PUBLICIDADE
Topo

Itália proíbe viagens entre regiões a partir de 21 de dezembro

Donato Fasano/Getty Images
Imagem: Donato Fasano/Getty Images

04/12/2020 09h27

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou nesta quinta-feira (3) um novo decreto com medidas restritivas contra a pandemia do coronavírus Sars-CoV-2, incluindo a proibição de deslocamentos interregionais entre 21 de dezembro e 6 de janeiro de 2021, a não ser por comprovadas exigências de trabalho, situações de urgência ou motivos de saúde.

Durante coletiva de imprensa, o premiê italiano explicou que as autoridades também irão barrar todas as pessoas que viajarem para suas segundas residências, durante este período, na tentativa de evitar um repique dos casos nas festas de fim de ano.

"Evitamos um bloqueio generalizado, mas agora, perto do Natal, não devemos baixar a guarda para evitar o aumento das infecções", afirmou.

Entre as medidas também estão proibidos os deslocamentos intermunicipais, inclusive dentro da mesma região, nos dias 25 e 26 de dezembro e 1º de janeiro.

Os hotéis continuam abertos, mas no dia 31 de dezembro não será permitida a realização de festas nem jantares. Os restaurantes dos locais terão que ser fechados às 18h (horário local) e, depois, só poderão servir refeições no quarto.

Além disso, entre 4 de dezembro e 6 de janeiro, as lojas do país encerrarão as atividades às 21h, com exceção nas áreas vermelhas. Nas zonas amarelas, por sua vez, bares, restaurantes e pizzarias ficarão abertos para o almoço, até mesmo nas datas comemorativas.

Shoppings permanecerão fechados nos fins de semana e feriados, e estações de esqui serão reabertas somente no dia 7 de janeiro, assim como escolas de ensino médio, que ainda terão de manter o ensino a distância em 50% do conteúdo didático. Viagens de navios de cruzeiro serão suspensas de 21 de dezembro a 6 de janeiro.

Já os italianos que forem para o exterior a turismo de 21 de dezembro até 6 de janeiro terão de ser submetidos a uma quarentena quando retornarem, assim como os estrangeiros que visitarem a Itália.

Conte ainda fez um apelo e recomendou que todos os cidadãos evitem aglomerações e festas de Natal e Ano Novo. "Em um sistema livre e democrático não podemos entrar nas casas dos cidadãos com restrições rígidas, mas apenas uma recomendação forte: não receba em casa não habitantes, especialmente nessas ocasiões", alertou. "Cuidado é essencial para proteger nossos entes queridos, especialmente os idosos".

Por fim, o premiê italiano informou que o índice de transmissão (Rt) registrou uma queda para 0,91, e o país teve uma diminuição do acesso aos serviços de urgência. Desta forma, todas as regiões serão classificadas como "zona amarela" dentro de duas semanas, ou seja, entrarão em vigor apenas regras de âmbito nacional, como toque de recolher noturno e fechamento de museus e cinemas.

Apesar das restrições, o italiano ressaltou que o "caminho para sair da pandemia ainda é longo" e é preciso "evitar uma terceira onda que pode chegar já em janeiro e não ser menos violenta que a primeira".

As medidas são anunciadas no dia em que a Itália registrou mais 993 mortes causadas pela Covid-19, maior número para um único dia desde o início da pandemia. Ao todo, o país contabilizada 58.038 óbitos e 1.664.829 casos confirmados da doença desde março.