PUBLICIDADE
Topo

Povo rapa nui vota sobre volta do turismo à Ilha de Páscoa após a pandemia

Estátuas rapa nui, na Ilha de Páscoa - GREGORY BOISSY / AFP
Estátuas rapa nui, na Ilha de Páscoa Imagem: GREGORY BOISSY / AFP

24/10/2021 10h31

A 3.700 km ao oeste da costa do Chile, no meio do Oceano Pacífico, o povo polinésio rapa nui vota neste domingo sobre a abertura ou não da Ilha de Páscoa ao turismo após mais de um ano e meio de isolamento pela pandemia.

O território insular do Chile não recebe turistas desde 16 de março de 2020, quando o país estabeleceu o estado de emergência e adotou restrições sanitárias ante a chegada do coronavírus. O país registra um balanço de mais de 1,6 milhão de casos e 36.000 mortes por covid-19.

No período, a ilha contabilizou apenas oito casos de covid-19 e não tem nenhum paciente desde setembro de 2020. Também não houve hospitalizações ou mortes durante a pandemia, de acordo com as autoridades locais.

Dependente da região de Valparaíso, a Ilha de Páscoa viveu os últimos meses em um isolamento quebrado apenas pelos aviões de abastecimento. Por este motivo, o povo originário rapa nui vota — em uma consulta não vinculante — sobre voltar a receber os turistas ou manter as condições atuais.

Mulher rapa nui em dança tradicional - REUTERS/Carlos Barria/File Photo - REUTERS/Carlos Barria/File Photo
Mulher rapa nui em dança tradicional
Imagem: REUTERS/Carlos Barria/File Photo

A decisão final, no entanto, será da autoridade de saúde regional de Valparaíso ou do ministério da Saúde, que não explicaram se pretendem levar o resultado da votação em consideração.

"A receita da ilha é a indústria turística da ilha. É a fonte que movimenta a economia", explica à AFP Salvador Atan, vice-presidente da comunidade Ma'u Henua, administradora do Parque Nacional Rapa Nui.

Atan lembra que a comunidade organiza duas assembleias por ano para prestar contas e agora deve se pronunciar sobre o turismo. Apenas as pessoas pertencentes ao povo rapa nui, que representam 60% de uma população de cerca de quase 10.000 habitantes, têm o direito de participar na consulta.

"Você quer a abertura da ilha em janeiro?": está é a pergunta da assembleia.

A comunidade tem dois dilemas, segundo Atan: a pequena capacidade do sistema de saúde para minimizar contágios com a chegada de turistas e a situação econômica de um território que depende exclusivamente desta receita para a sobrevivência.

A Ilha de Páscoa tem 73,1% da população vacinada contra o coronavírus, mas o centro médico de Hanga Roa — capital da ilha — não possui UTI, mas sim respiradores.

 Ahu Akivi Moais, as estátuas da Ilha de Páscoa - Martin BERNETTI / AFP - Martin BERNETTI / AFP
Ahu Akivi Moais, as estátuas da Ilha de Páscoa
Imagem: Martin BERNETTI / AFP

Além disso, apenas uma ambulância enviada há um mês do continente está equipada para tratar um paciente em risco de vida por covid-19.

"Até o fim do ano temos que fazer um passo a passo para acostumar novamente a comunidade ao uso da máscara, à vacinação do povo rapa nui e de todos que moram aqui, porque com isso vamos minimizar os efeitos da covid", declarou Atan.

Este líder da comunidade, assim como as autoridades locais, se mostra favorável à reabertura da ilha em janeiro para os turistas.