PUBLICIDADE
Topo

Coluna do Veterinário

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Cachorrinha entrou no cio? Saiba quais cuidados tomar neste período

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
André Marchina Gonçalves

André Marchina Gonçalves é médico veterinário formado pela FMVZ-USP em 2012. Possui pós-graduação lato sensu em Anestesiologia Veterinária pela PAV e Anestesia Regional Veterinária pelo IEP Ranvier. Trabalhou em alguns dos principais hospitais e clínicas veterinárias de São Paulo entre 2013 e 2019, quando mudou-se para a Espanha. Atualmente é aluno da Universidade de Murcia, onde faz um masters em Medicina de Pequenos Animais.

Colaboração para Nossa, em Murcia (ESP)

29/04/2021 04h00

Minha cunhada está com uma nova integrante na família: sua primeira cachorra, uma Shih Tzu de 6 meses. Nesse momento começam a surgir as dúvidas de todo novo dono de fêmea: Quando vai entrar no cio? Quais cuidados devo ter?

Já escrevi em uma coluna anterior sobre as atuais recomendações da idade ideal para a castração de cães e gatos. Atualmente, a castração antes do primeiro cio só é recomendada para cachorras e gatas que serão encaminhadas à adoção, nas que tenham acesso à rua e no manejo de captura, esterilização e soltura de gatos ferais.

Dessa maneira, grande parte dos animais deverá passar por esse momento pelo menos uma vez.

Cio x menstruação

Primeiro, é importante fazer essa diferenciação. Uma confusão muito comum entre donos de animais é a comparação do cio com a menstruação da mulher. Isso ocorre principalmente devido ao sangramento presente nas cachorras, mas ele não tem a mesma origem.

Cachorras e gatas, assim como a maioria dos mamíferos, possuem um ciclo reprodutivo chamado estral, que é diferente do ciclo menstrual presente nas mulheres. A menstruação ocorre ao fim de um ciclo menstrual, com a descamação das paredes do útero, que haviam aumentado, de maneira a se preparar para uma gravidez. Não havendo a fecundação, esse tecido é expelido pela vagina. Embora a parede do útero de cadelas e gatas também cresça ao longo do ciclo, no fim dele o excesso de tecido é reabsorvido, e não há sangramento.

O sangramento nas cadelas ocorre por uma outra razão. No período do ciclo chamado de proestro, ocorrem alterações hormonais que levam a um aumento da circulação sanguínea no útero, a um aumento da espessura da parede uterina e também à ruptura de alguns vasos sanguíneos dessa parede, e é isso que causa o sangramento. Essas alterações hormonais também provocam mudanças no comportamento da cadela, que pode ficar mais agressiva ou carente, e também mudanças físicas, como o aumento da vulva.

Entender o ciclo estral é importante para poder compreender as alterações que seu animal apresenta e os cuidados que você deve ter em cada uma das fases.

Embora sejam semelhantes nesse aspecto, as cachorras e gatas têm algumas diferenças no seu ciclo. Hoje falaremos da primeira espécie e, na semana que vem, abordaremos detalhes sobre as felinas.

Cachorras

A idade do primeiro cio na espécie canina costuma variar em função do porte do animal. Quanto maior, mais tarde ele ocorrerá. Para cães de pequeno porte, o primeiro cio costuma ocorrer por volta dos 5 a 7 meses. Já nos animais grandes, esse momento pode ser aos 8, 9, 10 meses, e nas raças gigantes pode ser com mais de um ano de idade. Portanto, no caso da cachorrinha da minha cunhada, ele deve acontecer em breve.

A frequência com que ocorrem os cios pode variar bastante de animal para animal. Com algumas exceções, segue o mesmo padrão do primeiro cio, sendo mais frequentes nas pequenas (2, até 3 vezes ao ano) e menos nas grandes (que em geral têm 1 ciclo por ano).

E como funciona esse ciclo?

Na maior parte do tempo, as cadelas se encontram em uma fase chamada anestro, que é como se fosse um período de "descanso" do sistema reprodutivo. Após esse período de meses, tem início um novo ciclo, com o começo do proestro, seguido pelo estro. A soma desses dois períodos é o que chamamos de cio.

