Champanhe achada em naufrágio vale R$ 1 milhão e tem gosto de cabelo

Por Jorge de Souza

Em 2010, um grupo de mergulhadores descobriu no mar do arquipélago de Åland, na Finlândia, os restos de um velho barco naufragado.

Divulgação

A embarcação mais tarde seria identificada como sendo o cargueiro Foglo, que ali afundara em 1852 ? portanto, mais de um século e meio antes.

California Gold Marketing Group

Porém, não foi a idade daquele barco que mais chamou a atenção dos mergulhadores, e sim o que havia nele: entre outras coisas, 168 garrafas de champanhe, ainda cheias.

Domínio público

Os mergulhadores recolheram as garrafas e enviaram algumas delas para análises, por especialistas.

Reprodução

A primeira conclusão foi que parte das garrafas (todas naturalmente já sem rótulos, após tanto tempo no fundo do mar) eram da lendária vinícola francesa Veuve Clicquot.

Divulgação

A outra, que, justamente por serem champanhes Veuve Clicquot de mais de um século e meio antes, elas valiam algum dinheiro.

Sheridan Libraries/Levy/Gado/Getty Images

Levadas à leilão, 11 daquelas garrafas foram vendidas por cerca de R$ 70 mil cada, o que já era um bom resultado para uma bebida que ninguém sabia se poderia ser ingerida.

Divulgação

Animados, os mergulhadores enviaram, então, uma das garrafas para sommeliers consagrados, para que seu conteúdo centenário fosse provado.

Moët & Chandon/Divulgação

Mas o primeiro parecer foi desanimador.

Divulgação

Os técnicos descreveram o sabor do líquido como sendo parecido com o de "cabelo molhado", e usaram termos como "notas de animais" para descrever a bebida.

Divulgação

Em seguida mudaram totalmente de opinião. Após o líquido ter sido girado nas taças dos provadores, e "respirado" um pouco, os comentários registrados mudaram.

Sheridan Libraries/Levy/Gado/Getty Images

Termos como "defumado", "levemente picante" e "com notas frutadas e florais" foram usados ? além de atestarem que aquele champanhe ainda estava apto ao consumo.

Getty Images

Foi o que bastou para que, imediatamente, cada uma daquelas garrafas passasse valer 15 vezes mais, ou perto de 200 mil dólares ? praticamente R$ 1 milhão por garrafa.

Getty Images

Agora, novos leilões do "champanhe mais velho do mundo", como classificou um dos técnicos que saboreou a bebida, devem acontecer, com o preço inicial dos lances devidamente reajustado.

Divulgação
Publicado em 08 de janeiro de 2024.