PUBLICIDADE
Topo

Sardenha, a ilha italiana onde o coronavírus circula

La Maddalena, na Sardenha - Getty Images
La Maddalena, na Sardenha Imagem: Getty Images

Da AFP

24/08/2020 16h07

A paradisíaca ilha italiana da Sardenha se tornou, neste verão, um caso nacional após registrar um ressurgimento de casos de coronavírus relacionados ao retorno das férias do famoso destino turístico no Mediterrâneo.

A Itália, que neste fim de semana ultrapassou a barreira simbólica de mil novos casos em 24 horas, agora lamenta que a ilha, considerada uma terra "livre de COVID-19" durante a primeira onda de coronavírus, esteja agora no banco dos réus.

No sábado, na região do Lácio, onde se encontra Roma, foi registado o maior número de casos novos (215) em 24 horas, dos quais 45% (97) estavam relacionados com o retorno da Sardenha.

No domingo, 35% dos casos na Lácio correspondiam a pessoas que vinham da ilha, destino muito procurado no verão por suas belas praias e casas noturnas.

O jornal Il Corriere della Sera denunciou no sábado o fenômeno "Sardenha": "Os contágios continuam entre os que voltam da ilha", dizia o título.

Preocupado com o desrespeito às regras de prevenção (uso de máscaras e distanciamento social) durante as férias de verão, o governo estabeleceu uma lista negra dos países mais visitados, incluindo Grécia, Espanha, Croácia. Aos provenientes desses lugares é exigido o teste nasal ao entrar na Itália.

No entanto, neste fim de semana foi revelado que, mais do que no exterior, novos casos se multiplicam dentro da Itália.

Na Sardenha, o número de novos casos dobrou no fim de semana: 44 no sábado e 81 no domingo, o pior número desde 28 de março (94).

Dos 81 casos, 56 são pessoas que estavam na famosa Costa Esmeralda. A situação preocupa as autoridades, que estimam que entre 250 mil e 280 mil veranistas devem retornar da ilha nos próximos dias, junto com o risco de exportar o vírus para toda a península.

- O verão na discoteca "The Billionnaire" -Contágios preocupam turistas, mas também habitantes, sendo que muitos trabalham na famosa Costa Esmeralda, símbolo do turismo de luxo entre Porto Cervo e Porto Rotondo, onde Silvio Berlusconi tem sua luxuosa Villa Certosa que já recebeu Tony Blair e Vladimir Putin.

A região, com suas belas praias, bares e restaurantes famosos, foi tomada por veranistas na temporada, até que o governo ordenou tardiamente seu fechamento no último final de semana.

"Havia muita gente mesmo, nas praias o distanciamento social não era respeitado, principalmente entre os jovens", disse à AFP Francesco Mazza, turista romano que desembarcou de uma balsa em Civitavecchia, 70 km ao norte de Roma.

Alertada por infecções na Sardenha, a região do Lácio instalou com urgência nos últimos dias alguns centros para testar turistas em risco de contágio. Eles serão submetidos ao teste dentro dos carros ao chegarem ao continente ou ao sair da ilha.

Dado o grande número de saídas em poucos dias, será difícil testar todos os turistas interessados.

Como a curva de contágio começou a subir em meados de agosto, o governo impôs o uso de máscaras em locais públicos lotados das 18h às 6h locais e fechou casas noturnas.

O verão na "The Billionaire", casa noturna frequentada por celebridades da Sardenha de propriedade de Flavio Briatore, ex-empresário da equipe Benetton F1 e ex-namorado das modelos Naomi Campbell e Heidi Klum, custou caro a muitos clientes.

Depois de férias na Sardenha, o treinador do time de futebol de Bolonha, Sinisa Mihajlovic, que está com leucemia desde o ano passado, testou positivo para COVID-19.

O treinador esteve no local, assim como o jogador de futebol Zlatan Ibrahimovic. A conhecida boate precisou ser fechada após registrar vários casos positivos entre seus funcionários.