Ao contrário do que muitos pensam, durante o sangramento (proestro) não é quando a fêmea está apta para cruzar. Nesse momento, que pode durar de 5 a 20 dias, embora ela já atraia os machos, a ovulação e o período mais fértil ainda não terão ocorrido. Isso se dá na fase seguinte, o estro. Durante o proestro, normalmente as cadelas não aceitam a monta e podem até ficar agressivas com a presença de machos.

Passado o proestro, se inicia o estro, e a ovulação ocorre depois de aproximadamente 5 dias, com uma duração total do período de aproximadamente 1 a 2 semanas. Durante o estro é quando normalmente a cachorra se torna receptiva à monta e que a fecundação tem maiores chances de ocorrer.

Em seguida, não havendo fecundação, a cadela entra no diestro, que é a fase em que ocorre a reabsorção dos tecidos desenvolvidos no útero e a diminuição da vulva. Depois, ela volta ao anestro.

Que cuidados ter em cada uma das fases?

Durante o proestro, é importante observar as secreções. Algumas cadelas quase não sangram, enquanto outras, principalmente de grande porte, podem ter um fluxo mais alto. Normalmente é um sangramento que marca o chão quando o animal se senta ou que pode gotejar em caminhadas.

Nesse momento, é importante estar atento a essa quantidade e ao tipo de secreção. Uma grande quantidade de sangue pode indicar uma hemorragia, que necessita atendimento de urgência. Já uma secreção escurecida, com odor forte, pode ser um indicativo de alguma infecção e também necessita de avaliação do veterinário.

É necessário manter a higiene constante do local a fim de evitar infecções e diminuir o incômodo causado pelo acúmulo de secreção. Uma tosa higiênica ajudará na higiene e também diminuirá os lambidos frequentes que ela irá fazer na região. Para diminuir a sujeira na casa, existem algumas fraldas que são próprias para esse momento, mas lembre-se de trocá-las constantemente.

Também é importante evitar a aproximação de machos, já que eles serão atraídos, e nesse momento a sua cadela pode estar agressiva, gerando brigas. Além disso, embora normalmente não estejam receptivas, algumas cadelas fogem à regra, podendo se deixar montar nesse momento.

Por mais que ainda não tenha ocorrido a ovulação, os espermatozoides do cão podem sobreviver por algum tempo na fêmea, podendo fecundá-la quando ela vier, alguns dias depois. Já no período de estro, o cuidado tem que ser redobrado de maneira a evitar fugas e contato com os machos (não duvide da capacidade deles de pular muros ou passar por portões. Eles fazem de tudo para chegar até a fêmea).

Durante todo o período de cio, a cadela pode apresentar apatia e falta de apetite. Esses sintomas podem ser indicativos de alguma dor abdominal, como se fosse uma cólica em mulheres. Nesse caso, converse com o seu veterinário para ver se há necessidade de algum analgésico.

O período de diestro é um momento que requer atenção, especialmente para cadelas mais velhas. Nesse momento, a presença do hormônio progesterona as torna mais predispostas a infecções.

Soma-se isso à presença de conteúdo no interior do útero e temos um ambiente muito favorável à aparição da piometra, que é a infecção de útero. Essa é uma doença muito perigosa, que pode levar à infecção generalizada e requer tratamento de urgência.

Por isso, nessas semanas pós cio é necessário estar atento ao comportamento do animal e a alguns sintomas: apatia, cio que se mantém por semanas e até meses, ingestão de muita água, aumento da quantidade de urina, aumento abdominal, secreção vaginal purulenta ou sanguinolenta.

Na fase de diestro também pode ocorrer a pseudociese, conhecida como gravidez psicológica. Nessa alteração, os hormônios circulantes levam a alterações de comportamento, a cachorra faz ninho, vira "mãe" dos brinquedos, fica mais agressiva ou deprimida e podem levar ao aumento das mamas e até à produção de leite. Essa é uma condição que também requer assistência veterinária.

Independente da fase do ciclo que a cachorra esteja, uma recomendação muito importante é nunca administrar qualquer tipo de medicação para a ela com o objetivo de inibir o cio ou para interromper a gestação, sem conhecimento do seu veterinário. O uso desse tipo de medicação pode ter consequências graves, como tumores de mamas, ou piometras.

Existem tratamentos hormonais para o controle do ciclo estral em cadelas, mas eles só devem ser prescritos em situações específicas, sempre com a indicação de um médico veterinário. Também sabemos hoje que a maneira mais segura e efetiva de evitar o cio, prenhez indesejada e doenças como a piometra é através da castração.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL