PUBLICIDADE
Topo

Indiano que vendeu cabra por passagem enfim volta para casa

Aeronave da companhia aérea IndiGo - Getty Images
Aeronave da companhia aérea IndiGo Imagem: Getty Images

Anurag Kotoky

Da Bloomberg

27/05/2020 13h40

A IndiGo, a maior companhia aérea da Índia, concordou em ajudar um trabalhador migrante e duas outras pessoas a voltarem para casa depois que um voo anterior saindo de Mumbai, que ele pagou com a venda de gado da família, foi cancelado.

Os trabalhadores, do leste do estado de Bengala Ocidental, não obtêm renda desde o final de março, quando o primeiro-ministro Narendra Modi impôs abruptamente um lockdown nacional para conter a disseminação do coronavírus, de acordo com relatório no jornal Times of India. Eles conseguiram arrecadar 30.600 rúpias (US$ 405) para as passagens aéreas, para saber depois que o voo foi cancelado e que não haveria reembolso, segundo o jornal. A família de pelo menos um deles levantou o dinheiro vendendo três cabras, disse o jornal.

O voo foi cancelado quando o governo do estado de Bengala Ocidental impôs restrições aos serviços das companhias aéreas, disse o ministro da aviação civil Hardeep Singh Puri em post no Twitter. A IndiGo, operada pela InterGlobe Aviation, disse que agora reservou assentos para os trabalhadores para 1º de junho sem nenhum custo extra.

O incidente destaca as consequências das medidas de isolamento. O bloqueio deixou milhões de trabalhadores migrantes sem acesso a meios de subsistência, forçando alguns a caminhar centenas de quilômetros para voltar às suas aldeias, já que todos os modos de transporte foram suspensos.

No início deste mês, um trem de carga atropelou mais de uma dúzia de trabalhadores que voltavam para casa a pé quando pararam para descansar ao longo da ferrovia, assumindo que não havia serviços.

O vôo cancelado também mostra falta de coordenação entre as administrações locais e o governo federal. As companhias aéreas ao redor do mundo não estão reembolsando passageiros em dinheiro em caso de cancelamento de voo devido a ordens do governo relacionadas ao surto, oferecendo no lugar crédito para uso em voos futuros.