PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Presidente do Grêmio: Nosso último Brasileiro foi nos anos 90, está engasgado

Do UOL, em São Paulo

30/04/2021 04h00

Campeão da Copa do Brasil em 2016 e da Libertadores em 2017, o Grêmio somou outras boas campanhas nas duas competições nos últimos anos, atingindo semifinais e a final no caso da Copa do Brasil, quando foi vice na edição 2020, mas o clube completa 25 anos de seu último título conquistado no Campeonato Brasileiro, tendo até priorizado as copas no período em que foi comandado por Renato Portaluppi, ficando na quarta posição em 2017, 2018 e 2019, além de sexto na edição mais recente.

Em entrevista a Mauro Cezar Pereira no programa Dividida, do UOL Esporte, o presidente gremista Romildo Bolzan comenta a queda precoce do clube na Libertadores e o incômodo com a falta de títulos brasileiros desde a conquista de 1996, quando o Grêmio bateu a Portuguesa na final sob o comando de Luiz Felipe Scolari, tendo desde então os vices de 2008 e 2013, já no formato de pontos corridos.

"O Grêmio evidentemente muda muito a sua concepção no que diz respeito à conquista e talvez essa perspectiva de jogar até com muito mais vontade, com muito mais perspectiva de chegada os campeonatos nacionais, o campeonato nacional, por exemplo, para nós a última vez que ganhamos foi lá nos anos 90 e estamos com isso engasgado", afirma Bolzan.

"Acho que culturalmente o que falta para nós realmente para fazer o molho e para organizar tudo aquilo que significa, vamos dizer assim, uma escala de valores de cultura de clube e principalmente uma situação de dar atenção a tudo o que o Grêmio disputa, um campeonato nacional nesse momento seria muito bem-vindo", completa.

Agora sob o comando de Tiago Nunes, o time ainda poderá contar com reforços para o elenco e coloca como objetivo principal a volta a Libertadores em 2022, sendo que poderá atingir uma vaga tanto pelo Brasileirão como também na Copa do Brasil e na Sul-Americana, mas o presidente do Grêmio promete um enfoque diferente na competição de pontos corridos.

"A não classificação para a Libertadores é o sentimento de perda, porque a gente já tinha imaginado, estávamos acostumados a jogar desde 2016 em sequência, então claro que quando tu não vai jogar, acaba tendo um sentimento de perda. Mas o que nos cabe fazer é exatamente um roteiro para voltar e aí temos vários roteiros, o primeiro é a própria Sul-Americana, que classifica em vaga direta e nós vamos ter que fazer, e aí o planejamento do Grêmio ficou mais ou menos acumulado, nós vamos ter um plantel que está inscrito para essa primeira fase de grupos, se conseguirmos passar, acumularemos a Copa do Brasil e também acumularemos o Campeonato Brasileiro, talvez com o plantel mais reforçado", afirma Bolzan.

"Vamos dizer assim que nós vamos jogar o Campeonato Brasileiro talvez com enfoque diferente do que jogamos nos anos anteriores", conclui.

O Dividida vai ao ar às quintas-feiras, às 14h, sempre com transmissão em vídeo pela home do UOL e no canal do UOL Esporte no Youtube. Você também pode ouvir o Dividida no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e Amazon Music.

Futebol