PUBLICIDADE
Topo

Podcast

Posse de Bola

Programa semanal de futebol com Juca Kfouri, Mauro Cezar Pereira, Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi


Posse de Bola #151: Messi no PSG biônico, Galo x Palmeiras e a Libertadores

Do UOL, em São Paulo

13/08/2021 12h33

Logo após a saída de Lionel Messi do Barcelona, veio o seu acerto com o Paris Saint-Germain, para se juntar a um elenco estrelado, que já conta com Neymar e Mbappé no ataque, além de nomes como Marquinhos, Di Maria, Verratti e os recém-contratados Sergio Ramos, Hakimi e Donnarumma, com o técnico Mauricio Pochettino encarregado de encaixar as peças em busca do sonhado título da Liga dos Campeões.

No podcast Posse de Bola #151, os jornalistas Arnaldo Ribeiro, Eduardo Tironi, Juca Kfouri e Mauro Cezar Pereira analisam a montagem do time do PSG e a chegada de Messi para considerar a possibilidade de o time ser o que dele se espera e o interesse que a chegada do argentino gera em relação ao Campeonato Francês.

Mauro Cezar lembra que nem sempre a reunião de grandes estrelas funciona no futebol e que, embora ofensivamente o trio formado por Mbappé, Messi e Neymar pareça muito forte no papel, ele faz com que Pochettino tenha de procurar opções para atuar nos momentos em que seu time não terá a bola, dada a pouca efetividade do trio na marcação.

"O grande desafio é do Mauricio Pochettino, porque é um time que, ter esses jogadores é ótimo, não estou aqui criticando. O técnico tem que ser bom para conseguir fazer isso funcionar, isso é um desafio do técnico, problema dele, ele tem que resolver, porque é o seguinte, é um time que, primeiro, o time quando não tiver a bola como vai funcionar? O Messi já com 34 anos não é exatamente um jogador que trabalha muito sem a bola, o Neymar esse não é o hobby do Neymar e o Mbappé, embora muito jovem, muito forte, ele não é também um jogador que se notabilize por essa característica", diz Mauro Cezar.

"Di Maria também é um jogador ofensivo, não é um jogador que se destaque porque ele desarma, ele marca, ele fecha espaço, ele recompõe, nada disso. Ele até pode fazer esse papel, mas esse não é o ponto forte dele. Senão o Verratti, Paredes, Danilo, quem eles colocarem ali, coitados, os caras não vão carregar piano, vão carregar todos os instrumentos da orquestra e aí fica inviável, então o time pode ficar desequilibrado e isso acontece", completa.

Trio do PSG é midiático, mas não dá garantia de sucesso

O jornalista afirma que a reunião de talentos promovida pelo PSG não dá nenhuma garantia em termos de título da Liga dos Campeões, lembrando que Messi teve jogadores talentosos ao seu lado no Barcelona e isso nem sempre funcionou.

"A reunião desses jogadores não assegura nada. Ela sinaliza um negócio muito midiático, uma possibilidade grande de dar certo, eu acho, mas não é uma certeza, eu acho que não é uma certeza, tanto que o Barcelona tendo Messi e outros ótimos jogadores ao lado, alguns caríssimos que foram tiros no pé, esses três agora, Dembelé, Philippe Coutinho e Griezmann, os três custaram juntos 350 milhões ou mais do que isso de euros e nenhum dos três vingou", diz Mauro.

"Messi estava cercado de alguns bons jogadores em alguns momentos e o Barcelona não ganhou mais a Champions League, chegou a ganhar o Campeonato Espanhol, a Copa do Rei, e nas eliminações do Barcelona com Messi, algumas delas foram humilhantes, com remontadas, viradas históricas e goleadas. Roma, Liverpool, isso tudo está aí registrado. Não dá para ter a certeza de que esses caras vão passar o rodo em todo mundo. Talvez, no Campeonato Francês, eles consigam, mas Champions League o buraco é mais embaixo e o Pochettino tem aí uma situação que ele vai ter que se virar", completa.

Técnico vai precisar administrar vestiário de estrelas

Outro ponto destacado por Mauro Cezar é a administração do vestiário, já que, além de Messi, o PSG conta como novidade o zagueiro Sergio Ramos, que era um líder no Real Madrid e deverá manter seu perfil no clube francês.

"Outra questão também que me chama a atenção é o vestiário, administrar diferentes egos no vestiário é outro desafio para o Mauricio Pochettino. Você vai ter uma liderança de um Sergio Ramos, que ele já chega e coloca a estrela de xerife no peito e ele vai tomar conta do vestiário, do campo, então vamos ver como é que vai ser", diz o jornalista.

"O Neymar, quem acompanha os jogos do PSG sabe, o Neymar, mesmo com o Mbappé sendo o cara que mais se destacava tecnicamente e decidia, ele meio que faz o que quer no time e não vai ser mais assim, vai ter gente para dividir com ele, vai ter gente que de repente até vai gritar com ele, o que não acontece lá. Tem vários detalhes interessante aí, o que é muito bom, senão seria muito sem graça", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.