PUBLICIDADE
Topo

Vida no campo atrai cada vez mais japoneses

Atitude de sair dos apartamentos das grandes cidades foi motivada pelo coronavírus - Getty Images
Atitude de sair dos apartamentos das grandes cidades foi motivada pelo coronavírus Imagem: Getty Images

Julian Ryall

Da DW

25/06/2020 15h17

A pandemia reforça um desejo de muitos no Japão: sair do ritmo acelerado das metrópoles e viver um idílio rural. Comunidades oferecem incentivos para atrair moradores e combater o êxodo de sua população jovem. À medida que se aproxima da aposentadoria após uma carreira acadêmica, Jun Okumura deu-se conta de que deseja algo diferente, nesse estágio da vida. Residente de Tóquio há décadas, ele quer trocar o asfalto pela sensação da areia entre os dedos dos pés, e os arranha-céus pelos bosques de bambu, com colinas verdes ao fundo.

"Eu estava pensando em escapar para uma das ilhas ao sul de Tóquio, e me alojar num hotelzinho especializado em hóspedes estrangeiros. Seria ótimo estar longe da cidade. Nas ilhas tem surf e mergulhos incríveis, uma maratona todos os anos, e elas são um lugar bonito. Mas Tóquio está a menos de uma hora de aerobarco."

Okumura é um dos muitos moradores urbanos do Japão que estão considerando trocar o ritmo frenético da cidade por algo mais relaxado, uma perspectiva encorajada pela atual pandemia de covid-19. Muitos que ficaram engaiolados em seus pequenos apartamentos durante semanas sem fim desejam cada vez mais o pleno ar livre, principalmente se o empregador adotou o trabalho remoto.

Um estudo anual entre 10 mil habitantes da capital japonesa e de três municipalidades vizinhas revelou que 48,9% querem viver no campo, no futuro. A consulta foi conduzida em fevereiro, quando o coronavírus estava começando a tomar conta da nação. Apenas dois anos antes, o número dos que tinham essa intenção era 23%.

Mesmo antes da onda de covid-19, o governo nacional estava traçando planos para encorajar os cidadãos a trocarem a cidade pelo campo, invertendo a tendência de décadas entre os jovens em busca de emprego. Em 2018, ele anunciou um esquema em que residentes de Tóquio poderiam receber 3 milhões de ienes (cerca de 25 mil euros) se deixassem a metrópole congestionada para viver em outros lugares.

Quase 9,3 milhões vivem aglomerados nos 23 bairros do centro da capital, uma área de 619 quilômetros quadrados, enquanto os 2.188 quilômetros quadrados da grande Tóquio abrigam mais de 36 milhões de habitantes.

E esse número continua a crescer, embora a população do Japão esteja em declínio desde 2010, quando atingiu o máximo de 127,32 milhões: jovens deixam as zonas rurais em busca de melhores oportunidades de educação e emprego. A pressão já começa a se fazer sentir nos sistemas de transportes e serviços públicos, hospitais e outras infraestruturas.

Paralelamente, incontáveis lugarejos e cidades no campo só apresentam hoje moradores idosos, com as escolas fechando e terra arável incultiva, pois não sobrou população jovem para trabalhar nela. Indagados por que queriam trocar a cidade pelo campo, quase 55% mencionaram o "rico meio ambiente natural", enquanto 16% alegaram querer retornar às áreas originárias de suas famílias.

Incentivos à mudança

Campo  - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Algumas das comunidades que perderam suas gerações mais jovens para as luzes metropolitanas de Tóquio, Osaka e outras, estão agora procurando atrair novos residentes com incentivos atraentes
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Segundo Okomura, "o coronavírus certamente mudou as coisas". "Agora as pessoas querem uma melhor qualidade de vida, estar perto da praia ou das montanhas, ter mais espaço para se mover. E considerando o preço dos imóveis em Tóquio, se mudar faz ainda mais sentido", acrescenta.

"Um apartamento de segunda mão no campo, a apenas uma hora de Tóquio, vai custar só uns 40 mil dólares e, se os compradores puderem trabalhar de casa e só ir ao escritório uma vez por semana, se mudar é uma proposta muito viável."

Algumas das comunidades que perderam suas gerações mais jovens para as luzes metropolitanas de Tóquio, Osaka e outras, estão agora procurando atrair novos residentes com incentivos atraentes. A prefeitura da ilha de Kuroshima, a seis horas de barca da ilha de Kyushu, no sul, oferece subsídios mensais de 85 mil ienes (700 euros) por pessoa, além de custear a mudança e dar um bônus de 300 mil ienes (2.500 euros) ou uma vaca.

A cidade de Tsuwano, no sudoeste do país, também elaborou planos para revitalizar a comunidade com recém-chegados. Sua população atual é de 7.200, tendo apresentado uma redução de mais de 9% entre 2010 e 2015. No recenseamento quinquenal anterior, em 2010, a queda fora de 11,4%, a maior de todos os tempos.

Segundo o Departamento de Promoção da Vida local, são sobretudo mulheres jovens que abandonam o local, resultando em menos matrimônios na região e menos nascimentos, enquanto o envelhecimento da população se acelera, num círculo vicioso.

Para encorajar as mudanças, o site de Tsuwano divulga uma lista de propriedades disponíveis para aluguel já a partir de 30 mil ienes (250 euros), ou à venda por apenas 4 milhões de ienes (33 mil euros). Além disso, candidatos de menos de 40 anos são elegíveis para "incentivos" de 50 mil ienes (415 euros) para o cabeça da família e 25 mil ienes para cada outro membro.

O esquema mostrou algum impacto, pois o local na municipalidade de Shimane recebeu 1.148 novos moradores até dezembro de 2019. Infelizmente, ao mesmo tempo 1.374 outros deixaram a cidade. Ainda assim, a prefeitura aposta que o desejo de escapar da vida urbana para uma existência mais pacífica encorajará mais gente a se mudar para Tsuwano.