PUBLICIDADE
Topo

Vinhos refrescantes são boa opção à cerveja gelada no verão

Do UOL, em São Paulo

19/02/2013 07h00

Se o verão é a ocasião ideal para o consumo de uma cerveja gelada, uma opção diferente, mas igualmente refrescante quando o evento é um jantar com amigos e a ideia é optar por um ou mais vinhos de verão - brancos, rosés ou até tintos, para brindar. A dica é servi-los na temperatura da sua cerveja geladinha.

Como o Brasil é um país tropical, de temperaturas altas, vale escolher vinhos que sejam bem frescos. Vinhos brancos, por natureza, têm acidez alta, ou seja, têm essa característica bem marcante. Vinhos rosés são versáteis, considerados elegantes. E há vinhos tintos, de uvas específicas, que também são boa pedida mesmo na estação quente. "O vinho tinto contém tanino, que é responsável pela adstringência, aquela sensação de secura na boca", explica Khátia Martins, sommelier da Wine. "Quanto mais encorpado, menos agradável ele será no calor."

  • Para servir vinhos, o ideal é usar uma taça de haste comprida, para o calor da mão não atingir a bebida

Para atingir a temperatura ideal de servir - entre 8ºC e 10ºC, em média - as garrafas devem ser colocadas na geladeira cerca de duas horas antes. "E um balde de gelo com água é uma maneira prática para gelar e manter a temperatura durante o tempo de serviço", indica o sommelier do restaurante Salvattore, Sergio Jr.

Se o planejamento não for possível, o jeito é levar o vinho ao congelador por dez minutos antes de servir, e depois manter a temperatura baixa com um balde de gelo e água. O cuidado aqui é não deixar a garrafa por tempo demais sob baixa temperatura, o que pode prejudicar sua degustação.

Cuidado para não esfriar demais

"Um erro muito comum no Brasil é gelar demais vinhos brancos e rosés. O excesso de gelo anestesia a boca e acaba escondendo os aromas e sabores, prejudicando o prazer de desfrutá-lo", ensina o sommelier Marcelo Lopes Marcelino, da Casa Santa Luzia.

A exceção, claro, é o vinho tinto, que deve ser servido "friozinho", mas nunca gelado. "Como a nossa temperatura ambiente é alta normalmente, resfriar a garrafa rapidamente é o suficiente. Quanto mais gelado, o tanino começa a ficar amargo, o que vai alterar o gosto do vinho. Além disso, a baixa temperatura impede o desprendimento de aromas", explica Khátia Martins. 

O único vinho tinto que deve ser servido gelado é o Beaujolais, um tipo de vinho francês que recebe o nome da região em que é produzido, e que deve ser consumido jovem. É um tipo mais suave, frutado e com pouco tanino. 

Há muitas opções de vinhos brancos frescos, como os feitos com a uva Alvarinho, de Espanha e Portugal, diversos com Sauvignon Blanc europeus, chilenos, brasileiros e argentinos. Os rosés mais famosos são os franceses, como os da região de Provence, considerados finos e com acidez equilibrada.

Escolha o tipo de taça ideal

  • Para espumantes, o recomendado é usar a taça flute. O bocal menor impede que o perlage se disperse

A taça ideal para um vinho gelado é a chamada taça Bordeaux, com bojo amplo e haste comprida, mas uma taça com haste longa é o suficiente para que o calor das mãos não atinja o líquido. Vale lembrar que a maneira correta de segurar uma taça é sempre pela haste ou pela base, nunca pelo bojo. Já se a pedida for um espumante, o serviço pede a taça flûte, com formato mais alongado e bocal mais estreito, o que dificulta a dispersão do perlage, as borbulhas. Taças com bojo bem amplo, apesar de elegantes, são contraindicadas por sommeliers justamente por seu formato pouco prático, facilitando a dispersão do gás. Se for servir seus convidados, a etiqueta pede taça cheia a menos da metade.

Se o plano for harmonizar diferentes tipos de vinho, os especilistas sugerem iniciar a noite com espumante e vinho branco, seguir para rosés e, enfim, servir o tinto. Vinhos brancos de diversas marcas, desde os com acidez maior, brut, podem ser combinados em um evento ou, pela praticidade de optar por apenas um tipo de taça, o happy hour pode ser regado somente com espumantes.

Na hora de escolher entre rótulos brut ou demi-sec (semi secos), o melhor é atender ao gosto dos convidados. "É uma questão muito pessoal falar em servir apenas brut. Quem gosta de vinho semi sec só costuma tomar esse tipo, não topa outro", lembra a sommelier Khátia Martins.

Para encerrar a ocasião, um vinho doce pode harmonizar bem com a sobremesa ou fazer o papel dela. "Uma boa opção são vinhos do tipo 'late harvest' (colheita tardia). Pode combinar com tortas doces, doces à base de doce de leite e frutas", diz Khátia. A exceção é o chocolate, que vai bem preferencialmente com vinho do porto.