PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, perde 95% dos passageiros

Aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, está vazio por conta do coronavírus  - Getty Images
Aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, está vazio por conta do coronavírus Imagem: Getty Images

07/04/2020 12h14

Com redução de voos devido à covid-19, maior aeroporto da Alemanha recebeu apenas 66 mil passageiros entre 30 de março e 5 de abril. Administradora aproveita baixo movimento para reformar pista e fechar um dos terminais.

A pandemia do novo coronavírus atingiu em cheio o aeroporto de Frankfurt, que perdeu 95% dos passageiros. Segundo dados divulgados pela operadora Fraport nesta terça-feira (07/04), na semana de 30 de março a 5 de abril, o terminal recebeu apenas 66.151 passageiros, o equivalente a 5% do número registrado no mesmo período do ano anterior.

Já o volume de carga, em comparação com o mesmo período de 2019, diminuiu 25%, para 32.904 toneladas, embora o número aeronaves cargueiras tenha aumentado mais de 20%. Os voos extras, porém, não compensaram completamente o volume adicional que é habitualmente transportado por aeronaves de passageiros. Normalmente, cerca de metade da carga é levada nos porões de aviões de passageiros.

Com a queda de 85,1% do movimento de aeronaves, o aeroporto está usando apenas duas de suas quatro pistas de pouso e decolagem. A operadora aproveitou essa redução para trocar a superfície asfáltica da pista sul; e a pista noroeste está servindo de estacionamento para aviões da Lufthansa que estão parados devido à crise. Além disso, um dos dois terminais de passageiros foi fechado.

Em 2019, mais de 70 milhões de passageiros passaram pelo aeroporto de Frankfurt, o maior hub (centro de distribuição de voos) da Alemanha. A atual crise atingiu outros terminais alemães.

Em situação parecida com a de Frankfurt, o aeroporto de Munique - o segundo maior da Alemanha - anunciou a redução da jornada dos trabalhadores. A operadora Flughafen München GmbH disse que aumentou o subsídio para empregados que tiveram jornada e vencimentos reduzidos em até 90% do salário líquido.