PUBLICIDADE
Topo

Terra à vista!

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Aeroporto do país menos visitado do mundo vira área de lazer dos locais

Praia da ilha de Tuvalu - Getty Images/iStockphoto
Praia da ilha de Tuvalu Imagem: Getty Images/iStockphoto
Conteúdo exclusivo para assinantes
Felipe van Deursen

Felipe van Deursen é jornalista de história. Autor do livro 3 Mil Anos de Guerra (Ed. Abril), foi editor da Superinteressante e da Mundo Estranho e também escreve sobre o mundo das bebidas em Nossa.

Colunista de Nossa

16/01/2022 04h00Atualizada em 17/01/2022 09h13

8º31'S, 179º'11'L
Aeroporto Internacional de Funafuti
Funafuti, Tuvalu

No mais recente levantamento da Organização Mundial do Turismo, Tuvalu ostentava o curioso título de país menos visitado do planeta. São cerca de 3 mil intrépidos viajantes por ano. É mais ou menos o que o Brasil, que está longe de ser uma potência em se tratando de quantidade de visitantes estrangeiros, recebe em quatro horinhas.

É evidente, meu ansioso leitor, que estou comparando países de dimensões contrastantes. Toda a população de 12 mil pessoas dessas ilhas da Oceania cabe com folga na Vila Belmiro ou, na medida certa, no Lomantão, em Vitória da Conquista. A área total do arquipélago equivale à área urbana de Itaperuna (sendo que a cidade do norte fluminense tem quase dez vezes mais gente).

Tuvalu é um país formado por atóis, cujo ponto culminante tem 5 metros. A "montanha" mais alta da nação tem a metade da altura da estátua de Borba Gato, em São Paulo, ou um sexto da "Estátua da Liberdade" da Havan (base inclusa) que o vento de Capão da Canoa derrubou no ano passado.

A economia de Tuvalu se baseia no coco, nas remessas de tuvaluanos que trabalham na gringa e na concessão do direito de uso a seu domínio na internet, ".tv", o que deu uma bombada em seu PIB. Hoje ele está na casa dos US$ 49 milhões.

Vista do aeroporto de Tuvalu - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Vista do aeroporto de Tuvalu
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Superisolado e minúsculo, Tuvalu tem um tráfego aéreo extremamente tranquilo. Em janeiro, há somente um voo direto por semana, ligando a capital do país, Funafuti, a Fiji. Em fevereiro, eles passam a ocorrer três vezes por semana. Ou seja, em boa parte da semana a pista fica inutilizada. Mas só pelas aeronaves.

É aí que a população de Funafuti toma o espaço, que não tem grades nem qualquer isolamento, e o transforma em uma praia de asfalto, só para se contrapor às belas faixas de areia com águas cristalinas do atol.

Nos fins de tarde, as pessoas jogam futebol e vôlei, pedalam, andam de moto ou simplesmente jogam conversa fora sentadas em cadeiras. Como se, em São Paulo, o Parque Minhocão invadisse Congonhas.

Aeroporto Internacional de Funafuti, em Tuvalu - Michael Coghlan - Michael Coghlan
Aeroporto Internacional de Funafuti, em Tuvalu
Imagem: Michael Coghlan
Locais jogam rugbi na pista do aeroporto de Tuvalu - Michael Coghlan - Michael Coghlan
Locais jogam rugbi na pista do aeroporto de Tuvalu
Imagem: Michael Coghlan
Crianças de Tuvalu observam chegada de avião no aeroporto - lirneasia - lirneasia
Crianças de Tuvalu observam chegada de avião no aeroporto
Imagem: lirneasia

O aeroporto foi construído pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, em 1943. Naquela época, Tuvalu se chamava Ilhas Ellice e era uma colônia britânica unida às Ilhas Gilbert, o atual Kiribati.

Os americanos usaram Tuvalu de base para combater os japoneses, que controlavam Kiribati e chegaram a bombardear a pista tuvaluana. Terminada a guerra, em 1945, os militares foram embora e o aeroporto foi reformado para uso comercial.

Mas não é que ele teve muito uso. Além de Fiji, o único país que já operou voos para lá foram as Ilhas Marshall, outro arquipélago do Pacífico. Em 2021, houve conversas no governo para iniciar voos domésticos entre as ilhas — algo que seria útil, já que a maior distância entre elas beira os 1.600 quilômetros.

Se demorar muito, talvez nem precise mais. Tuvalu pode se tornar inabitável nos próximos cem anos com a elevação do nível da água dos mares. O quarto menor país do mundo, com a terceira menor população e o menos visitado, pode se tornar, também, o primeiro a desaparecer.

Índice de lugares do Terra à Vista

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado, o PIB de Tuvalu não é maior do que o de Brasília, que foi de R$ 273,6 bilhões em 2019.