PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Espanha investiga suposta crueldade em laboratório de testes animais

Imagem na empresa Vivotecnia divulgada pela Cruelty Free International  - Reprodução Instagram/Carlota Saorsa/Cruelty Free Internacional
Imagem na empresa Vivotecnia divulgada pela Cruelty Free International Imagem: Reprodução Instagram/Carlota Saorsa/Cruelty Free Internacional

12/04/2021 16h17

O governo, a promotoria e a polícia iniciaram investigações contra um laboratório de testes em animais em Madri, após uma ONG divulgar imagens de tratamento cruel contra cães, ratos, porcos, coelhos e macacos.

"Ficamos consternados quando vimos as imagens. É um caso flagrante de abuso de animais", disse Sergio García Torres, chefe dos direitos dos animais do governo espanhol, nesta segunda-feira à AFP.

Os vídeos divulgados na semana passada pela Cruelty Free International foram gravados entre 2018 e 2020 por um ativista infiltrado nas instalações nos arredores de Madri, na empresa Vivotecnia, que realiza estudos de toxicidade e segurança para empresas de saúde, cosméticos, químicos e alimentos.

As imagens sangrentas mostram como os trabalhadores espancam os animais, sacodem-nos ou os submetem a testes e experimentos.

Em uma cena, um funcionário segura um macaco enquanto outro desenha um rosto com um marcador em seus órgãos genitais.

A AFP tentou sem sucesso entrar em contato com a empresa, cujo site e número de telefone não estão em funcionamento.

Em comunicado reproduzido pela imprensa espanhola, o diretor-executivo da empresa, Andrés König, mostrou "grande preocupação" com os vídeos, mas garantiu que eles não refletem "a realidade do dia-a-dia" do laboratório.

Após o estupor causado pelas imagens, o governo regional de Madri anunciou no domingo que havia suspendido as atividades da Vivotecnia após "realizar uma inspeção e encontrar sinais de maltrato a animais".

Há duas investigações iniciadas contra o laboratório, uma pela promotoria ambiental e outra pela Guarda Civil, informaram nesta segunda-feira os porta-vozes de ambas instituições à AFP.

Por sua vez, o partido a favor dos animais PACMA e outras entidades entraram na justiça com uma ação contra os responsáveis pela empresa e pediram à administração mais vigilância nos testes animais.

"É um mundo muito opaco e pode ser que isso aconteça regularmente sem que saibamos", ressaltou à AFP a presidente do PACMA, Laura Duarte.

Por parte do governo espanhol, Sergio García Torres propõe a colocação de câmeras de vigilância neste tipo de instalações, medida que o Executivo já quer tornar obrigatória nos frigoríficos.

As autoridades agora estão trabalhando para transferir os animais de laboratório para instalações adequadas, que estão sendo inspecionadas por veterinários nesta segunda-feira.