PUBLICIDADE
Topo

Carnaval de Veneza não terá eventos de massa em 2022

Foliões fantasiados tradicionalmente ganhavam as ruas durante o Carnaval de Veneza - Cheng Tingting/Xinhua
Foliões fantasiados tradicionalmente ganhavam as ruas durante o Carnaval de Veneza Imagem: Cheng Tingting/Xinhua

da ANSA, em Veneza

20/01/2022 10h56

A Prefeitura de Veneza anunciou nesta quarta-feira (19) que a cidade não terá festas de massa durante o Carnaval por causa da pandemia de covid-19.

A programação exata ainda não foi divulgada, mas a gestão municipal já excluiu a hipótese de realizar eventos de grande concentração popular, como o tradicional Voo do Anjo, quando a musa do Carnaval anterior sobrevoa a Praça San Marco pendurada em uma corda.

"Certamente não será um Carnaval de massa, não teremos o Voo do Anjo, e haverá muitos controles", disse o secretário de Turismo de Veneza, Simone Venturini. Segundo ele, os festejos serão uma mistura entre pequenos eventos locais e outros online.

Famoso por promover praticamente um baile de máscaras a céu aberto, o Carnaval de Veneza tem origem na tradição da nobreza que se disfarçava para se divertir e se misturar com o povo. Daí a importância das máscaras e os trajes tão refinados e elaborados que os foliões italianos utilizam. Um dos eventos mais marcantes do Carnaval é o "Voo do Anjo", em que uma artista sobrevoa a praça de São Marcos a partir da Torre do Relógio - Luigi Costantini/AP/Gabriel Bouys/AFP - Luigi Costantini/AP/Gabriel Bouys/AFP
Um dos eventos mais marcantes do Carnaval é o "Voo do Anjo", em que uma artista sobrevoa a praça de São Marcos a partir da Torre do Relógio
Imagem: Luigi Costantini/AP/Gabriel Bouys/AFP

O Carnaval de 2021 já foi realizado de forma inteiramente virtual, enquanto o de 2020 coincidiu em sua reta final com o surgimento dos primeiros casos de transmissão interna do novo coronavírus na Itália.

Atualmente, eventos de massa estão proibidos no país por causa da disseminação da variante ômicron, que provocou uma onda de contágios sem precedentes.

No entanto, como quase 80% da população já concluiu o primeiro ciclo de vacinação e 47% tomou a dose de reforço, as internações e mortes não cresceram no mesmo ritmo e estão longe dos picos vistos no fim de 2020.