PUBLICIDADE
Topo

Nova variante omicron se espalha e mundo isola o sul da África

Nas Américas, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Argentina e Guatemala foram os últimos a restringir viagens do sul do continente africano - AFP
Nas Américas, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Argentina e Guatemala foram os últimos a restringir viagens do sul do continente africano Imagem: AFP

27/11/2021 10h39

Brasil, Estados Unidos e outros países de todas as regiões do mundo anunciaram nesta sexta-feira (26) o fechamento de suas fronteiras para viajantes oriundos do sul da África, após a detecção de uma nova variante de covid-19 potencialmente mais contagiosa batizada de omicron.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que a cepa B.1.1.529 do coronavírus, chamada de omicron, é uma variante "preocupante", assim como a delta, atualmente dominante, e alfa, beta e gama, detectadas previamente.

A nova mutação, relatada pela primeira vez pela África do Sul em 24 de novembro, já foi identificada na Europa, com um caso confirmado nesta sexta-feira na Bélgica, após ter sido detectada na África do Sul, Botsuana, Hong Kong e Israel.

Das bolsas ao petróleo, os mercados mundiais tombaram com as notícias sobre a nova variante, em meio a temores de um grande golpe contra a recuperação econômica global.

O presidente americano, Joe Biden, disse que a nova variante deve encorajar o resto do mundo a doar mais vacinas para as nações mais pobres, observando que os Estados Unidos "já doaram mais vacinas para outros países do que todos os outros países combinados" e "é hora" de igualar à sua "generosidade".

"Esta pandemia não vai acabar até que tenhamos uma vacinação global", alertou Biden em um comunicado de Nantucket, onde passa o feriado de Ação de Graças.

Biden também pediu aos países que renunciassem às proteções de propriedade intelectual para permitir a fabricação de vacinas em todo o mundo.

"Reação de pânico"

A Bélgica anunciou nesta sexta-feira o primeiro caso conhecido publicamente de omicron na Europa: uma pessoa não vacinada que retornou em 11 de novembro do Egito via Turquia.

A OMS disse que pode levar várias semanas para determinar se a nova variante acarreta mudanças na transmissibilidade ou gravidade da covid-19, bem como na eficácia das vacinas, testes e tratamentos contra o vírus, e alertou contra a imposição de restrições de viagem enquanto as evidências científicas forem escassas.

Mas muitos países já anunciaram o fechamento de fronteiras para viajantes que chegam da África do Sul, Botsuana, Zimbábue, Namíbia, Lesoto, Eswatini, Moçambique e Malaui.

Nas Américas, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Argentina e Guatemala foram os últimos a restringir viagens do sul do continente africano.

A União Europeia (UE) também recomendou que as 27 nações do bloco evitem a entrada de viajantes dessa região do continente africano, apesar de muitos membros, como Áustria, República Tcheca, Alemanha, Itália e Holanda, já terem anunciado a suspensões de voos.

O primeiro país a se proteger foi o Reino Unido, e outros seguiram o exemplo, incluindo Rússia, Suíça, Arábia Saudita e Chipre. Além disso, Filipinas, Emirados Árabes Unidos, Jordânia e Marrocos anunciaram proibições.

O Japão disse que exigirá um período de quarentena de 10 dias para os viajantes do sul da África. A Austrália colocou em prática neste sábado uma proibição de voos para nove países africanos e um veto de passageiros não australianos que tenham estado recentemente na região.

A África do Sul chamou as proibições de "draconianas". "Esse tipo de reação é instintiva e de pânico", criticou o ministro da Saúde, Joe Phaahla.

É um duro golpe para o país, já que as medidas restritivas chegam pouco antes do verão austral, quando safáris e praias costumam atrair um bom número de visitantes.