PUBLICIDADE
Topo

Pietrasanta: conheça a cidade italiana com mais galerias por metro quadrado

Praça do mercado de Pietrasanta e catedral em Pietrasanta, Toscana, Itália - Sir Francis Canker Photography/Getty Images
Praça do mercado de Pietrasanta e catedral em Pietrasanta, Toscana, Itália Imagem: Sir Francis Canker Photography/Getty Images

28/10/2020 16h36

A pequena cidade de Pietrasanta, localizada na região da Toscana, possui um recorde para encantar qualquer amante das artes: é a comuna que possui o centro histórico com a maior quantidade de galerias de arte por metro quadrado da Itália, talvez do mundo.

São cerca de 40 galerias, uma a cada 40 metros, em seus cerca de 1.600 metros (lineares) em quatro ruas principais e a praça do Domo. O estudo feito pela Prefeitura local em parceria com as galerias, lembra que o pequeno centro histórico foi criado no século 13, sempre tendo a arte em seu DNA.

Com seus pouco mais de 24 mil habitantes, a localidade vem atraindo, ano a ano, cada vez mais galerias. Em 2015, por exemplo, eram 32 as estruturas do tipo.

"Em cinco anos, o setor continuou a evoluir e crescer graças à exuberância cultural de uma cidade que deve a sua fama histórica à presença dos mais habilidosos artesãos, com quase 50 laboratórios artísticos para o processamento de mármore e bronze (outro recorde nacional), e à presença dos maiores artistas contemporâneos, como Fernando Botero, Jeff Koons, o falecido Igor Mitoraj, cujo museu está em construção em Pietrasanta, Kan Yaduda e tantos outros que aqui continuam a realizar as suas obras", informa em nota a Prefeitura.

Restaurantes iluminam a noite da cidade - Tim E White/Getty Images - Tim E White/Getty Images
Restaurantes iluminam a noite da cidade
Imagem: Tim E White/Getty Images

Além disso o prefeito Alberto Stefano Giovannetti destaca que o "museu a céu aberto" na cidade acabou se desenvolvendo de "maneira espontânea" e que, anualmente, são realizados cerca de 120 eventos culturais.

"O acesso aos museus municipais, quatro em algumas dezenas de metros, é gratuito e assim permite o acesso também às mostras de arte que continuamente rodam nos espaços públicos. Assim, o centro histórico é reflexo de todo o sistema da cidade e causa benefícios pela simbiose que foi criada com todos esses fatores", acrescenta Pietrasanta.

Por conta das obras de arte e de ter se tornado moradia de inúmeros artistas, a cidade de origem medieval é chamada de "Pequena Atenas". Além das galerias e dos museus, os trabalhos com mármore são vistos também em edifícios e nas igrejas da cidade, já que a exploração e o processamento da pedra tem origens muito antigas.