PUBLICIDADE
Topo

Como água da neblina no Chile se transforma em cerveja com sabor único

A cerveja Atrapaniebla tem um processo de fabrico semelhante ao de outras bebidas feitas de forma artesanal - Reprodução
A cerveja Atrapaniebla tem um processo de fabrico semelhante ao de outras bebidas feitas de forma artesanal Imagem: Reprodução

02/07/2022 12h32

Captação de água através de um sistema de "coletor de neblina", fabricação de cerveja com base nele ou rega de árvores graças a outro sistema que reaproveita a água de escolas. No norte cada vez mais árido do Chile, cada gota de água é usada.

No alto da reserva ecológica Cerro Grande, na cidade de Ovalle, no norte do Chile, 16 painéis de nove metros quadrados cada capturam a neblina que cobre diariamente a área.

É um dos parques coletores de neblina mais produtivos da América Latina, capaz de coletar cerca de 540.000 litros de água por ano e que em mais de uma década de operação conseguiu transformar um território caracterizado pela aridez.

"Este é um oásis natural de neblina, como há muitos na costa chilena", explica à AFP Nicolás Schneider, fundador da Un Alto en el Desierto, fundação que executa e administra o projeto na Reserva Ecológica Cerro Grande de Ovalle.

A tecnologia foi projetada no Chile na década de 1960 através de um sistema muito simples: painéis de malha plástica, conhecida como "malha Rachel" e usada na agricultura, conseguem extrair a água condensada no nevoeiro, que cai por gravidade em tanques.

A água captada é usada principalmente para a regeneração e conservação ecológica do parque, onde são irrigadas cerca de 1.000 árvores nativas e endêmicas plantadas, como o quillay, o peumo ou o guayacán, que mudaram a cara do lugar.

Ocasionalmente, a água também é bebida por animais que vivem na área e, em situações de emergência hídrica, também abastece as casas da pequena cidade vizinha de Peña Blanca, para lavar roupas ou banheiros.

"Não é possível bebê-la diretamente, porque não passa por processo de purificação", explica Schneider. Mas um grupo de moradores de Peña Blanca, habitado por uma centena de pessoas, desenvolve um projeto para poder engarrafar e vendê-la após a purificação.

A origem da cerveja

Cerveja Atrapaniebla - Reprodução - Reprodução
Cerveja Atrapaniebla
Imagem: Reprodução

Com a água colhida, também é produzida uma cerveja, a única no Chile com essas características.

A cerveja Atrapaniebla tem um processo de fabrico semelhante ao de outras bebidas feitas de forma artesanal, embora a utilização deste tipo de água permita diferenciar-se no mercado, explica à AFP Miguel Carcuro, um dos seus proprietários.

"Com o uso de captadores de neblina conseguimos um produto que incorpora o clima e a geografia deste lugar", completa.

Com seus dois tipos de cervejas, uma clara e outra mais escura, no ano passado produziram 80 mil litros e atingiram vendas de US$ 186 mil.

Os quatro painéis de captura de neblina da cervejaria permitem fornecer entre 2.000 e 3.000 litros dessa água por semana, que é incorporada diretamente no processo de maceração.

"Alguns provadores disseram que têm pequenas notas salinas que não encontram em outras cervejas", acrescenta, sobre a origem marinha do nevoeiro que cobre a reserva ecológica.

Depois de mais de uma década, a seca é fortemente sentida em Ovalle, um vale agrícola onde já se vê o avanço do deserto do Atacama, o mais seco do mundo.

O fenômeno da desertificação afeta 21,7% do território chileno, o equivalente a cerca de 16,3 milhões de hectares e 6,8 milhões de pessoas.

Na Escola Politécnica de Ovalle, onde metade dos alunos vive em zonas rurais afetadas pela falta de água, foi concebido um sistema de reutilização de águas. Neste caso, a das pias dos banheiros utilizadas pelos alunos.

Após um processo de filtragem, a água é utilizada para irrigar 42 árvores que fazem sombra neste local, o que permite o reaproveitamento de 1.000 a 1.500 litros de água por semana.