem uma estrutura física convidativa para eventos musicais, além de ser um lugar onde as pessoas podem ficar na rua apreciando o som que vem de dentro do ambiente.

O destaque da cozinha é o caril de camarão, prato de origem moçambicana e servido dentro do abacaxi. O local é conhecido por ser um reduto da comunidade negra do Rio, recebendo artistas, personalidades, políticos, estudiosos e apreciadores da gastronomia, música e cultura negra.

Dida oferece comidas com um quê nordestino africana - Instagram/didabar.erestaurante - Instagram/didabar.erestaurante
Dida oferece comidas com um quê nordestino africana
Imagem: Instagram/didabar.erestaurante

África à mesa

Por fim, no bairro do Grajaú, sugiro o Restaurante Afro Gourmet, dedicado à culinária de países africanos. A chef Dandara Batista vem se dedicando à pesquisa dessa cozinha, ainda pouco divulgada no país.

Afro Baiano Arroz de Hauçá, que leva arroz de leite de com carne seca refogada e molho de camarão - Instagram/restauranteafrogourmet - Instagram/restauranteafrogourmet
Afro Baiano Arroz de Hauçá, que leva arroz de leite de com carne seca refogada e molho de camarão
Imagem: Instagram/restauranteafrogourmet

Entre os pratos principais estão o mufete de angola (xerelete assado, com feijão manteiga refogado no dendê, vinagrete de pepino e banana da terra assada), a cachupa cabo verdiana (refogado de feijões carioquinha, fradinho, mungunzá e carnes de porco) e o afro baiano arroz de hauçá (arroz de leite de com carne seca refogada e molho de camarão).

É clichê, mas eu amo

Olympe

Comandado por Thomas Troisgros, detentor de uma estrela no Guia Michelin, o restaurante já foi eleito entre os "50 Melhores Restaurantes da América Latina" e traz a integração da culinária francesa com influências brasileiras.

Lasai

O restaurante é o único representante carioca na lista britânica de cinquenta melhores restaurantes do mundo. O chef Rafael Costa e Silva aposta na culinária contemporânea do País Basco com ingredientes locais.