PUBLICIDADE
Topo

Curiosa e única: conheça a Itália dos recordes

Itália é rica em primazias geográficas, curiosas e únicas - Getty Images
Itália é rica em primazias geográficas, curiosas e únicas Imagem: Getty Images

Ida Bini

Da ANSA

01/06/2020 13h51

A cascata natural mais alta, a árvore mais antiga e um vulcão ainda ativo: a Itália é rica em primazias geográficas, curiosas e únicas. Se o rio Pó é o mais comprido do "Bel Paese", atravessando por 652km paisagens únicas e interessantes, a cascata natural mais alta do país é aquela de Stroppia, no Valle Maira, na província de Cuneo.

A água do derretimento das geleiras cai por um desnível de quase 500 metros do alto do Vallonasso de Stroppia, um vale glacial suspenso, até chegar ao riacho Maira. A cachoeira é pouco conhecida porque está localizada em uma grande altitude. Mais espetaculares e famosas são a "Cascata delle Marmore", na província de Terni, que tem uma queda de 165 metros, e aquelas do rio Serio, na província de Bergamo, que têm três saltos em desníveis de 315 metros.

Em Malcesine, na província de Verona, há ainda um dos rios mais curtos do mundo, o Aril, que com apenas 175 metros atravessa o bairro de Cassone e desemboca no Garda, o maior lago da Itália com seus 368 quilômetros quadrados.

Não muito longe das cachoeiras do Serio está a menor cidade da Itália: o Morterone. Localizada entre as montanhas da província de Lecco na divisa com a de Bergamo, aos pés do Rosegone, imersa entre verdes montanhas e bosques. Morterone é uma cidade autônoma, formada por uma igreja, uma cantina-bar e um punhado de casas que abrigam seus cerca de 30 habitantes. Em um território de 13,71 km2 , é o local ideal para respeitar o distanciamento físico nesses dias de emergência sanitária.

Morterone - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Morterone, na Itália
Imagem: Getty Images/iStockphoto

As montanhas da Itália, de fato, também têm seus recordes: abrigam três dos vulcões ativos da Europa. O Etna detém o título de mais ativo do continente europeu, mas o Stromboli e o Vesúvio também continuam em atividade.

Já o pico mais alto da Europa Ocidental é o Mont Blanc (Monte Bianco, em italiano), na fronteira franco-italiana, com os seus 4.810 metros de altura. Indo para o sul da Itália, em Sant'Alfio, na província de Catânia, está localizada a maior e mais antiga árvore da Europa: o Castanheiro dos Cem Cavalos, que tem 57 metros de circunferência e 22 metros de altura, e contabiliza mais de quatro mil anos. A história ao redor da árvore diz que uma rainha com 100 cavaleiros em seu cortejo foi surpreendida por um temporal durante uma caçada e encontrou abrigo lá.

A Itália também tem a árvore cientificamente comprovada mais antiga da Europa: um pinheiro Heldreich foi descoberto no Parque Nacional Pollino, entre a Calábria e a Basilicata, em 2018 e foi datado em 1.230 anos de idade. O país ainda abriga o mais antigo jardim botânico universitário do mundo, localizado em Pádua, que foi criado em 1545 com mais de seis mil tipos de plantas. A Itália ainda tem outro recorde curioso: é a única nação do mundo que tem em seu território dois países: a República de San Marino e o Estado do Vaticano. Este último, é conhecido também por ser o menor país do mundo, com apenas 0,44 km2.

Recordes Culturais

Monte dei Paschi di Siena - Getty Images - Getty Images
Monte dei Paschi di Siena
Imagem: Getty Images

Há ainda recordes culturais mundiais que atingem a história, a cultura, a sociedade e a arte: entre esses, o que causa mais felicidade nos italianos, é deter 55 locais considerados patrimônios da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o mesmo número da China.

Além dos patrimônios tutelados pela Unesco, a Itália abriga a universidade mais antiga do hemisfério ocidental ainda em funcionamento: a Universidade de Bolonha, que foi fundada em 1088. Há ainda a farmácia mais antiga da Europa.

Fundada em 1221 como oficina de perfumes e farmacêutica, a Officina Profumo - Farmaceutica de Santa Maria Novella, em Florença, abriu ao público em 1612 e continua recebendo clientes e turistas até hoje. No Vêneto, há a Biblioteca Capitolare de Verona, uma das mais antigas do mundo ainda em funcionamento, fundada em 517 d.C. e que recebe visitantes desde então.

Entre seus clientes famosos ao longo da história, estão nomes como Dante Alighieri, Francesco Petrarca e o filho do imperador Carlos Magno. O local abriga ainda o famoso "Indovinello Veronese", um enigma do século VIII, reconhecido como o mais antigo texto da língua românica e o primeiro documento em "italiano vulgar".

O território italiano ainda tem um recorde em questão financeira: na Toscana, foi criado o primeiro banco do mundo - o Monte dei Paschi di Siena. Entre os recordes, está também o primeiro festival de cinema da história: o Festival de Veneza foi inaugurado em 1932.

A Itália também possui o mais antigo bar de vinhos do mundo. Segundo o livro dos recordes Guinness, a primeira cantina que abriu ao público está em Ferrara. Aberta em 1435, ela chamava-se "Hostaria del Chiuchiolino" e era frequentada por nomes como Torquato Tasso, Tiziano, Niccolò Copernico e Ludovico Ariosto. Hoje é conhecida como "Enoteca al Brindisi".

Famosa por sua culinária, a Itália tem o maior reconhecimento de produtos Made in Italy nas três categorias europeias: Denominação de Origem Protegida (DOP), Indicação Geográfica Protegida (IGP) e Especialidade Tradicional Garantida (STG). Conhecidos pelo macarrão, é bom saber que o país tem 140 tipos diferentes de "pasta" sendo produzidas atualmente.

Entre as curiosidades do setor, em Vacone, na província de Rieti, há o menor restaurante do mundo, com apenas uma mesa: não podia ter outro nome a não ser "Solo per Due" (Só para dois, em tradução livre) e o local precisa ser reservado com muita antecedência também porque oferece uma vista panorâmica única, embelezados pelos restos de uma antiga vila romana que pertencia ao poeta Horácio (65 a.C - 8 a.C).

A Itália abriga o mapa mais antigo do mundo ocidental: em 2003, na Púglia, o arqueólogo belga Thierry van Compernolle descobre um fragmento de vaso de terracota preta com cerca de 2,5 mil anos que tinha gravados desenhos e nomes de cidades italianas escritos em língua grega e messapiana. Conhecido como o "Mapa di Soleto", ele mostra o "salto da bota" presente no mapa italiano.

A Itália ainda tem uma das cidades mais antigas do mundo. Matera, com as suas casas rupestres esculpidas em rochas de um desfiladeiro. A localidade tem entre oito e 10 mil anos. (ANSA)