PUBLICIDADE
Topo

Futebol

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Mauro: O palmeirense trata o Mundial de uma forma que se volta contra ele

Do UOL, em São Paulo

12/02/2021 17h45

O Palmeiras encerrou sua participação no Mundial de Clubes com a frustração do torcedor por não conquistar o desejado título, situação semelhante à de outros clubes que disputaram a competição recentemente, dado o fato de nenhum time sul-americano ter sido campeão após o Corinthians em 2012, mas no caso do Alviverde ocorre o agravante na chacota dos rivais devido ao pedido de reconhecimento da Copa Rio de 1951.

No podcast Posse de Bola #99, Mauro Cezar Pereira afirma que o torcedor palmeirense e o próprio clube acabam custando a conquista da Libertadores ao fazerem questão de citar o título e 1951, dando ao título mundial mais relevância que a competição realizada pela Fifa tem, sendo que o clube vem de um título continental que não vencia desde 1999.

"É uma questão da maneira como a gente olha para o futebol aqui e o palmeirense tem um pouco de culpa nisso porque trata essa coisa do Mundial de uma forma que acaba se voltando contra ele palmeirense, aí eu falo de todos os palmeirenses quase, praticamente todos, talvez um ou outro pense diferente ou aja de forma diferente", diz Mauro Cezar (no vídeo a partir de 19:39).

"Fala-se tanto do Mundial, 1951, essa coisa toda, que com o Palmeiras é pior do que com outros clubes quando não consegue êxito naquela competição. E aí o que acontece? O Palmeiras venceu a Libertadores, que há mais de 21 anos perseguia, conseguiu o título, a torcida ficou eufórica, tudo maravilhoso. 11 dias depois, 12 dias depois, vira meme. Olha que loucura, você pega o título maior do continente e ele fica em plano secundário porque empatou com o time do Egito, não ganhou do time do México, é surreal isso", completa.

O jornalista vê os clubes sul-americanos tratarem com uma proporção diferente dos europeus, o que acredita que poderia ser diferente, dizendo que para o Chelsea não foi nenhuma vergonha perder para o Corinthians após ter vencido a Liga dos Campeões, que é mais importante que o Mundial na sua opinião.

"Eu não consigo imaginar que um time ganhe a Champions League e porque perdeu o Mundial, o Chelsea quando perdeu para o Corinthians, ninguém ficou zoando o Chelsea na Inglaterra porque o título que o Chelsea ganhou meses antes, foram meses antes, mas ganhou, da Liga dos Campeões, é o maior título da história do clube. E perder para o Corinthians não tornou uma vergonha, nem ninguém iria ficar se preocupando com isso", diz Mauro Cezar.

"Aqui a gente vive assim, então isso é muito estranho, eu acho muito estranho você ter um título tão relevante como a Libertadores e ser ofuscado em poucos dias porque você perdeu no torneio da Fifa lá no Qatar para o Tigres e empatou e perdeu nos pênaltis para o Al Ahly. Isso se volta contra o Palmeiras, contra o clube, contra o trabalho feito pelo clube, contra a sua torcida, mas o palmeirense que tanto fala nisso, a diretoria que bota lá campeão de 1951 no estádio, fala no alto-falante, colabora com isso. Aí os rivais, evidentemente esfregam as mãos, deitam e rolam", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol